quinta-feira, 1 de julho de 2010

Metal Heroes (V)

Quando eu migrei o átomo para o novo modelo de template do Blogger, tive de aparar um monte de arestas que não ficaram bem do jeito que eu esperava. Enquanto aparava as arestas do arquivo (os Textos Passados), acabei relendo partes de alguns posts. Durante essa releitura, acabei ficando com vontade de falar mais um pouco sobre uns dois ou três assuntos. E a vontade mais forte veio depois de rever os posts dos Metal Heroes.

Na época em que eu fiz aqueles quatro posts, decidi, de propósito, parar no Jiban. Os motivos foram vários: primeiro, originalmente, Jiban era o último dos Metal Heroes, então fazia sentido parar ali. Segundo, Jiban foi o último que eu realmente assisti - de Winspector e Solbrain eu só vi um episódio ou outro, e os seguintes jamais foram exibidos no Brasil. Terceiro, para ser franco, nunca achei muita graça nos Metal Heroes, à exceção de Jiraiya e Metalder, e talvez Jaspion por memória afetiva. Minha preferência está com os Sentai.

Ainda assim, de vez em quando eu tinha uma certa vontade de completar a série. Quase voltei ao assunto em 2008, quando resolvi fazer mais um post de Sentai, mas depois fui arrumando outros assuntos e deixei pra lá. Hoje, porém, eu cansei de adiar. Graças a uma reclassificação, ainda faltam nove Metal Heroes para serem abordados, então hoje começa uma nova série de quatro posts sobre eles. Não todos seguidos, que ninguém tem obrigação de passar um mês inteiro lendo sobre Tokusatsu.

Tokkei Winspector
1990



Como eu falei lá no até então último post dos Metal Heroes, mais especificamente no segmento dedicado ao Jiban, ao criar um Metal Hero que também era um policial, a Toei acabou descobrindo um novo filão, de seriados cujos heróis eram também policiais, bombeiros ou outras profissões relacioandas a proteção e salvamento. Esses seriados substituiriam os Metal Heroes em seu horário, e seriam conhecidos oficialmente como Rescue Mission ("missão resgate"), embora os fãs também se referissem a eles como Rescue Heroes, Police Heroes ou Rescue Police Series. Originalmente, Rescue Heroes não eram Metal Heroes: Metal Heroes eram sempre "individuais", enquanto os Rescue Heroes eram equipes. Somente a partir de 2005 é que a Toei passaria a considerar todos os seus heróis exibidos na mesma faixa de horário entre 1982 e 1998 como Metal Heroes.

Bem, seja como for, o primeiro dos Rescue Heroes foi a Polícia Especial Winspector (junção de win, "vencer", com inspector, "inspetor de polícia"), sucessor de Jiban e exibido no ano de 1990. A série teve 49 episódios, exibidos no Brasil pela Rede Manchete a partir de 1994. Eu, particularmente, não gostava muito, mas dizem que Winspector foi um grande sucesso por ter sido exibido junto com os Cavaleiros do Zodíaco, aproveitando a audiência dos fãs do anime.

Winspector é ambientado no futuro - no caso, o ano de 1999 - quando o progresso científico e tecnológico, além de permitir melhores condições de vida para a população do Japão, acabou propiciando uma nova onda de crimes jamais vistos. Para combater esses crimes, o chefe de polícia Shunsuke Massaki (o mesmo ator que interpretou o Kamen Rider V3 e Big One no Sentai JAKQ) decide criar uma divisão especial de combate ao crime, se aproveitando da mais moderna tecnologia, para equilibrar mais uma vez as forças do bem e do mal. Assim, surge o Esquadrão Especial Winspector - nome com o qual a série era exibida pela Manchete.

O líder do esquadrão é o policia Liuma Ogawa (Ryoma Ogawa na versão original), um órfão mestre nas artes marciais e fluente em cinco idiomas. Para combater o crime, ele usa o moderno carro de polícia WinSquad e a moderna armadura robótica Fire, de cor vermelha, feita de um material conhecido como Crush Tector, que aumenta sua força, permite que ele use modernas armas como a espada Max Calibre e a metralhadora Giga Streamer, e o torna praticamente invulnerável, mas tem um perigoso efeito colateral: com o passar do tempo, a temperatura no interior da armadura vai aumentando (deve ser por isso que ela se chama Fire...), e, se Liuma ficar muito tempo dentro dela, pode até morrer de calor. Para "vestir" a armadura, Liuma pressiona um botão no painel do WinSquad e pronuncia o comando "jack up" - para o qual eu não sou capaz de encontrar uma tradução mais adequada do que "montar", e que na dublagem brasileira se parecia mais com "djacan" ou "tchaca".

Liuma é também o único membro humano do esquadrão, que é completado pelos robôs Highter (que no original se chamava Walter) e Biker, ambos também construídos com Crush Tector. Highter é de cor turquesa, adora crianças, está sempre de bem com a vida e tem um par de asas e um poderoso jato nas costas que lhe permitem voar. Biker, de cor amarela, é mais envergonhado, tem um pneu no peito que lhe permite se deslocar deitado no chão em alta velocidade, usa como arma duas espadas que se fundem em uma lança e pilota a motocicleta WinChaser. O trio recebe suas missões do supercomputador Maddox, que vigia Tóquio 24 horas por dia, acionando o esquadrão sempre que necessário.

Além da equipe principal, composta por Fire, Highter e Biker, o Winspector possui uma equipe de apoio, da qual fazem parte as policiais Junko Fujima (Junko Fujino no Japão) e Hissae Koyama (Hissako Koyama no Japão) e o mecânico Shinichi Nonoyama, responsável pelo desenvolvimento das armas da equipe e pelo conserto de Biker e Highter, auxiliado pelo robozinho Demitaz, que parecia um isqueiro falante. Outros personagens recorrentes eram Minoru (Ryota no original), o irmão mais novo e extremamente chato de Hissae, que sonhava se tornar um membro do Winspector; Toragoro Rokkaku, um policial comum que sempre colabora nas investigações do Winspector e servia meio que como contraponto cômico, participando de várias cenas constrangedoras com Biker e Highter; e Brian, outro robô "irmão" de Biker e Highter, mas que teve sua programação alterada e passou a ser um vilão.

Falando em vilões, uma das principais características dos seriados de Rescue Mission é que eles não combatiam impérios alienígenas, exércitos de monstros nem o Povo do Centro da Terra. A princípio, suas missões envolvem o combate de criminosos "comuns", apenas dotados de alta tecnologia, que ameaçam a segurança de Tóquio, em sua maioria cientistas malucos com inventos voltados para o mal. É claro que, de vez em quando, surge uma águia gigante ou uma gelatina senciente, senão não seria Tokusatsu, mas o ponto é que Winspector não tem um "vilão principal", algo extremamente raro para seriados japoneses.

No último episódio, a organização mundial de combate ao crime ICPO pede que o Winspector seja transferido para a França, para ajudar a polícia de lá. Para o Japão não ficar desprotegido, o Chefe Massaki decide criar uma nova equipe...

Tokkyuu Shirei Solbrain
1991


Após a partida do Winspector para a França, o Chefe Massaki decidiu criar uma nova equipe para ficar em seu lugar. Essa equipe, porém, não seria puramente policial, atuando também como bombeiros e unidade de resgate e salvamento (também tinham a missão de "resgatar o coração perdido dos homens", mas deixa pra lá). Assim nasceu a Unidade Especial de Resgate Solbrain (nome que, teoricamente, era a junção de soul, "alma", e brain, "cérebro").

Assim como Winspector, a Unidade Solbrain era composta de três membros, com a diferença de que, dessa vez, dois eram humanos. O líder era Daiki Nishio, um detetive iniciante mas de grande potencial. Apertando um botão no painel de seu carro Sol Líder (SolGallop no Japão) e pronunciando o comando plus up (que não faz sentido nenhum em inglês, mas deve ser algo como "aumentar"), Daiki se equipa com a armadura SolBraver, na cor azul, que aumenta sua força e o deixa praticamente invulnerável, além de permitir que ele use a arma Raio Delta (Cerberus Delta no original), capaz de se transformar em bastão ou espada. A armadura SolBraver não é feita de Crush Tector, mas construída com uma nova tecnologia chamada Solid Suit; mesmo assim, Daiki não pode vesti-la indefinidamente, já que, após um certo tempo, sua energia se esgota.

O segundo integrante humano da equipe é a policial Reiko Higuchi, que, com o mesmo comando plus up e o acionamento de um botão em seu carro Sol Blaster (SolDrecker no original), tem acesso à armadura SolJeanne, de cor vermelha, totalmente à prova de fogo, com máscara de oxigênio embutida e uma espécie de extintor de incêndio como arma. Completa a equipe principal o robô SolDozer, de cor amarela, dotado de grande força e da habilidade de se transformar em uma "máquina de resgate", que parece uma cruza de escavadeira e empilhadeira. A equipe recebe suas ordens do supercomputador Cross 8000, mais avançado que Maddox.

Também como o Winspector, a Solbrain possui uma unidade de apoio, composta pelo policial Jun Masuda, que, apesar de não ter armadura, é praticamente um querto membro da equipe; o especialista em máquinas Kamekichi Togawa, responsável pela manutenção de SolDozer e dos demais equipamentos da equipe; e os tripulantes do Solid Saver (SolidStates-1 no Japão), um enorme caminhão de bombeiro voador que surgia de sua garagem secreta para apagar um eventual incêndio enquanto a Solbrain resgatava as vítimas. O Solid Saver era pilotado pelo oficial Takeshi Yazawa, que tinha como braço-direito a policial Midori Aikawa, única mulher na tripulação.

Mais uma vez como Winspector, Solbrain não tinha um vilão principal, se envolvendo, em cada capítulo, em uma missão de resgate ou salvamento, na qual aproveitava para combater um cientista maluco, bandido perigoso ou eventual monstro ou alienígena. A série tinha, porém, um vilão recorrente, Takaoka, um cientista devotado a destruir a equipe, e que chegou até mesmo a se fundir com um computador para tentar conseguir seu intuito.

Nos episódios 21, 22 e 23, Fire, Biker e Highter fizeram uma participação especial, e o Winspector e a Solbrain uniram forças para derrotar um inimigo em comum. No episódia 34, Liuma retorna novamente ao Japão, e é convidado para se unir à Solbrain, recebendo uma armadura Solid Suit semelhante à de Daiki, mas vermelha, chamada Knight Fire. A armadura possui as mesmas habilidades da SolBraver, sendo equipada com um Raio Delta e um Pile Tornado, um extintor de incêndio supermoderno. Liuma também tem um carro, Knight Custom, que tem esse nome por ser originalmente um carro comum, adaptado para o combate pelo próprio Liuma.

Solbrain teve 53 episódios, exibidos no Brasil pela Rede Manchete no ano de 1995 com o nome de Super Equipe de Resgate Solbrain. Foi o último Tokusatsu inédito exibido no Brasil, já que, depois disso, talvez não necessariamente nessa ordem, os anime começaram a ganhar força, a Rede Manchete faliu e a Saban adquiriu os direitos de exclusividade para esse tipo de produção no mundo ocidental, preferindo fazer Power Rangers e quetais ao invés de exibir os originais.

No último episódio, o Chefe Massaki reúne a equipe e revela que o governo japonês deu ordem para que ela fosse dissolvida, devido aos altos gastos necessários para manter uma equipe daquele porte em operação. Ao invés de apenas uma equipe com tecnologia de ponta, a ordem era produzir armaduras mais baratas em massa, para equipar vários policiais e bombeiros por todo o Japão. Esse foi o mote para a criação de mais uma série, que encerraria a trilogia iniciada com Winspector.

Tokusou Exceedraft
1992


Em teoria, a Investigação Especial Exceedraft (algo como "força predominante", em uma tradução meio forçada), que teve 49 episódios, era uma continuação de Solbrain. Na prática, porém, a única referência à série anterior foi o fato de a equipe ter sido criada pelo Chefe Massaki e de ser composta por três oficiais que usavam as armaduras mais baratas e produzidas em escala citadas no final da série anterior.

Os três membros da Exceedraft eram humanos, e os três eram homens: Kanou Hayato, o líder, é um policial da interpol que fala cinco idiomas (de novo), pratica vários esportes, e é extremamete sério e dedicado ao dever. Sua armadura, DraftRedder, é de cor vermelha, e tem na resistência sua principal característica, sendo imune a vários tipos de impacto e totalmente à prova de balas. O segundo em comando, Muraoka Kousaku, era superintendente do departamento metropolitano de trânsito. Frio e distante por ter perdido os pais na infância, é um perito em disfarces, e usa a armadura DraftBlues, de cor azul, com a habilidade de absorver eletricidade. Completa a equipe Ken Ookuma, ex-bombeiro, alegre e brincalhão, mas muito sério quando o assunto é combate ao crime. Seis vezes campeão escolar de caratê, tem como hobby cozinhar, e usa a armadura DaftKeace, de cor amarela, que tem grande resistência ao calor e um extintor de incêndio embutido. A equipe tem ainda dois veículos, a caminhonete Scrummage Head, que leva os três oficiais e suas armaduras para as missões, e o carro Barias 7, que Hayato pode usar nos modos patrulha ou resgate, de acordo com a situação.

As armaduras da Exceedraft são conhecidas como Trial Jackets, e possuem uma característica inusitada: devem ser vestidas, ao invés de acionadas através de um comando verbal como de costume. Cada armadura possui vários acessórios acopláveis, como a arma Rivolvacc G-3, que dispara lasers, granadas e raios congelantes; os jatos Turbo Unit W, acoplados aos tornozelos, que aumentam a velocidade de corrida e o alcance dos saltos; o escudo Gardorar; e a ferramenta Building Driver, que pode ser usada como broca ou serra. Lá pela metade da série, Hayato ganha modificações em sua armadura, que passa a ser mais apropriada para o combate, e designada pelo nome SyncRedder.

Como de costume, a Exceedraft possui uma equipe de apoio, composta por Ai Hyuga, oficial de comunicações que também cai na porrada de vez em quando; o policial Tetsuo Isshiki, e o chefe Juukichi Katsuragi, que substitui Massaki no comando. Outros personagens recorrentes são Massaru, irmãozinho de Ai, e David Akiba, que eu não consegui descobrir ao certo o que faz.

Assim como Winspector e Solbrain, Exceedraft não possui um vilão principal, combatendo cientistas loucos, bandidos e salvando pessoas. Vários episódios faziam referência a temas atuais como poluição ambiental e catástrofes naturais.

No antepenúltimo episódio, o Chefe Massaki retornou e liderou a Exceedraft em sua última missão, fechando de vez a trilogia. Na verdade, a audiência do horário vinha caindo desde Winspector, então a Toei resolveu apostar em algo diferente para o ano seguinte. Embora muitos considerem Winspector, Solbrain e Exceedraft como os três únicos seriados de Rescue Police, a verdade é que os dois seguintes também envolviam policiais robóticos no combate ao crime. Mas isso é assunto para o próximo post da série.

5 enfiaram o nariz:

Daniel (Y) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Guil disse...

Nada pesoal contra o Daniel, é meu costume apagar recados deixados no blog. Só não sabia que o Blogger dedurava que eu apaguei... :P

10:56 AM
Anônimo disse...

é só desativar os comentarios, champz!

5:03 PM
Guil disse...

Ok, acho que você não entendeu: eu costumo apagar recados pessoais deixados no blog. Coisas que dizem respeito à minha vida pessoal, escritas por meus amigos pessoais.

Se eu desativar os comentários, ninguém mais vai conseguir comentar nada, e não é isso o que eu quero.

Mas, se tivesse uma forma de impedir que as pessoas assinassem como "Anônimo", eu já a teria usado há muito tempo. Como eu disse outro dia, esse tal de Anônimo é o mais assíduo frequentador do meu blog. ;)

5:10 PM
Bruno disse...

Muito legal Tokkei Winspector eu lembro de assistir muito em minha infãncia vlw por relembrar xD

7:50 PM

Postar um comentário