segunda-feira, 30 de junho de 2014

The Guess Who

Eu acho muito curioso quando vejo crianças que gostam de músicas "de adulto". Muitos dos meus alunos, a maioria com menos de dez anos, já têm cantores preferidos, sabem letras de músicas e até me perguntam o que significam alguns títulos em inglês. Deve ser porque hoje em dia não existem tantas opções de músicas "para crianças", porque eu, na mesma idade, só gostava de Xuxa e Balão Mágico.

Isso não quer dizer, evidentemente, que eu não conhecesse músicas "de adulto". Eu apenas não me interessava por elas, principalmente porque meus pais gostavam de cantores românticos como Roberto Carlos, Fábio Júnior, Joanna e Simone, cujas músicas eu achava um saco. Na coleção de discos do meu pai, entretanto, tinha dois que eu até gostava de ouvir, e que eu e minha irmã frequentemente pedíamos emprestados para tocar em nossa vitrolinha: um era do Queen, o outro era de uma banda chamada The Guess Who.

Mas, enquanto o Queen era uma banda famosa, da qual eu continuei gostando nos anos seguintes, do Guess Who eu praticamente me esqueci. Esqueci até do seu nome, o qual só fui pesquisar por curiosidade anos mais tarde, quando Lenny Kravitz regravou um de seus maiores sucessos, American Woman. Nunca comprei um CD do Guess Who, nem sei se eles vendem em algum lugar. Então, por que raios eu resolvi fazer um post sobre eles? Evidentemente, porque essa semana eu pensava sobre o assunto dos parágrafos anteriores, de que as crianças de hoje gostam de músicas "de adultos", me lembrei deles e fiquei com vontade de escrever esse post. E aqui, minha vontade é lei.

Além do mais, escrever posts é uma ótima maneira de descobrir coisas inusitadas, como, por exemplo, que o Guess Who não é uma banda originária dos Estados Unidos, e sim do Canadá. Ela seria formada no hoje já longínquo ano de 1958, na cidade de Winnipeg, pelo vocalista Chad Allan, com o nome de Al and the Silvertones. Após passar quatro anos tocando em bares e clubes noturnos de Winnipeg, cidade na qual nasceu, com vários músicos diferentes, Allan decidiria que era hora de tentar conseguir um contrato, e convidaria o tecladista Bob Ashley, o guitarrista Randy Bachman, o baixista Jim Kale e o baterista Garry Peterson - todos também nascidos em Winnipeg - para montar uma formação permanente da banda. Buscando um nome mais profissional, ele mudaria de Al and the Silvertones para The Reflections, nome escolhido por ser parecido com The Shadows, nome da banda britânica que representava a maior influência musical sobre o grupo.


A banda conseguiria seu primeiro contrato já no ano de 1962, que previa o lançamento de um single, chamado Tribute to Buddy Holly, pela Canadian-American Records, com o nome de Chad Allan & The Reflections. O single faria bastante sucesso em Winnipeg e em outras cidades da província de Manitoba, onde ela se localiza, chamando a atenção de uma gravadora maior, a Quality Records, que lhes ofereceu um contrato de três anos. Nos dois primeiros, eles lançariam apenas três singles, que até fariam um relativo sucesso em Manitoba, mas falhariam em conseguir cativar o restante do Canadá. Então, em 1965, as coisas começariam a dar uma chacoalhada.

Primeiro, a banda teria de mudar novamente de nome, já que uma outra banda, dos Estados Unidos, conseguiu provar que já usava o nome The Reflections antes deles, que, então, decidiriam mudar para Chad Allan & The Expressions. Então, sob esse nome, eles lançariam um novo single, uma regravação do sucesso Shakin' All Over, da banda Johnny Kidd and the Pirates. Esse seria o primeiro grande sucesso da banda, alcançando o primeiro lugar da parada canadense, e motivando a Quality a lançar o single também nos Estados Unidos - o que ela faria através de um acordo com outra gravadora, a Scepter Records, já que a Quality não possuía escritório ou representantes nos Estados Unidos.

Em uma jogada de marketing, porém, a Quality combinaria com a Sceptar lançar o single sem o nome da banda na capa, apenas com a indicação Guess Who? ("adivinhem quem é?"). A intenção da Quality era fazer com que o público norte-americano - para o qual Chad Allan & The Reflections eram completamente desconhecidos - achar que o single havia sido gravado por algum músico famoso usando um pseudônimo. Não se sabe se a estratégia funcionou ou se o single, que alcançou o 22o lugar na parada norte-americana, seria um sucesso de qualquer jeito, mas o fato é que todo mundo, inclusive os locutores das rádios, começaria a se referir à banda como Guess Who, mesmo depois de a gravadora revelar que se tratava de Chad Allan & The Reflections. Para aproveitar o inesperado sucesso, a Quality recomendaria que a banda mudasse de nome novamente, pela segunda vez em um ano. Meio a contragosto, eles concordariam em mudar para The Guess Who.

Já com o nome novo, a banda lançaria mais três singles e seus primeiros dois álbuns, Shakin' All Over e Hey Ho, What You Do To Me?, tudo isso no ano de 1965. Como a banda era conhecida no Canadá como Chad Allan & The Reflections e nos Estados Unidos como The Guess Who, as capas desses dois álbuns traziam ambos os nomes, para que não fosse preciso criar uma capa diferente para cada mercado - bizarramente, porém, o primeiro trazia o nome como "The Guess Who's", enquanto o segundo trazia como "The Guess Who?"; mas pior ainda seria um dos singles, no qual o nome da banda viria erroneamente como "Bob Ashley and the Reflections". Ironicamente, logo após o lançamento do segundo álbum, Bob Ashley, alegando cansaço, deixaria a banda, sendo substituído por Burton Cummings. Por exigência da Quality, Cummings, além de tecladista, deveria ser um segundo vocalista da banda, o que desgaradou a Allan, que, alegando divergências criativas, também deixou a banda, no começo de 1966. Sem Allan, o nome da banda seria mudado definitivamente para The Guess Who - com os dois álbuns seguintes trazendo um ponto de interrogação após o nome, que, em 1968, seria abandonado.

Quando deixou a banda, Allan já havia gravado várias músicas junto com Cummings, o que fez com que o terceiro álbum da banda, It's Time, lançado em 1966, ainda tivesse a participação dos dois vocalistas. O Guess Who continuava fazendo bastante sucesso no Canadá, onde as três músicas de trabalho do álbum, Believe Me, Clock on the Wall e And She's Mine, ficariam em 10o, 16o e 32o lugares na parada, respectivamente, mas falharia em conseguir sucesso internacional. A agenda de shows também não estava lá essas coisas, com todas as apresentações do ano marcadas ou para Winnipeg ou para a cidade de Regina, na província de Saskatchewan - onde a banda tocaria com Joni Mitchell e Neil Young, ambos em início de carreira, mas não conseguiriam fazer muito para expandir sua popularidade.

Em 1967, aproveitando um inesperado sucesso de seu novo single, His Girl, no Reino Unido, onde chegaria ao 45o lugar (19o no Canadá), a banda convenceria a Quality a investir em uma turnê pela Inglaterra. Infelizmente, nada sairia conforme o esperado, com o single saindo totalmente da parada após apenas uma semana, o que fez com que as rádios não se interessassem em tocar suas demais músicas; além disso, a banda ficaria impossibilitada de fazer os shows que havia programado devido a um problema com os vistos de trabalho.

Após três semanas, o Guess Who voltaria ao Canadá praticamente falido e cheio de dívidas. Para tentar salvar suas finanças, eles concordariam em participar de graça - recebendo apenas os pagamentos pela execução das músicas nas rádios - de um curioso "álbum duplo" chamado A Wild Pair, que trazia, no lado A, canções do Guess Who, e, no lado B, canções de uma banda da cidade de Ottawa chamada The Staccattos (que mudaria de nome, no mesmo ano, para Five Man Electrical Band). Lançado em 1968, o álbum praticamente não faria sucesso, o que quase enterraria o Guess Who de vez.

A banda seria salva do ocaso pelo produtor Jack Richardson. Escalado para produzir A Wild Pair, ele acreditaria que o Guess Who só precisava de um pequeno empurrão para chegar ao sucesso internacional. E acreditava mesmo, ao ponto de hipotecar sua própria casa e pagar pelo estúdio para que eles gravassem mais algumas canções, que seriam então oferecidas à RCA, gravadora bem maior e que atuava também nos Estados Unidos. Ao ouvir o material, a RCA se convenceu, e assinou com eles para um único álbum, que acabaria se chamando Wheatfield Soul, lançado no final de 1968.

A primeira música de trabalho desse novo álbum, These Eyes, se tornaria, finalmente, o primeiro sucesso da banda - agora formada apenas por Cummings, Bachman, Kale e Peterson - nos Estados Unidos, chegando ao sexto lugar do Top 10 norte-americano (e sétimo no canadense, na primeira vez em que uma de suas músicas fez mais sucesso fora do Canadá que dentro dele) e garantindo que o álbum vendesse um milhão de cópias, suficiente para ganhar o Disco de Ouro. O desempenho animou a RCA a renovar o contrato por um tempo mais longo, garantindo o lançamento de mais um álbum em 1969, Canned Wheat, cuja principal música de trabalho, Laughing, alcançaria o primeiro lugar na parada canadense e o décimo na norte-americana.

Nessa época, influenciados por outras bandas do final da década de 1960 e início da de 1970, o Guess Who começou a experimentar um som mais pesado, mais próximo do hard rock, mas ainda com características do blues - se distanciando do folk rock que faziam até então. O resultado dessa experimentação foi o álbum mais famoso da banda, American Woman (o que meu pai tinha), lançado em janeiro de 1970. American Woman, o álbum, seria o primeiro da banda a entrar no Top 10 da Billboard, alcançando o nono lugar, e sua segunda música de trabalho, também chamada American Woman, alcançaria o primeiro lugar do Top 10 norte-americano, transformando o Guess Who na primeira banda canadense a conseguir essa proeza (uma outra banda canadense, chamada The Crew Cuts, já havia conseguido emplacar uma música no topo da parada norte-americana em 1954, mas, na época, ainda não existia o Top 10, sendo usado um método diferente para determinar as mais ouvidas). O lado B do single de American Woman, No Sugar Tonight, também alcançaria o primeiro lugar do Top 10, enquanto a primeira música de trabalho do álbum, No Time - curiosamente, uma nova versão, com arranjo diferente, de uma faixa já lançada em Canned Wheat - chegaria ao quinto lugar. Todas essas três músicas alcançariam o primeiro lugar da parada canadense.

Pouco após o lançamento de American Woman, Bachman teve um sério problema na vesícula biliar, e teve de deixar a banda. Ele até pensou em retornar após concluir o tratamento, mas, após uma séria discussão com Cummings, preferiu sair de vez após um show em Nova Iorque em maio, sendo substituído, provisoriamente, pelo guitarrista norte-americano Bobby Sabelico, primeiro membro da banda que não era nascido em Winnipeg. Esse período conturbado faria com que a banda decidisse descartar todas as músicas que vinha gravando para um novo álbum, e começar do zero com uma nova formação, composta por Cummings, Kale, Peterson e os guitarristas Greg Leskiw e Kurt Winter. Com essa formação, a banda lançaria um novo álbum antes do final de 1970, chamado Share the Land, que alcançaria o 14o lugar na Billboard, e traria os sucessos Hand Me Down World, Share the Land e Hang On to Your Life. Paralelamente a isso, Bachman formaria uma nova banda, chamada Bachman-Turner Overdrive, que se tornaria extremamente popular nos Estados Unidos e Canadá.

Após a saída de Bachman, as coisas pareceram não andar bem para o Guess Who. Share the Land foi bem sucedido, mas os dois álbuns seguintes, So Long, Bannatyne, de 1971, e Rockin', de 1972, não conseguiram o sucesso esperado nem nos Estados Unidos, nem no Canadá. A música de maior sucesso dessa época, Rain Dance, de So Long, Bannatyne, alcançou o terceiro lugar na parada canadense, mas apenas o 19o na norte-americana. Mesmo assim, em 1972, eles conseguiram fazer um show memorável no Paramount Theatre, em Seattle, que daria origem ao primeiro álbum ao vivo da banda, Live at the Paramount, lançado também em 1972 e aclamado pela crítica.

Pouco antes do show no Paramount, Leskiw também deixaria a banda, sendo substituído por Don MacDougall, e, poucas semanas depois do show, Kale também sairia, sendo substituído por Bill Wallace. No final de 1972, com essa formação (Cummings, Peterson, Winter, MacDougall e Wallace), o Guess Who sairia para sua primeira turnê verdadeiramente internacional, passando por Japão, Austrália e Nova Zelândia. Na volta, eles gravariam mais um álbum, Artificial Paradise, lançado em janeiro de 1973. Seis meses depois, eles lançariam mais um, #10 (uma referência ao fato de ser o décimo álbum da banda, embora isso só seja verdade se os dois primeiros, quando eles ainda eram creditados como Chad Allan & The Reflections, não forem levados em conta, se não, #10 é, na verdade, o número 12). Ambos os álbuns de 1973 tiveram péssimo desempenho, vendendo abaixo do esperado e não chamando a atenção da crítica. Mas a banda ainda teria um canto do cisne: em abril de 1974, eles lançariam mais um álbum, Road Food, cuja principal música de trabalho, Clap for the Wolfman, uma homenagem ao famoso radialista norte-americano Wolfman Jack, alcançaria o quarto lugar na parada canadense e o sexto na norte-americana.

Em junho de 1974, MacDougall e Winter decidiriam deixar a banda, que convidaria Dominic Troiano para ser seu novo guitarrista. Em 1975, o Guess Who ainda lançaria mais dois álbuns, Flavours, de janeiro, e Power in the Music, de julho, antes Cummings também decidir abandonar o barco - segundo ele, esses últimos álbuns levavam o som da banda para o caminho do jazz e do rock progressivo, que não o agradavam, em detrimento do blues e do hard rock. Sem Cummings, a banda decidiria, ao invés de encontrar um novo vocalista, se separar de vez.

Como o contrato com a RCA só terminaria em 1976, naquele ano ainda seria lançado o álbum The Way They Were, composto pelas faixas gravadas mas jamais lançadas em 1970, na época da saída de Bachman, acompanhadas por algumas lançadas em singles mas não como parte de álbuns. Ao invés de formar uma nova banda, Cummings decidiria seguir carreira solo, se tornando um artista bastante bem sucedido no Canadá.

Em novembro de 1977, o canal de televisão canadense CBC procurou os membros da banda para conversar sobre a possibilidade de um retorno para um show. Cummings e Bachman, envolvidos com suas carreiras solo, declinaram, mas Kale, Peterson, Winter e MacDougall aceitaram. Kale entrou em contato com Cummings para conseguir uma autorização para o uso do nome, que imaginava ser de sua propriedade. Cummings permitiu o uso para apenas aquela apresentação na CBC, mas, pesquisando após ser perguntado se o nome na verdade não pertencia a Allan ou à Quality Records, Kale descobriria que, na verdade, ele não pertencia a ninguém - devido à curiosa história de sua criação, o nome "The Guess Who" jamais havia sido registrado por banda ou gravadora nenhuma. Kale aproveitou e registrou o nome, sendo seu proprietário até hoje.

Após o show na CBC, Kale decidiria seguir com a banda, agora formada por ele, Winter, MacDougall (que assumiu os vocais) e dois novos integrantes, o guitarrista David Inglis e o baterista Vance Masters. Com essa formação, o Guess Who lançaria o álbum Guess Who's Back, de título inspirado ("adivinha quem voltou"), mas canções nem tanto. Lançado no Canadá em 1978 pela RCA, o álbum vendeu tão pouco e foi tão detonado pela crítica que nem chegou a ser lançado internacionalmente. Logo após seu lançamento, Winter deixou a banda, mas os quatro integrantes remanescentes prosseguiram, conseguindo marcar um pequeno número de shows e convencer a RCA a deixá-los tentar novamente: em 1979, seria lançado, no Canadá e Estados Unidos, All This for a Song, álbum que continha oito faixas originárias de Guess Who's Back, mas com novos arranjos, e outras quatro inéditas. Assim como seu antecessor, All This for a Song foi um grande fracasso de público e crítica.

Depois disso, Kale também deixaria a banda, que prosseguiria fazendo shows com a ajuda de vários músicos convidados diferentes. Kale decidiria retornar em 1981, após a banda conseguir um contrato com a gravadora El Macombo. Agora formado por Kale, os guitarristas Dale Russell e Mike McKenna, o baterista Sonny Bernardi e o vocalista Brent DeJarlais, o Guess Who lançaria o álbum Now and not Then. Mais uma vez, seu desempenho pífio entre público e crítica fariam com que ele não fosse lançado nos Estados Unidos; graças a uma parceira da Macombo, porém, ele acabaria sendo lançado na Alemanha.

Parecia que esse seria o fim definitivo da banda, mas, em 1983, Kale conseguiria convencer Cummings, Bachman e Peterson - a formação mais famosa da banda, responsável por American Woman - a se reunir para uma série de shows, que dariam origem a um álbum ao vivo, Together Again, lançado em 1984. Esse sim seria um sucesso, mas não motivaria Cummings e Bachman a voltar para o Guess Who; ambos continuariam com suas carreiras solo, e Kale, impulsionado pelo sucesso de Together Again, conseguiria marcar vários shows no Canadá e Estados Unidos, atuando sempre com o nome The Guess Who, mas com várias formações diferentes. Esses shows dariam origem a mais um álbum ao vivo, The Best of the Guess Who Live, de 1986.

Em 1991, finalmente a banda voltaria a ter uma formação fixa, com Kale, Peterson, Russell, o tecladista Leonard Shaw e o vocalista Terry Hatty. Essa formação lançaria o último álbum da banda até hoje, Liberty (lançado nos Estados Unidos com o nome de Lonely One), de 1995. Mais uma vez, o álbum seria massacrado pela crítica e venderia pouco, o que parecia demonstrar que, sem Cummings e Bachman, eles não tinham mesmo muito futuro. Ainda assim, eles permaneceriam tocando, e até lançariam mais dois álbuns ao vivo, The Spirit Lives On, de 1998, e Down The Road, de 1999.

Em 1999, o governador de Manitoba faria um pedido especial para que a banda tocasse com sua formação mais famosa - Cummings, Bachman, Kale e Peterson - na cerimônia de encerramento dos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg - afinal, eles eram a banda mais famosa a já ter surgido na cidade, mas a cerimônia merecia essa formação, e não apenas o nome. Após esse show, ao ver que ainda tinham fãs devotados, os quatro decidiriam sair em turnê, a primeira verdadeira turnê de retorno do grupo, que começaria em 2000, rodando o Canadá e Estados Unidos, e só terminaria em 2003. No início dessa turnê, a banda seria formada por Cummings, Bachman, Peterson, Kale e MacDougall; no final de 2000, Wallace substituiria Kale, com problemas de saúde. Essa turnê daria origem a nada menos que três álbuns ao vivo: Running Back Thru Canada, de 2000, The Best of Running Back Thru Canada, de 2004, e Extended Versions: The Encore Collection, também de 2004, na verdade um relançamento de Live at the Paramount com algumas novas faixas tiradas da nova turnê.

Em 2004, Cummings, Bachman, MacDougall e Wallace deixariam novamente a banda. Kale retornaria, e, junto com Peterson, o vocalista Carl Dixon e vários outros músicos convidados, em diferentes formações, começaria uma nova turnê por Estados Unidos e Canadá, que duraria de 2005 a 2008 e daria origem a mais um disco ao vivo, In Concert, de 2009. Em 2007, Bachman e Cummings decidiriam se unir e voltar a tocar juntos, mas, impossibilitados de usar o nome The Guess Who, e sem desejar retornar à banda de Kale, deciriam formar uma nova banda chamada, simplesmente, Bachman Cummings.

Mesmo sem realizar uma nova turnê desde 2009, o Guess Who continua na atividade, realizando cerca de 60 shows por ano. A formação mais recente conta com Kale, Peterson, Shaw, o guitarrista Will Evankovich e o vocalista Derek Sharp - que substituiu Dixon em 2008, após este sofrer um acidente de carro que impossibilitou que ele seguisse à frente da banda. Pelo visto, além de ser a mais bem sucedida banda de rock do Canadá, o Guess Who é também a mais longeva.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário