segunda-feira, 21 de abril de 2014

Triatlo

Há duas semanas, quando falei sobre o pentatlo moderno, eu planejava falar também sobre triatlo. O post, entretanto, ficou grande demais, e eu acabei tendo de dividir. Eu até iria guardar o post sobre triatlo para outro dia mais pra frente, mas hoje decidi que talvez fosse melhor publicá-lo logo. Portanto, hoje teremos mais esportes multidiciplinares no átomo!

O triatlo, como o nome sugere, é um esporte de três provas, sendo uma de natação, uma de ciclismo e uma de corrida. Entretanto, diferentemente do que ocorre no pentatlo moderno, no qual as provas são disputadas separadamente, com intervalos entre elas, as três provas do triatlo são disputadas de forma contínua - ou seja, o atleta sai da água e começa a pedalar, larga a bicicleta e começa a correr. Em outras palavras, o tempo gasto passando de uma prova para a outra - as chamadas transições - também entra no cômputo do tempo total da prova, de forma que os atletas treinam as transições exaustivamente. Também é interessante notar que, realizando as três provas de forma contínua, o vencedor será sempre aquele que cruzar a linha de chegada primeiro, sem a necessidade de se converter os resultados das provas em pontos.

O primeiro triatlo oficial da história foi disputado em Mission Bay, San Diego, Califórnia, Estados Unidos, em 25 de setembro de 1974, por membros do San Diego Track Club. O evento foi criado por dois membros do clube, Jack Johnstone e Don Shanahan, e, assim como os triatlos disputados hoje, começava com os atletas nadando em águas abertas (no caso, no Oceano Pacífico), seguia para um trecho de ciclismo e concluía com uma corrida a pé, embora as distâncias de cada prova não fossem as mesmas utilizadas hoje - inclusive, discrepâncias nos registros oficiais tornam difícil saber quais teriam sido as exatas distâncias percorridas em cada prova nessa primeira ocasião. O triatlo seria um sucesso, e acabaria se repetindo no ano seguinte, mas em outra localidade de San Diego, Fiesta Island.

Johnstone e Shanahan sempre negaram, mas há indícios de que, para criar seu triatlo, eles teriam se inspirado em provas disputadas na França na década de 1920, conhecidas como Les Trois Sports ("os três esportes"). Não há registros de como essas competições teriam começado, mas jornais da época registram sua realização na cidade de Marne, em 1920; em Marselha, em 1921 e 1927; e em La Rochelle no ano de 1934. Assim como no tratlo, cada competição comçava com uma prova de natação, em um rio ou canal, seguia com uma prova de ciclismo e terminava com uma corrida a pé. Com o início da Segunda Guerra Mundial, essas competições seriam abandonadas; uma malsucedida tentativa de ressurreição seria feita, entretanto, durante a década de 1960, e teria sido esse evento que chamou a atenção dos norte-americanos - embora, como já foi dito, eles neguem, e digam que tiveram a ideia sozinhos, sem qualquer inspiração ou influência.

Seja como for, após os dois eventos em San Diego, um terceiro triatlo só seria realizado em 1978, em Oahu, no Havaí. Um ano antes, durante a cerimônia de premiação da Oahu Perimeter Relay, uma maratona em revezamento para equipes de cinco membros cada, membros de dois clubes rivais, o Mid-Pacific Road Runners, de corrida, e o Waikiki Swim Club, de natação, debatiam sobre qual seria o atleta mais bem preparado, aquele que praticava corrida ou o que praticava natação. Para colocar lenha na fogueira, o Comandante John Collins, da Marinha dos Estados Unidos, decidiu se intrometer na conversa e dizer que havia lido na famosa revista Sports Illustrated que o atleta mais bem preparado de mundo era um ciclista, o belga Eddy Merckx, e que, por causa disso, os atletas mais bem preparados eram os ciclistas.

Na verdade, quando veio com essa informação, Collins já tinha um plano: ele e sua esposa haviam participado dos dois triatlos realizados em San Diego, e, durante o debate, o Comandante viu a oportunidade de sugerir uma competição no mesmo estilo. Outros atletas presentes, que também haviam participado ou que tinham ouvido falar dos eventos, perceberam, e começaram a sugerir que a única forma de se responder à questão de uma vez por todas era com os corredores, nadadores e ciclistas participando de uma prova que combinasse as três modalidades. Collins, então, sugeriu que as provas mais famosas do Havaí em cada modalidade, a Waikiki Roughwater Swim (natação), a Around-Oahu Bike Race (ciclismo) e a Maratona de Honolulu (corrida), fossem combinadas em um único evento, com os atletas passando de uma prova à outra sem qualquer descanso além do tempo necessário para mudar de equipamento - tirar a touca de natação e montar na bicileta, sair da bicicleta e calçar as sapatilhas. Nas palavras de Collins, aquele que vencesse tal desafio seria considerado um homem de ferro ("ironman" em inglês).

O evento, logo apelidado Ironman, se mostrou um grande sucesso, e passou a ser disputado anualmente. Quando voltavam para casa, os atletas participantes também procuravam difundir o triatlo em seus países de origem, buscando competições para se manter em atividade ao longo do ano e para formar novos competidores. Logo começariam a surgir vários clubes, associações e federações de triatlo, cada um organizando suas próprias provas em diferentes distâncias, mas sempre mantendo os princípios básicos da modalidade: não há intervalo entre as provas, com o tempo das transições contando para o tempo final, a natação é feita em águas abertas (e não em piscina), a prova de ciclismo é de estrada (e não em velódromo) e a corrida é de rua, no estilo da maratona (e não em estádio).

Em 1989, membros de várias associações de triatlo dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Europa decidiriam se unir para formar a União Internacional de Triatlo (ITU, da sigla em inglês), que regularia o triatlo internacionalmente, visando sua inclusão nas Olimpíadas - e que hoje já conta com 150 membros, incluindo o Brasil. A primeira providência da ITU seria regulamentar as distâncias das provas - até então, cada evento estabelecia suas próprias distâncias, o que até ainda acontece hoje, mas em uma escala bem menor.

Hoje, a ITU regula sete tipos de triatlo, de acordo com a distância de suas provas: o "triatlo padrão", também conhecido como "Triatlo Olímpico" (já que é a versão presente nas Olimpíadas) ou "distância intermediária", tem uma prova de natação de 1,5 Km, 40 Km de ciclismo e 10 Km de corrida. Mais curto, o "Sprint Triathlon", "Fast Triathlon" ou "distância curta", tem 750 metros de natação, 20 Km de ciclismo e 5 Km de corrida (metade da distância padrão). O mais curto de todos é o "Super Sprint", com 400 metros de natação, 10 Km de ciclismo e 2,5 Km de corrida. Já a "distância longa" tem três subtipos: a tradicional tem 1,9 Km de natação, 90 Km de ciclismo e 21,1 Km de corrida; a chamada O2 (por ser o dobro da distância olímpica) tem 3 Km de natação, 80 Km de ciclismo e 20 Km de corrida; e a chamada O3 (por ser o triplo da distância olímpica) tem 4 Km de natação, 120 Km de ciclismo e 30 Km de corrida. Finalmente, a "ultra distância" usa as mesmas distâncias do Ironman: 3,8 Km de natação, 180,2 Km de ciclismo e 42,2 Km de corrida. Ou seja, depois de nadar quase quatro quilômetros e pedalar quase duzentos, o sujeito ainda corre uma maratona.

A ITU conseguiria cumprir seu objetivo de incluir o triatlo nas Olimpíadas em 2000, em Sydney, onde o esporte já fez sua estreia no masculino e no feminino - antes disso, o triatlo havia feito parte do programa dos World Games de 1993, disputados em Haia, Holanda. Além do torneio olímpico, a ITU organiza um Campeonato Mundial de triatlo na distância padrão, o ITU Triathlon World Championships (Campeonato Mundial de Tritalo da ITU), também conhecido como World Triathlon Series, pois, desde 2009, é uma espécie de circuito mundial, com várias etapas nas quais os atletas recebem pontos por suas colocações, sendo campeão o que tiver mais pontos ao final da última. O Campeonato Mundial é disputado, tanto no masculino quanto no feminino, uma vez por ano desde 1989, mesmo ano da criação da ITU. Antes de 2009, o Campeonato Mundial consistia de um único evento, e o circuito mundial atendia pelo nome de ITU Triathlon World Cup (Copa do Mundo de Triatlo da ITU), disputada anualmente desde 1991, também no masculino e no feminino; hoje, a Copa do Mundo ainda existe, mas, como tanto ela quanto o Mundial usam as mesmas regras, os principais atletas preferem disputar as etapas do Mundial, sendo a Copa do Mundo disputada por atletas em sua maioria do segundo escalão.

Desde 1994, a ITU também organiza, uma vez por ano, no masculino e no feminino, o Campeonato Mundial em Distância Longa, chamado ITU Long Distance Triathlon World Championships, disputado em um único evento, e não em circuito mundial. A distância das provas do Mundial em Distância Longa é a O3, embora em algumas edições já tenham sido usadas a O2 (2007 e 2009) a tradicional (1996) e até mesmo a ultra distância (2001). Em 2010 e 2011 a ITU também organizou um Mundial de Sprint, o ITU Sprint Distance Triathlon World Championships, mas, como esse formato não fez muito sucesso, acabou abandonado.

Além dos torneios individuais, existe o ITU Team Triathlon World Championships, um "mundial por equipes". Realizado pela primeira vez em 2003 e então novamente em 2006 e 2007, ele tinha uma prova para equipes masculinas e uma para femininas, com cada equipe sendo composta por três membros e cada membro cumprindo uma prova com um terço da distância padrão, sendo os tempos dos três atletas somados. Em 2009, a ITU decidiu mudar as regras e passar a realizar o Mundial anualmente; desde então cada equipe é composta por quatro membros, dois homens e duas mulheres, sendo que cada um completa uma prova de Super Sprint, tocando no parceiro ao terminar a corrida para que ele comece a natação - o tempo é contado de forma contínua desde a largada do primeiro até a chegada do último, sendo campeão o time que concluir a prova primeiro. Esse formato se mostrou bastante popular, e várias provas de "Revezamento 4x4", como ficou conhecido, já são disputadas hoje no mundo. Em 2013, ITU chegou a cogitar incluir uma prova de revezamento no programa das Olimpíadas de 2016, mas voltou atrás, preferindo continuar apenas com as provas masculina e feminina.

É interessante registrar que o Ironman não é uma competição da ITU, e sim da World Triathlon Corporation (WTC), organização privada com fins lucrativos (diferentemente da ITU, que é uma federação esportiva sem fins lucrativos), criada em 1991 justamente para explorar economicamente a marca Ironman - os fundadores da WTC compraram a marca e os direitos de organização dos antigos donos por um preço de 3 milhões de dólares. Além do Ironman tradicional (hoje conhecido como Campeonato Mundial de Ironman), disputado anualmente no Havaí, a WTC organiza a Ironman Series, a Ironman 70.3 Series (que leva esse nome porque as distâncias de suas três provas, em milhas, somadas, resulta em 70,3 milhas) e a 5150 Series (que, da mesma forma, leva esse nome porque as distâncias de suas três provas, em metros, somadas, resulta em 5150 metros). Cada uma dessas séries é uma espécie de "circuito mundial", com várias provas ao redor do mundo - no caso do 5150, há também um circuito norte-americano, só com provas nos Estados Unidos - com os atletas recebendo pontos de acordo com sua colocação em cada prova e, ao final do ano, aquele que tem mais pontos sendo declarado campeão. A Ironman Series, evidentemente, tem provas com a mesma distância do Ironman (e que servem como classificatórias para o Mundial), enquanto a Ironman 70.3 Series tem provas na distância longa (que, para quem não reparou, é metade da distância do Ironman) e a 5150 Series tem provas na distância olímpica.

Se você ficou cansado só de ouvir falar no Ironman, saiba que há triatlos muito mais compridos - regulados não pela ITU ou pela WTC, mas pela IUTA, a Associação Internacional de Ultratriatlo. A escolha do nome não foi muito feliz, porque muita gente confunde "ultratriatlo" (que aparentemente roubou do "tetratlo" o prêmio de esporte com nome mais difícil de se falar) com "ultra distância", que é o nome que ITU usa para a distância do Ironman (já que "Ironman" é uma marca registrada, que eles não podem usar sem ter que pagar os direitos à WTC). Para aumentar ainda mais a confusão, "ultratriatlo", para a IUTA, é qualquer triatlo de ultra distância ou mais longo, incluindo o Ironman e os organizados pela ITU. Ela mesma, portanto, organiza triatlos na ultra distância, mas usando o nome ultratriatlo.

Além do "ultratriatlo normal" - só para relembrar, 3,8 Km de natação, 180,2 Km de ciclismo e 42,2 Km de corrida - a IUTA organiza provas de ultratriatlo duplo (7,6 Km de natação, 360 Km de ciclismo e 84,4 Km de corrida), triplo (11,4 Km de natação, 540 Km de ciclismo e 126,6 Km de corrida), quádruplo (15,2 Km de natação, 720 Km de ciclismo e 168,8 Km de corrida), quíntuplo (19 Km de natação, 900 Km de ciclismo e 211 Km de corrida), decaultratriatlo (38 Km de natação, 1.800 Km de ciclismo e 422 Km de corrida), decaultratriatlo duplo (76 Km de natação, 3.600 Km de ciclismo e 844 Km de corrida) e "triatlo dos dez dias" (ao longo de dez dias seguidos cada atleta realiza uma prova de 7,5 Km de natação, 200 Km de ciclismo e 50 Km de corrida). Tentei descobrir se alguém já morreu praticando decaultratriatlo duplo, mas não consegui obter essa informação. Aliás, se um atleta de decaultratriatlo duplo pudesse nadar, pedalar e correr em linha reta, ele conseguiria ir do Rio de Janeiro a Manaus durante uma prova.

Vale citar, ainda, uma prova de ultratriatlo não regulada pela IUTA, o Ultraman. Assim como o Ironman, o Ultraman é realizado anualmente no Havaí, mas em dois dias: no primeiro, os participantes nadam 10 Km no oceano, para depois seguir para uma prova de mountain biking em uma acidentada trilha de 145 Km pelas montanhas. O dia seguinte começa com uma prova de ciclismo de estrada de 276 Km, seguida de uma corrida de 84 Km - o equivalente a duas maratonas. Para ficar ainda mais difícil, cada etapa tem um tempo limite - na natação é de 5 horas e meia, nas demais, 12 horas - sendo que o competidor que não completa uma etapa dentro desse tempo é desclassificado.

Voltando à ITU, além do triatlo, ela regula cinco outros esportes. O primeiro é o paratriatlo, que nada mais é que a versão paralímpica do triatlo. O paratriatlo sempre é disputado na distância curta (750 metros de natação, 20 Km de ciclismo e 5 Km de corrida), e seus atletas são divididos em sete categorias: na TRI-1 (paraplégicos, tetraplégicos e outras deficiências que impeçam o uso das pernas, exceto amputações) os atletas usam bicicletas cujos pedais são acionados pelas mãos no ciclismo e cadeiras de rodas na corrida. Na TRI-2 (amputados ou biamputados das pernas) a bicicleta é convencional, mas pedalada com a ajuda de próteses, também usadas na corrida. Na TRI-3 (paralisia cerebral, esclerose múltipla, distrofia muscular ou paralisia de múltiplos membros) é usado um triciclo, e próteses na corrida são opcionais. A TRI-4 (deficiências em um ou ambos os braços, incluindo paralisia e amputações) e TRI-5 (impedimento de uso total das pernas, mas sem paralisia ou amputações) próteses são opcionais tanto no ciclismo, que usa uma bicicleta convencional, quanto na corrida. E na TRI-6, dividida em TRI-6a (deficiência visual total ou severa) e TRI-6b (deficiência visual parcial) os atletas correm acompanhados de um guia e usam uma bicicleta de dois lugares. O paratriatlo possui um Campeonato Mundial desde 2009, e entrará para o programa das Paralimpíadas em 2016.

O segundo é o cross-triatlo, versão do esporte que surgiu em 1996, também no Havaí. De características mais, digamos, rurais, o cross-triatlo combina 1 Km de natação em águas abertas, 25 Km de mountain biking e 8 Km de corrida cross-country - esses dois últimos eventos realizados em pistas acidentadas que imitam terreno selvagem, com direito a lama, pedras, riachos etc. O Campeonato Mundial de Cross Triatlo, chamado ITU Cross Triathlon World Championships, é realizado uma vez por ano desde 2011.

A ITU também regula o duatlo, versão do triatlo com apenas dois esportes, o ciclismo e a corrida. Curiosamente, o duatlo possui não duas partes, mas três, começando com 10 Km de corrida, passando por 40 Km de ciclismo e concluindo com mais 5 Km de corrida. De mecânica semelhante é o aquatlo, também regulado pela ITU, e que só tem a natação e a corrida, começando com 2,5 Km de corrida, passando por 1 Km de natação e concluindo com mais 2,5 Km de corrida. Recentemente, foi criado também o "aquatlo de longa distância", que começa com 2 Km de natação e conclui com 10 Km de corrida (sem corrida antes da natação). Tanto o duatlo quanto o aquatlo (na distância padrão) possuem Campeonatos Mundiais, o do primeiro disputado desde 1990, o do segundo desde 1998.

Já que estamos no assunto, vale a pena citar dois esportes parecidos mas não regulados pela ITU: o aquabike, criado pela USA Triathlon (a federação de triatlo dos Estados Unidos) em 2006, possui apenas a natação e o ciclismo, nas mesmas distâncias do triatlo olímpico (1,5 Km de natação, 40 Km de ciclismo). Por enquanto, ele é disputado majoritariamente nos Estados Unidos, sem provas de renome em outros países ou campeonato mundial. Já o quadratlo, regulado pela Federação Mundial de Quadratlo (WQF) desde 2000, e que possui, anualmente desde 2001, uma Copa do Mundo com várias etapas, sendo campeão quem tiver mais pontos após a última, reúne natação, ciclismo, corrida e canoagem, na forma de uma corrida de caiaques (disputada entre a natação e o ciclismo). A "distância padrão" do quadratlo (usada na Copa do Mundo) é de 1,5 Km de natação, 8 Km de canoagem, 40 Km de ciclismo e 10 Km de corrida, mas já existem eventos que usam a "distância curta" (750 m de natação, 4 Km de canoagem, 20 Km de ciclismo e 5 Km de corrida) e a "distância longa" (4 Km de natação, 20 Km de canoagem, 100 Km de ciclismo e 21 Km de corrida).

Para completar, a ITU regula o triatlo de inverno, curioso esporte que, até o ano passado, reunia corrida cross-country, mountain biking e esqui cross-country. Como ele seguia o mesmo princípio do triatlo de que as provas são contínuas, com transições entre elas para se mudar de equipamento, a corrida e o mountain biking deviam ser realizados na neve. Tão curiosa quanto a escolha dos esportes era o fato de que as distâncias não eram fixas, e sim determinadas pelos organizadores da prova, levando em conta fatores como estado da neve e dificuldade do percurso, para que o vencedor sempre fosse capaz de concluir a prova entre 80 e 90 minutos. O Campeonato Mundial da modalidade, chamado ITU Winter Triathlon World Championships, é disputado anualmente, no masculino e no feminino, desde 2003.

O triatlo de inverno fez uma forte campanha para ser incluído nas Olimpíadas de Inverno desse ano, mas não foi bem sucedido. Pensando em popularizá-lo e torná-lo mais atraente aos praticantes de esportes de inverno, a ITU decidiu, a partir do Mundial desse ano, mudar seu formato: agora, ele é composto de corrida cross-country na neve, esqui cross-country e patinação em velocidade, disputados em um percurso criado especialmente para o evento, que conta com uma espécie de rinque de patinação no centro de duas pistas de cross-country, uma menor usada para a corrida, uma maior usada para o esqui. O evento começa com 5 Km de corrida, passa para 12 Km de patinação e conclui com 8 Km de esqui cross-country estilo livre. A primeira edição com esse novo formato foi disputada mês passado em Quebec City, Canadá, e foi satisfatoriamente sucedida para que ele fosse aprovado como novo formato oficial da ITU a partir do ano que vem - visando, evidentemente, sua inclusão nas Olimpíadas de Inverno de 2018.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário