segunda-feira, 11 de julho de 2011

Toei Heroes (VI)

Hoje é dia de mais tokusatsu no átomo, com mais três heróis clássicos da Toei!

Uchuu Tetsujin Kyodain
1976


Mais uma criação de Shotaro Ishinomori, Homens de Ferro do Espaço Kyodain, estreou em abril de 1976 no canal TBS, famoso por exibir as séries do Ultraman, e que, quase dez anos antes, tinha exibido outra série da Toei, Captain Ultra. Durou 48 episódios e um filme, e se tornou famoso pelas fantasias exóticas dos heróis e vilões, bem como por sua edição: as cenas de luta alternavam ângulos de visão em velocidade quase epiléptica, e a câmera fazia experimentos como mostrar uma determinada cena pela visão do monstro.

A história de Kyodain começa com a chegada à Terra do império maligno de seres mecânicos oriundos do planeta Dada. Eles planejam dominar nosso planeta, mas não possuem tecnologia suficiente para tanto. Logo, eles tramam um plano bizarro: sequestram o cientista Dr. Hayami e seus dois filhos, e o obrigam a aperfeiçoar sua tecnologia. Quando todas as armas dos Dada estão devidamente atualizadas, eles retornam à Terra, buscando efetivar seus planos de dominação.

Quando retornam, entretanto, os Dada se deparam com dois robôs desconhecidos, Skyzel e Groundzel, que frustram seus planos. Esses robôs, conhecidos como Kyodain, foram criados em segredo pelo Dr. Hayama, que lhes deu a personalidade de seus dois filhos sequestrados, Jouji e Ryouji. Dotados de poderosas armas e de um grande senso de justiça, os Kyodain têm como missão não somente rechaçar as investidas dos Dada, mas também proteger o filho mais novo do Dr. Hayama, Kenji, que passa a ser visado pelos vilões para uma nova chantagem.

Skyzel é o robô vermelho, possui a personalidade do filho mais velho do Dr. Hayama, Jouji, e tem a habilidade de se transformar em um jato. Adequadamente, suas armas incluem mísseis e metralhadoras daquelas também presentes em jatos. Já Groundzel é azul, possui a personalidade do filho do meio, Ryouji, e a habilidade de se transformar em um carro, armado com mísseis e foguetes antiaéreos. Por alguma razão que eu desconheço, cada um dos dois possui também uma moto, que usam para se locomover por aí ao invés de adotarem suas formas de veículos.

Antes da chegada de Skyzel e Groundzel, Kenji Hayama já possuía um robô guarda-costas, Gonbesu. Com a habilidade de separar a cabeça do corpo, com a cabeça se transformando em um disco voador e o corpo em uma bola de boliche gigante, Gonbesu protege Kenji enquanto os Kyodain enfrentam os vilões, sendo mais um coadjuvante do que um membro da equipe.

Falando nisso, Kyodain tem uma panelada de coadjuvantes, sendo os mais ativos os membros da Força de Defesa Terrestre, organização criada para deter os Dada antes do surgimento dos Kyodain. Fazem parte dela o General Ooza, o Comandante Henkel, a Tenente Yvonne, o Major Kijima e os Sargentos Hosoda e Yamada. Os professores e colegas de Kenji na escola, incluindo três valentões que o submetem a bullying, também são figuras fáceis nos episódios.

Os Dada são uma raça de robôs sencientes vindos de um planeta na constelação de Escorpião. Seu líder é Goblin, um robô enorme e extremamente poderoso, mas que, ao invés de vir logo à Terra e arrasar com tudo, prefere ficar enviando um robô mais fraquinho por semana para apanhar dos Kyodain. Seu braço direito e consorte é Goblin Queen, uma robô feminina que pode assumir mais de cem formas humanas diferentes, e chega até mesmo a se infiltrar na Força de Defesa Terrestre. Os monstros da semana são robôs temáticos, comandados por cinco generais que nasceram dos dedos de Goblin: Desgatta comanda robôs armados com espadas e outras armas brancas, Desgrain comanda os que possuem aparência de vegetais, Desgatling aqueles que têm aparência de animais, Desbaikin comanda robôs que possuem poderes relacionados às bactérias, e Desflash comanda robôs com poderes elétricos.

Kyodain não fez muito sucesso quando foi exibido, nem chegou a se tornar muito famoso, mas hoje é uma espécie de cult, principalmente devido à edição bizarra e e à atmosfera surreal dos episódios. Bonequinhos dos estilosos robôs da série são produzidos até hoje, e bastante prezados por colecionadores.

Ninja Captor
1976


Em 1975, Ishinomori e a Toei criariam um seriado de imenso sucesso, que ofereceriam à TV Asahi, chamado Himitsu Sentai Go Ranger. Se você acompanha o átomo, ou pelo menos a história dos sentai, sabe que Go Ranger foi o primeiro seriado de sentai produzido, dando origem à mais bem sucedida das franquias da Toei. E também deve saber que Go Ranger fez um sucesso monstruoso, que garantiu sua exibição por dois anos e 84 episódios. De fato, o sucesso era tão monstruoso que a Toei não planejava encerrar o seriado, e só o fez quando os atores se recusaram a continuar gravando os episódios.

No meio de todo esse sucesso, a TV Tokyo, um dos poucos canais japoneses que jamais haviam exibido um tokusatsu da Toei, procurou a produtora, querendo um seriado similar. Como a franquia sentai ainda não existia, um "seriado similar" seria simplesmente um tokusatsu no qual uma equipe de heróis coloridos enfrentava monstros malignos temáticos. A Toei atendeu o pedido, e assim nasceu Ninja Captor.

É importante dizer que Ninja Captor não é considerado um sentai, apesar de ter todos os elementos característicos de um (exceto o robô gigante, que só estrearia em Battle Fever J, o terceiro sentai produzido, de 1979). A razão para isso é bastante simples: a Toei só considera como sentai seriados exibidos na TV Asahi, e Ninja Captor foi exibido na TV Tokyo. É um motivo bobo, mas é o mesmo motivo pelo qual, por exemplo, Machineman não é considerado um Metal Hero.

Curiosamente, uma das razões pelas quais Ninja Captor seria tão parecido com um sentai é o fato da série ter sido criada por Saburo Hatte, que na verdade não é uma pessoa, mas um pseudônimo para uma equipe de quatro roteiristas da Toei (hatte significa "oito mãos"). Os membros dessa equipe mudariam de vez em quando, mas ela seria a responsável pela criação de todos os seriados de sentai a partir de Battle Fever J - Go Ranger e JAKQ foram criações de Ishinomori. Em outras palavras, Ninja Captor foi a primeira tentativa de Saburo Hatte para estabelecer a fórmula que seria usada desde 1979 na maior franquia da Toei.

Diferentemente dos sentai, que costumam ser uma equipe de cinco, os Ninja Captor são uma equipe de sete. O líder é Daisuke Izumo, também conhecido como Fire Shinobu Captor 7, de uniforme vermelho e poderes baseados no fogo. O mais jovem da equipe é Keita Izumi, de 15 anos, o Wind Shinobu Captor 6, de uniforme verde e poderes baseados no vento. O Gold Shinobu Captor 5, com poderes baseados nos metais e uniforme amarelo, atende pelo nome de Noboru Ooyama, e é também o mecânico da equipe. Com poderes baseados na terra, Dan Kurokawa é o Ground Shinobu Captor 4, de uniforme marrom. A única mulher da equipe é a Flower Shinobu Captor 3, de uniforme rosa e poderes baseados nas flores, manto vestido por duas moças diferentes: originalmente, a Captor 3 era Maria Sakurakouji, que no episódio 26 decidiu ir estudar no exterior, sendo substituída por Miki Tendou. Completam a equipe Sakou Shinjou, o Water Shinobu Captor 2, de uniforme azul e poderes baseados na água, e Saburoubee Fukuro, o Thunder Shinobu Captor 1, de uniforme laranja e poderes baseados na eletricidade, também o mais velho da equipe, com 45 anos. Tirando Captor 6 e Captor 1, os demais membros têm idades entre 17 e 23 anos.

Os Ninja Captor foram reunidos com a missão de deter o Clã Fuuma, um grupo de ninjas malignos que pretende dominar o Japão. Quem reuniu os heróis foi Mujin Tendou, ex-membro do Clã Fuuma, avô de Miki e professor de Daisuke, Dan, Sakon e Maria. Daisuke, aliás, também era membro do Clã Fuuma - um de seus melhores guerreiros, inclusive - e foi convencido por Mujin a mudar de lado. Outros aliados dos Ninja Captor são Shirakumo Togakushi, que atua como o comandante da equipe; os policiais Kageyama, Sanada e Hattori; e os Junior Captor, uma equipe de sete crianças (Oomori, Kudo, Yamahara, Ito, Imura, Taki e Ayame) que aparentemente moram com eles na base e pensam que são uma versão mirim da equipe principal - algo que também estaria presente em muitos sentai.

Cada Ninja Captor tem de três a sete armas e ataques que fazem uso de seu poder personalizado - Captor 7, por exemplo, pode lançar uma shuriken de fogo, enquanto Captor 4 pode criar terremotos batendo com um bastão no chão. Os sete podem também combinar seus poderes em ataques mais poderosos, sendo o mais poderoso de todos a Captor Tower, usada para destruir os monstros da semana. Seus veículos são um carro para oito chamado Captor Car e uma mistura de avião com helicóptero chamado Heli Captor - nome inspirado, se me permitem uma opinião.

O Clã Fuuma é liderado por Retsufuu Fuuma, um espírito maligno do vento. Cada Fuuma pertence a um de quatro "subclãs", e é representado no castelo de Retsufuu Fuuma por uma vela colorida: os Oni Shitennou são descendentes de demônios, representados por velas vermelhas; os Ayakashi Jouja são descendentes de humanos, representados por velas verdes; os Juusan Ninja, os mais numerosos, são híbridos de humanos e demônios, representados por velas brancas com listras pretas; e os Go Doujin, apenas cinco, são os Fuuma originais, mais poderosos e representados por velas douradas. Toda vez que um Fuuma morre, a vela que o representa se apaga. Assim como em Go Ranger, os monstros da semana - que pertencem todos a um desses quatro subclãs - não são propriamente monstros, mas ninjas estilizados. Os Fuuma possuem ainda um exército de Shimooshi, os soldados furrequinhas que apanham dos Ninja Captor a cada episódio, e que não são representados por velas.

Ninja Captor teve 48 episódios, apresentados na TV Tokyo entre abril de 1976 e janeiro de 1977, mais um filme para o cinema, que era uma versão incrementada do episódio 5. Embora tenha ficado pouco famosa, foi uma série de bastante sucesso, o que agradou a TV Tokyo, e a levou a encomendar mais uma à Toei.

Kaiketsu Zubat
1977


Mais uma criação de Ishinomori, o Extraordinário Zubat - que costuma ser transliterado nos Estados Unidos como Zvatt, e não tem nada a ver com o Pokémon; este "zubat" é uma onomatopeia para o som de uma chicotada - foi uma nova tentativa de se criar um tokusatsu mais ao estilo dos super-heróis norte-americanos. Escaldada pelo fracasso de The Kagestar, a TV Asahi preferiu não apostar no herói, que foi então oferecido à TV Tokyo para ser exibido após Ninja Captor. A TV Tokyo aceitou e não se arrependeu: com 32 episódios, exibidos entre fevereiro e setembro de 1977, mais um filme para o cinema, Zubat foi um grande sucesso - elogiado por resgatar o clima dos tokusatsu das décadas de 1950 e 1960, mas com um toque dos anos 1970 - e é, até hoje, um dos heróis deste estilo mais conhecidos no Japão.

Zubat é, na verdade, o detetive Ken Hayakawa, que se veste e age como um caubói, carrega seu violão para todo canto, e está sempre com um sorriso enigmático nos lábios. Quando seu melhor amigo, o cientista Goro Asuka, é assassinado por uma organização criminosa conhecida como Dakker, Ken decide pegar o projeto de um traje especial que Goro estava desenvolvendo para astronautas e adaptá-lo para o combate ao crime, para frustrar os planos dos vilões. Diferentemente da maioria dos heróis de tokusatsu, Zubat não se transforma: Ken carrega seu uniforme dentro de seu violão, e o libera através de um botão secreto, vestindo-o para combater os soldados da Dakker.

As principais armas de Zubat são seu chicote, sua arma registrada, e adagas de arremesso em formato de Z. Após derrotar os inimigos, Zubat deixa em seus corpos um cartão com a letra Z, para que a Dakker saiba que foi ele o responsável. O traje de Zubat amplia sua força, velocidade, agilidade e resistência, mas possui um defeito: só pode ser usado por máximo cinco minutos antes de esgotar totalmente suas energias; se continuar sendo usado além desse tempo, explodirá (?), matando quem o estiver verstindo. Ken não precisa tirar completamente o traje para "desligá-lo" - um simples ato como abrir a viseira do capacete já impede a explosão - mas, enquanto está desligado, o traje não confere nenhuma habilidade especial. Também seguindo planos deixados por Goro para um veículo de exploração lunar, Ken consegue criar o Zubacar, o veículo de Zubat, um carro movido a um reator nuclear (?) armado com metralhadoras e mísseis.

Os principais coadjuvantes da série são a irmã de Goro, Midori, professora do jardim de infância, secretamente apaixonada por Zubat, e a quem Ken se sente em dívida por não ter conseguido impedir a morte do irmão; e o menino Osamu Terada, maior fã de Ken, que insiste em ser seu assistente e "ajudá-lo" a solucionar crimes. Ao estilo dos heróis norte-americanos, Midori e Osamu não sabem que Ken e Zubat são a mesma pessoa; o único que conhece este segredo é Shingo Toujou, chefe de polícia e amigo de infância do detetive.

Também ao estilo dos heróis americanos, a Dakker não é uma organização criminosa composta por monstros, ciborgues ou alienígenas, mas por humanos comuns, que se utilizam de alta tecnologia para criar armas e armaduras que lhes dão vantagens ao cometer crimes. O líder da Dakker é conhecido apenas como Líder L. Como sempre, Líder L lidera das sombras, da segurança de sua fortaleza; para todos os efeitos, o chefe da organização é o Presidente D, que usa uma máscara dourada para que ninguém conheça seu rosto. Abaixo de Presidente D, a organização tem 29 Chefões do Crime, supervilões que atuam como os monstros da semana, e 31 Seguranças, soldados mais fracos que cometem crimes e são facilmente derrotados por Zubat.

Uma curiosidade sobre Zubat é que Ken Hayakawa é interpretado por uma verdadeira lenda do tokusatsu, o ator Hiroshi Miyauchi. Estreando em séries da Toei no papel do Kamen Rider V3, e tendo interpretado o Ao Ranger em Go Ranger - outro tipo caubói com violão e sorriso enigmático - depois de Zubat Miyauchi apareceria em uma dezena de outros tokusatsu, interpretando, inclusive, o Big One de JAKQ e o o chefe de polícia Shunsuke Massaki, de Winspector, Solbrain e Exceedraft.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário