terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Atletismo

Já faz um bom tempo que eu não falo aqui sobre esportes - os últimos foram o punhobol e o corfebol, lá em outubro. Além disso, eu reparei que, até hoje, eu só falei sobre esportes coletivos. Assim, para abrir mais um ano de átomo, eu decidi falar sobre um esporte individual. E nenhum esporte individual é melhor para se começar alguma coisa do que o primeiro e mais famoso de todos: o atletismo.

O atletismo é o esporte mais antigo do mundo - afinal, correr só não deve ser mais antigo do que andar para a frente. Existem registros de que já na primeira Olimpíada da antiguidade, lá no ano 776 A.C. houve uma competição onde seria o vencedor quem primeiro completasse correndo a distância de um estádio - uma medida de comprimento grega equivalente a aproximadamente 200 metros, e de onde os estádios onde atualmente se disputam esportes tiraram o nome. Muitos povos bárbaros possuíam eventos onde os guerreiros competiam em provas de corrida, saltos e arremessos, e na Idade Média os filhos dos nobres eram treinados nestas três disciplinas, além de em cavalgar, justar e lutar com espadas.

Mas, mesmo sendo praticado quase desde sempre, demoraria para que o atletismo tivesse suas regras definidas: apenas no século XIX os atos de correr, saltar e arremessar começariam a ser vistos como disciplinas esportivas regulares, sendo incluídos no currículo de escolas e nas atividades praticadas em clubes da Grã-Bretanha, Alemanha e França. As primeiras competições organizadas datam de 1840 na Inglaterra, quando começou a se fazer um esforço para que as regras e distâncias das modalidades fossem unificadas. Quando o Barão de Coubertin decidiu ressucitar as Olimpíadas, realizando a primeira Olimpíada da Era Moderna na Grécia, em 1896, logicamente o primeiro esporte considerado para o programa foi o atletismo. Desde então, o atletismo é considerado um dos mais importantes eventos olímpicos - ou até o mais importante, com suas provas sendo consideradas "nobres", e suas medalhas mais valorizadas que as de outros esportes - e vem ganhando mais adeptos por dia que qualquer outro esporte, até por causa de sua simplicidade: fora um ou outro equipamento como um disco ou uma barreira, o atletismo não usa nada que não seja do próprio corpo do atleta, o que o torna um dos esportes mais democráticos que existem.

Como todo esporte organizado, o atletismo também possui uma Federação Internacional, a IAAF (International Associacion of Athletics Federations, ou Associação Internacional das Federações de Atletismo). Fundada apenas em 1912, a IAAF é hoje a Federação Internacional com o maior número de membros: nada menos que 212 Federações Nacionais participam de seus eventos. Para efeitos de comparação, a FIFA tem 208 membros, o Comitê Olímpico Internacional tem 205, e a ONU tem 192 - ou seja, tem mais gente interessada em praticar atletismo do que em manter boas relações internacionais. A IAAF cuida das regras de todas as modalidades do atletismo, e organiza três campeonatos, o Mundial, disputado a cada dois anos desde 1983; o Mundial Indoor, disputado também a cada dois anos desde 1985 (mas que foi disputado em 2003 e 2004, para deixar de coincidir com o outro Mundial); e a Golden League, uma série de seis etapas disputadas anualmente, na qual o atleta que vencer sua prova em todas as seis edições leva um milhão de dólares em barras de ouro.

Os eventos do atletismo podem ser disputados em um estádio grande e descoberto (o chamado outdoor), ou em um menor e coberto (o atletismo indoor). Primeiramente, eu vou falar do mais tradicional, que é o outdoor. Doravante, toda vez que eu disser "o atletismo", entendam que é o outdoor. Se for o indoor, eu direi "o atletismo indoor".

Pois bem, o atletismo é disputado em uma pista "oval", composta por dois semicírculos ligados por duas retas. A pista, normalmente feita de um material sintético de cor laranja chamado Tartan, é dividida em raias concêntricas de 1,22 metro de largura cada, normalmente oito, mas algumas pistas mais modernas já têm 9 ou 10, embora nas finais somente as oito do meio sejam utilizadas. Uma volta completa na raia mais "de dentro", ou seja, mais perto da borda interior do oval, tem 400 metros, e as raias mais "de fora" têm distâncias progressivamente mais longas, embora uma volta na raia mais "de fora" de todas não chegue a 500 metros. No meio da pista há um gramado, utilizado para as provas de arremesso, mas que, devido a suas medidas, pode ser utilizado como campo de futebol, futebol americano ou rugby, o que permite que o estádio seja usado praticamente o ano todo. Partes da pista não ocupadas pelas raias nem pelo gramado costumam ter as pistas e equipamentos utilizados para os saltos e arremessos; o local exato de cada uma depende do projetista do estádio, mas normalmente elas são dispostas de modo que várias provas possam ocorrer simultaneamente, sem que um atleta atrapalhe o outro.

Atualmente, as regras do atletismo publicadas pela IAAF incluem 19 provas de corrida, 4 de saltos, 4 de arremesso e 2 eventos combinados para um total de 29 modalidades - fora as corridas cross-country e o chamado mountain running, também regulados pela entidade. Sim, eu vou falar destas modalidades todas neste post, então, se você sempre teve um desejo de saber quais são todas as provas do atletismo, hoje é seu dia de sorte. Para ilustrar, eu achei uma figura bonitinha que marca com bolinhas numeradas vários pontos de interesse em uma pista de atletismo. Ok, talvez não seja a figura mais bonita do mundo, mas ela traz as bolinhas, que serão de grande ajuda nas minhas explicações. Antes de começar, volto a dizer que o local exato de certos elementos - como a pista do salto com vara, por exemplo - pode variar de um estádio para outro, então o local onde eles estão na figura que eu achei é só um exemplo. Vamos então à figura, e depois à descrição das provas:



100 metros - Também conhecida como "100 metros rasos", é considerada a prova mais nobre do atletismo, e é provavelmente a competição esportiva mais curta do mundo. Para que os atletas corram os 100 metros em linha reta, é utilizada uma extensão da pista. A largada é no ponto marcado com 1, onde os atletas se posicionarão, cada um em sua raia, com os pés apoiados em blocos especiais, e ambas as mãos no chão. O intuito dos blocos é não somente oferecer impulso aos corredores, mas também definir se algum deles "queimou" a largada, começando a correr antes do tiro de partida: cada bloco possui um sensor ligado à arma que dispara o tiro de largada, e determina eletronicamente em quanto tempo após o árbitro puxar o gatilho o atleta tirou o pé do bloco; se este tempo for menor que 0,1 segundo - o menor intervalo de tempo no qual o ouvido humano consegue ouvir o tiro após o gatilho ser pressionado - o atleta terá queimado a largada. Um atleta que queima a primeira largada de uma prova é apenas advertido, mas os que queimarem as largadas subsequentes são imediatamente desclassificados. Tendo uma largada válida, após o tiro os atletas partem do ponto 1 correndo o mais rápido que conseguirem, até cruzar a linha de chegada no ponto 2. Quem passar por ela primeiro será o vencedor, com desempates podendo ser decididos através de fotografias se os atletas estiverem muito próximos.

110 metros com barreiras - Além de correr, esta prova também exige que os atletas saltem sobre dez barreiras de um metro de altura cada. A primeira barreira é posicionada a 13,72 metros da linha de partida, marcada na figura com o número 4, e cada barreira subsequente fica a 9,14 metros da anterior, com a última a 14,02 metros da linha de chegada, marcada com 2. As barreiras, evidentemente, não são fixas, sendo colocadas na pista antes da prova e retiradas depois dela. As barreiras são leves e apenas apoiadas na pista, para que caiam facilmente em caso de choque. Derrubar as barreiras não desclassifica o atleta, mas faz com que ele perca tempo, ou até caia e tenha de abandonar a prova. A prova dos 110 metros com barreiras é exclusivamente masculina; para as mulheres, a prova é um tiquinho mais curta, os 100 metros com barreiras. As barreiras das mulheres também são mais baixas (83,8 cm) e as distâncias entre elas menores (13 metros da linha de partida, 8,5 metros entre cada barreira, 10,5 metros até a linha de chegada).

200 metros - Não apenas por ter o dobro da distância, a prova dos 200 metros oferece aos atletas uma dificuldade a mais em relação à dos 100: sua largada é feita em uma curva, próximo ao ponto marcado com 3. Para que todos os atletas corram exatamente 200 metros, eles não largam um ao lado do outro, mas com os das raias mais de dentro (e mais curtas) um pouquinho atrás das mais de fora (mais longas). A curva também exige uma técnica especial dos atletas, que serão afetados pela força centrípeta. Também por causa disso, os atletas que mais se destacam nas eliminatórias são colocados nas raias do meio na final, onde a ação da força é menor.

400 metros - Como a pista de atletismo tem 400 metros, esta corrida consiste de uma volta completa em torno da pista. Assim como nos 200 metros, os corredores largam um pouco afastados uns dos outros, para que todos corram a mesma distância - o da raia mais de dentro larga quase sobre a linha de chegada, no ponto 2, e os das raias mais de fora cada um um pouco mais à frente. Após uma volta completa na pista, passando pelas duas curvas, quem cruzar a linha de chegada primeiro será o vencedor.

400 metros com barreiras - Uma volta completa na pista, saltando sobre barreiras. As barreiras são mais baixas que as dos 100/110 metros, com 91,4 cm de altura para os homens e 76,2 cm para as mulheres. Como os corredores largam espaçados, as primeira barreiras também são espaçadas entre si, mas a distância entre as barreiras de uma mesma fileira vai diminuindo a cada fileira, até que todas ficam uma ao lado da outra na última. Ao todo, cada corredor salta dez barreiras, com a primeira a 45 metros da linha de partida de cada atleta, cada seguinte a 35 metros da anterior, e a última a 40 metros da linha de chegada. Assim como nos 100/110 metros, as barreiras são leves e feitas para cair, não desclassificando o atleta, mas fazendo com que ele perca tempo, em caso de choque.

800 metros - Distância mais curta das chamadas corridas de meio-fundo, os 800 metros consistem de duas voltas na pista. Assim como nos 400 metros, os atletas largam espaçados, com o da raia mais de dentro quase sobre a linha de chegada; nesta prova, porém, os corredores só precisam respeitar as raias - ou seja, cada um correr dentro de sua própria raia - até o final da primeira curva. A partir de então, é comum que todos vão para a raia mais de dentro, para que ninguém corra mais que 800 metros - o que, devido a ultrapassagens e táticas de corrida, acaba acontecendo, mas não tem muita importância. Correr toda a prova na maior velocidade possível, como ocorre com as corridas rasas, é praticamente impossível, já que não há espaço para todos os atletas em uma única raia; uma boa tática de corrida, sabendo quando ultrapassar, quando disparar, e quando correr "no bolo", é fundamental para a vitória. Após duas voltas na pista, quem cruzar primeiro a linha de chegada, no ponto 2, será o vencedor.

1.500 metros - Considerada a mais tradicional das corridas de meio-fundo, os 1.500 metros exigem dos atletas três voltas e 3/4 de volta na pista. Por causa disso, eles não largam próximos à linha de chegada, mas próximos ao ponto marcado na figura com o número 11. Diferentemente das corridas das distâncias mais curtas, os atletas a partir dos 1.500 metros largam de pé, uns ao lado dos outros, sem apoio para impulso na largada - afinal, de nada adianta sair correndo se você ainda vai ter de dar mais de três voltas na pista - e não precisam respeitar as raias já desde o início da corrida, com todos os atletas se amontoando na raia mais de dentro pouco depois da largada. Por causa disso, e para não cansar os atletas com eliminatórias desnecessárias, as corridas de 1.500 ou mais metros permitem mais de oito corredores na final, com normalmente doze disputando a prova. O placar conta o número de voltas, e há um sino para avisar aos atletas de que eles estão entrando na última volta. A tática da corrida normalmente envolve se manter próximo aos primeiros nas voltas iniciais, guardando energia para disparar na volta final.

Milha - Única das provas reguladas pela IAAF que não usa unidades do Sistema Internacional, a milha continua no regulamento, e seus recordes valendo, por uma questão de tradição, já que a prova não é mais disputada em nenhum campeonato organizado pela IAAF nem nas Olimpíadas. A prova da milha é composta de quatro voltas na pista, o que dá um total de 1.600 metros, embora uma milha tenha um pouco mais que isso, 1609,32 metros.

3.000 metros Steeplechase - Talvez a mais curiosa das provas do atletismo, a Steeplechase, que pegou seu nome emprestado de uma corrida de cavalos, prevê sete voltas e meia na pista, saltando sobre obstáculos. Quatro destes obstáculos são barreiras, da mesma altura das dos 400 metros com barreiras, mas de composição diferente, duras e pesadas, feitas para nem se moverem caso o atleta tropece ou trombe em uma delas, sendo permitido, inclusive, que o atleta apóie o pé na barreira para tomar impulso e saltá-la. O quinto obstáculo é um fosso, posicionado em uma "raia extra" no ponto marcado com 5. O fosso é cheio de água, tem 3,66 metros de comprimento, e seu fundo é inclinado, com 70 cm de profundidade no início, mas ao nível da pista no final. Antes do fosso também há uma barreira, e a maioria dos atletas não se incomoda de cair perto da borda do fosso, pisando dentro da água, ao invés de gastar mais energia saltando-o completamente. As barreiras e o fosso são posicionados equidistantes, a 80 metros uns dos outros. Ao todo, durante a prova, os atletas saltam 28 barreiras "secas" e 7 vezes o poço. A largada é dada com todos os atletas enfileirados uns ao lado dos outros - o ponto exato não está marcado na figura, mas é próximo ao marcado com 10 - e todos se apinham na raia mais de dentro logo após o tiro inicial. As barreiras são largas, cobrindo as três raias mais de dentro, e, embora os atletas possam mudar de raia para ultrapassar, saltá-las, assim como ao fosso, é obrigatório, não podendo um atleta mudar de raia para desviar do obstáculo. Um sino marca a abertura da última volta, e, como de costume, a linha de chegada é no ponto marcado com o 2.

5.000 metros - Mais curta das chamadas corridas de fundo, os 5.000 metros são nada menos que 12 voltas e meia na pista. É considerada uma das provas mais desafiadoras do atletismo, pois sua distância exige tanto resistência quanto velocidade. Os atletas largam enfileirados próximos ao ponto marcado com 10, e não precisam respeitar raias. Um sino abre a última volta, e será o vencedor quem cruzar a linha de chegada, no ponto 2, primeiro.

10.000 metros - Mais longa das provas de pista, os 10.000 metros são impressionantes 25 voltas na pista, com os atletas largando e chegando no ponto 2, e o tradicional sino para avisá-los da última volta. Normalmente apenas mais para o final da prova é que os eventuais vencedores começam a se destacar, e será o vencedor quem conseguir guardar mais energias para a arrancada final.

Revezamento 4 x 100 metros - Embora o atletismo seja um esporte individual, as duas provas dos revezamentos são disputadas por equipes de quatro atletas cada. No 4 x 100, o objetivo é dar uma volta completa na pista, com um atleta passando um bastão para outro a cada 100 metros. Os primeiros atletas de cada equipe largam exatamente das posições onde largam os atletas dos 400 metros, com o da raia mais de dentro quase sobre a linha de chegada, marcada com o 2. 100 metros depois do ponto onde cada atleta largou, ficam posicionados os segundos atletas de cada equipe, que serão os primeiros a receber o bastão. A passagem do bastão deve ser feita dentro de um espaço de 20 metros marcado na pista com linhas amarelas, que abrange os últimos 10 metros dos primeiros 100 e os primeiros 10 metros dos 100 seguintes, e é normalmente feita "às cegas", sem que o atleta que vai receber o bastão olhe para trás, confiando que o atleta que vem vindo colocará o bastão em sua mão, e só o largará quando ele tiver segurado com firmeza. Trocar de bastão fora dos 20 metros delimitados ou deixar o bastão cair resulta em desclassificação automática da equipe. Os segundos atletas da equipe então correrão mais 100 metros até passar o bastão para os terceiros, nas mesmas condições. Os terceiros correrão mais 100 metros e passarão os bastões para os quartos e últimos integrantes de cada equipe, que então correrão até a linha de chegada. Assim como ocorre com as barreiras dos 400 metros com barreiras, as posições em que largam os atletas de cada equipe também vão se aproximando, até que os últimos recebem o bastão quase enfileirados. O bastão é cilíndrico, tem 28 cm de comprimento, 3 cm de diâmetro, pesa 425 gramas e é feito de alumínio.

Revezamento 4 x 400 metros - O revezamento 4 x 400 metros segue as mesmas regras do 4 x 100, mas cada atleta deve dar uma volta completa na pista antes de entregar o bastão para o seguinte. Para que ninguém corra mais de 400 metros antes de passar o bastão, as posições de largada são ainda mais espaçadas que as da prova dos 400 metros, e, após a primeira passagem de bastão, os atletas não precisam mais respeitar raias, normalmente se dirigindo todos para a raia mais de dentro. Como seria impossível todo mundo passar o bastão correndo na raia mais de dentro, quem está na frente leva vantagem, pois os demais acabam tendo de se dirigir para as raias mais de fora para passar o bastão em segurança.

Maratona - Inventada pelo Barão de Coubertin para a primeira edição das Olimpíadas da Era Moderna, a maratona era a recriação da proeza do soldado Pheidippides, que teria corrido da planície de Maratona até Atenas para anunciar a vitória dos gregos na batalha que lá se travava. No início, a distância percorrida pelos atletas na maratona era a mesma que Pheidippides teria percorrido, 40.000 metros, mas nas Olimpíadas de 1908 os organizadores resolveram esticar o percurso um pouquinho, para 42.195 metros, distância oficial da maratona de acordo com a IAAF até hoje. Por razões óbvias, a maratona não é disputada na pista, mas em um circuito de rua traçado pelos organizadores do evento. Por sua importância e visibilidade, a maratona costuma atrair dezenas de atletas, profissionais e amadores, que largam todos juntos, com os mais gabaritados podendo ficar mais próximos da linha de largada. Nas Olimpíadas, a maratona é sempre realizada no último dia de competição, costuma incluir pontos importantes da cidade no percurso, e seus metros finais incluem uma volta no Estádio Olímpico, com a linha de chegada sendo a mesma das demais corridas do atletismo, no ponto 2. A maratona é um das poucas modalidades do atletismo dispuitada "por si só", sem ser parte de um campeonato, com maratonas como a de Nova Iorque, de Londres e de Berlim sendo realizadas todos os anos, e estando dentre os eventos esportivos mais importantes do mundo. Ao contrário do que muita gente pensa, a famosa Corrida de São Silvestre não é uma maratona, pois seu percurso tem "apenas" 15.000 metros.

Meia-maratona - Como o nome sugere, a meia-maratona é uma corrida de 21.097,5 metros, a metade da distância de uma maratona. Assim como a maratona, ela é disputada em um circuito de rua, traçado pelos organizadores do evento. A meia-maratona não é disputada nas Olimpíadas nem em Mundiais, mas tem seu próprio campeonato mundial, realizado anualmente, cada ano em uma cidade diferente.

Marcha - Você pode até discordar que a Steeplechase é a mais curiosa das provas do atletismo, mas só se for para argumentar que este título pertence à marcha. A marcha, como se costuma dizer, é aquela prova onde os atletas "correm rebolando". Na verdade, esse movimento ritmado e curioso acontece porque a marcha não é uma prova de corrida, mas de "andada", e, assim como quando a gente anda está sempre com um dos pés tocando o chão, as regras da marcha proíbem que o atleta fique sem nenhum dos pés em contato com o solo simultanteamente - ele só pode mover um depois que pisar com o outro. Um atleta que tire os dois pés do chão é advertido, e um atleta advertido três vezes é desclassificado. Para ver se todos estão cumprindo as regras, vários árbitros ficam espalhados pelo percurso, apenas prestando atenção nos movimentos dos pés dos atletas; mas o fato de que, graças a treinamento intensivo, os atletas de hoje conseguem marchar a velocidades impressionantes tem causado certa controvérsia, pois às vezes nenhum árbitro adverte um determinado atleta simplesmente por não conseguir ver que ele não estava com o contato obrigatório com o solo, mas depois o VT em câmera lenta revela a infração. Para facilitar o trabalho dos árbitros, o percurso da marcha não costuma ser linear como o da maratona, mas circular como a pista do atletismo, mesmo que seja disputada em um circuito de rua. Nas Olimpíadas, a prova da marcha costuma começar dentro do estádio, com todos os atletas largando alinhados, sair dele para um circuito de rua, e, após um determinado número de voltas, retornar para dentro do estádio, onde o primeiro atleta a cruzar a linha de chegada no ponto 2 será o vencedor. Oficialmente, segundo a IAAF, a marcha pode ser disputada em três distâncias diferentes: 10.000 metros (apenas mulheres), 20.000 metros (homens e mulheres) e 50.000 metros (apenas homens). Além de disputada em Olimpíadas e Mundiais, a marcha também possui seu próprio Mundial em separado, disputado a cada dois anos.

Salto em altura - No salto em altura, o atleta deve pular sobre uma barra horizontal, chamada sarrafo, sem a ajuda de qualquer aparato. No início os atletas simplesmente ficavam parados ao lado do sarrafo e, ao comando do árbitro, pulavam, mas ao longo do tempo várias técnicas foram desenvolvidas e aperfeiçoadas para que as alturas alcançadas fossem cada vez maiores. A técnica mais utilizada hoje em dia é a chamada Fosbury Flop, inventada pelo norte-americano Dick Fosbury nas Olimpíadas de 1968. A técnica involve o atleta começando a tomar impulso dentro da pista de corrida, o que faz com que os saltos em altura só possam ser disputados quando a pista não estiver sendo usada. Após percorrer um quarto de círculo, o atleta salta, virando as costas para o sarrafo, transpondo-o primeiro com o tronco e então levantando rapidamente as pernas, para que estas não o toquem. O atleta pousa então, quase de cabeça, sobre um colchão, posicionado no ponto marcado com o número 6 na figura. Cada atleta tem três tentativas para transpor cada altura, sendo eliminado da prova se derrubar o sarrafo ou refugar em todas as três. Quando todos os atletas forem eliminados, será declarado vencedor o que tiver conseguido saltar a maior altura, usando para o desempate o número de tentativas gastas para consegui-la e o número de tentativas para cada altura anterior, caso dois ou mais atletas terminem a prova empatados. Toda vez que mais de um atleta consegue transpor uma determinada altura, o sarrafo sobre 5, 3 ou um centímetro, dependendo da altura em que ele está. Um atleta não é obrigado a saltar todas as alturas, podendo entrar na prova a qualquer momento em que pelo menos um atleta ainda a esteja disputando, mas só terá as três tentativas para aquela altura normalmente. Estádios de atletismo costumam ter duas áreas para salto em altura, para que nas eliminatórias dois atletas possam saltar de cada vez.

Salto com vara - Assim como no salto em altura, o objetivo no salto com vara é transpor o sarrafo sem derrubá-lo; a diferença é que neste o atleta faz uso de um equipamento específico para isso: uma vara de fibra de vidro ou fibra de carbono. As exatas dimensões da vara, assim como sua flexibilidade, variam de acordo com a altura e peso do atleta e com a altura que ele está querendo transpor, podendo ter de 2 a 6 metros de comprimento; por causa disso, cada atleta leva para cada competição de 5 a 10 varas diferentes, escolhendo qual irá usar antes de cada salto. O lugar onde o atleta segura a vara também influencia no salto, assim como a aderência de suas mãos, portanto é comum que os atletas passem uma espécie de pasta nas mãos antes de cada salto, para melhorar a aderência. Após escolher a vara e segurá-la com firmeza, o atleta corre por uma pista de 40 metros, no ponto marcado com o número 8 na figura. Ao fim desta pista fica um buraco, chamado de caixa, onde o atleta encaixará a vara, saltando e envergando-a para obter impulso; ao contrário do que parece, porém, a vara não é uma espécie de elástico, ela apenas oferece suporte, a maior parte do impulso vem de movimentos feitos pelo corpo do próprio atleta, que, ao chegar perto do sarrafo, solta a vara e transpõe o sarrafo primeiro com as pernas, fazendo então um movimento com o tronco para não derrubá-lo, jogando o corpo para trás para cair de costas sobre um colchão e empurrando a vara para longe para que ela não bata no sarrafo nem caia em cima dele. Assim como no salto em altura, cada atleta tem três tentativas para cada altura, não precisando tentar todas, com o sarrafo subindo um pouquinho de cada vez, e a prova terminando quando ninguém mais conseguir vencer uma determinada altura, com o número de tentativas sendo usada para desempate. Estádios de atletismo costumam ter duas pistas de salto com vara, para que nas eliminatórias dois atletas possam saltar de cada vez.

Salto em distância - Também conhecido como salto em extensão ou salto em comprimento, no salto em distância o objetivo é saltar o mais longe possível sem a ajuda de qualquer aparato. No início os atletas ficavam parados e saltavam para a frente a um comando do árbitro, mas atualmente o salto é feito após uma corrida. O atleta começa correndo em uma pista de 40 metros, localizada no ponto 7 da figura, até chegar a uma tábua, onde deverá saltar. A tábua não oferece nenhum impulso extra para o atleta, e serve apenas para determinar se o salto foi válido; perto de seu final há uma faixa de plasticina, que, se for rompida por um pisão do atleta, determina que o salto foi "queimado" e não valeu. O objetivo, portanto, é pisar o mais perto possível da plasticina, "usando toda a tábua", como se diz, para o salto. Após o salto o atleta movimenta as pernas no ar e as joga para a frente, aterrisando em uma caixa de areia de 9 metros de comprimento por 2,75 metros de largura. A distância do salto é medida da plasticina, e não do local onde o atleta saltou, até o ponto onde ele tocou primeiro na areia. Cada atleta possui um número limitado de saltos - normalmente 6 em eliminatórias e 3 em finais - e, após todos os atletas terem cumprido ou queimado seus saltos, aquele que tiver saltado mais longe, independente de em qual tentativa, será o vencedor. Se um atleta tiver conseguido um salto especialmente bom, ele poderá abrir mão de algumas de suas tentativas, não sendo obrigado a saltar em todas. Estádios de atletismo costumam ter duas pistas de salto em distância, com uma caixa de areia de cada lado; em teoria, isso permitiria que até quatro atletas saltassem ao mesmo tempo, mas em competições como as Olimpíadas e o Mundial apenas duas das caixas são utilizadas, com dois atletas saltando de cada vez nas eliminatórias.

Salto triplo - O salto triplo é semelhante ao salto em distância, exceto pela técnica usada pelo atleta. A pista usada é a mesma do salto em distância, marcada com 7 na figura, mas a tábua com a faixa de plasticina que determina o início do salto é posicionada a 13 metros do início da pista para os homens, e a 11 metros para as mulheres. Ao alcançar a tábua, o atleta dá seu primeiro salto, após o qual deverá pisar novamente na pista com a mesma perna com a qual tomou impulso para este salto; imediatamente ao tocar o solo, o atleta começa um novo salto, ao fim do qual tocará a pista com a outra perna; imediatamente ele iniciará o terceiro e último salto, onde fará os movimentos de jogar as pernas para a frente e cair na caixa de areia. O nome "salto triplo", evidentemente, vem do fato de o atleta dar três saltos seguidos antes de aterrissar na areia. Assim como no salto em distância, cada atleta possui um número de tentativas, não precisando saltar em todas, queimando se romper a plasticina, e sendo declarado vencedor o que tiver saltado mais longe após todos terem esgotado suas tentativas. Também como no salto em distância, a distância total do salto é contada a partir da plasticina, considerando a área de pista utilizada pelos dois saltos intermediários.

Arremesso de peso - O peso em questão é uma bolota de ferro de 7,26 Kg para os homens, e 4 Kg para as mulheres. Posicionado dentro de um círculo de concreto de 2,13 metros de diâmetro, localizado no ponto 9 da figura, o atleta "encaixa" o peso entre sua mão e a parte de baixo de sua bochecha, com o braço dobrado junto ao corpo. Então se curva para trás, de costas para o gramado e, para efetuar o arremesso, se vira rapidamente na direção do gramado, estendendo o braço durante o movimento. O peso deve cair dentro de um semicírculo marcado no gramado, que faz um ângulo de 34 graus a partir do círculo de lançamento; o peso cair fora desta área ou o atleta pisar fora do círculo de concreto durante o lançamento invalida o mesmo. Cada atleta tem um número de tentativas, normalmente 3 ou 6, e, após todos terem gastado todas as suas tentativas, o vencedor será o que arremessou o peso mais longe. Um atleta pode abrir mão de uma ou mais de suas tentativas, se achar que conseguiu um arremesso que satisfaz seus objetivos. Como o peso costuma quicar, a distância do arremesso é medida do centro do círculo de lançamento até o ponto onde o peso tocou o solo primeiro.

Arremesso de disco - Famoso por ter sido representado na estátua Discobolus de Míron, o arremesso de disco consiste em arremessar um disco de alumínio de 22 cm de diâmetro e e dois quilos de peso para os homens, ou 18,1 cm de diâmetro e um quilo de peso para as mulheres, dentro de um semicírculo no gramado, que faz um ângulo de 34,92 graus com o local de lançamento, um círculo de concreto de 2,5 metros de diâmetro, marcado com o número 10 na figura. Posicionado dentro do círculo, o atleta segura o disco de forma que sua parte de cima encoste em seu pulso, e, com um movimento característico, gira uma ou mais vezes em torno do pé de apoio, soltando o círculo ao interromper o movimento, para que a energia transmitida a este faça-o voar. Como o atleta pode soltar o disco para o lado errado, uma tela é colocada a 3 metros do centro do círculo de lançamento, deixando apenas uma abertura na direção do gramado; atirar o disco contra esta tela, acertar fora do semicírculo ou pisar fora do círculo de concreto durante o lançamento invalida o mesmo. Assim como no arremesso de peso, o vencedor será o que tiver arremessado o disco mais longe, após todos terem esgotado o número de tentativas a que têm direito, podendo abrir mão de algumas se desejarem, e a distância do arremesso é medida do centro do círculo de lançamento até o ponto onde o disco tocou o solo primeiro.

Arremesso do Martelo - O martelo é, para os homens, uma bola de ferro de 7,25 quilos, preso a uma corrente de 1,21 metro, na ponta da qual há uma alça para que o atleta segure. Para as mulheres, a bola pesa 4 quilos, e a corrente tem 1,19 metro. O arremesso do martelo combina características do arremesso do peso e do disco: o atleta se posiciona em um círculo de concreto de 2,13 metros de diâmetro, marcado com o 12 na figura, e, segurando o martelo pela alça, gira em torno do pé de apoio duas ou mais vezes, tirando o martelo do chão, e soltando-o ao interromper o movimento, para que ele voe e caia dentro de um semicírculo que faz um ângulo de 34,92 graus com o círculo de lançamento. Como o lançamento pode sair para o lado errado, e o martelo é bem pesado, o círculo de lançamento é envolto em uma espécie de jaula, que possui uma abertura na direção do gramado. Atingir a jaula com o martelo, acertar fora do semicírculo ou pisar fora do círculo de concreto durante o lançamento invalida o mesmo. Assim como nos demais arremessos, o vencedor será o que tiver arremessado o martelo mais longe, após todos terem esgotado o número de tentativas a que têm direito, podendo abrir mão de algumas se desejarem, e a distância do arremesso é medida do centro do círculo de lançamento até o ponto onde a bola do martelo tocou o solo primeiro.

Lançamento de dardo - O dardo é uma espécie de lança, feito de fibra de vidro ou fibra de carbono com uma ponta afiada de alumínio, de 2,6 metros de comprimento e 800 gramas de peso para os homens, ou 2,2 metros de comprimento e 600 gramas de peso para as mulheres, com uma empunhadura feita de linha enrolada a 15 cm de sua ponta, onde também fica seu centro de gravidade. Para lançar o dardo, o atleta corre por uma pista de 30 metros de comprimento, marcada com o número 11 na figura, segurando o dardo na altura de sua orelha. Antes de chegar ao final da pista, ele move o tronco rapidemante para trás e então para a frente enquanto estende o braço e solta o dardo. Pisar além da linha que delimita a pista antes de o dardo tocar o gramado invalida o lançamento. O dardo deve cair dentro de um semicírculo que faz um ângulo de 34,92 graus com a pista de lançamento, ou este será considerado inválido. Se a ponta do dardo tocar o solo primeiro, fincando-o no chão, o arremesso será medido do final da pista até aquele ponto; se ele cair deitado no chão, mas não se fincar, será medido do final da pista até a empunhadura; se a ponta oposta do dardo, que não é de alumínio, tocar o chão primeiro, o lançamento será invalidado. Como a pista de lançamento do dardo corta a pista de corrida, os arremessos só podem ser feitos quando a pista não estiver sendo usada. Alguns estádios possuem duas pistas de lançamento de dardo, uma de cada lado, mas, por razões de segurança, as duas nunca são usadas ao mesmo tempo, com uma normalmente sendo escolhida devido a condições de vento e outros fatores que possam influenciar no lançamento. Assim como nos arremessos, o vencedor será o que tiver lançado o dardo mais longe, após todos terem esgotado o número de tentativas a que têm direito, podendo abrir mão de algumas se desejarem.

Decatlo - Criado para as Olimpíadas de 1912, o decatlo exige que um mesmo atleta compita em dez provas que envolvem correr, saltar e arremessar ao longo de dois dias: no primeiro, são disputados os 100 metros, o salto em distância, o arremesso do peso, o salto em altura e os 400 metros; no segundo são disputados os 110 metros com barreiras, o arremesso do disco, o salto com vara, o lançamento de dardo e os 1.500 metros. Através de uma tabela publicada pela IAAF, os resultados dos atletas em cada prova são convertidos em pontos, sendo declarado vencedor o que tiver somado mais pontos após os 1.500 metros. Vencer mais provas que os concorrentes, portanto, não é importante, mas é essencial manter a regularidade. O decatlo é uma competição exclusivamente masculina, as mulheres disputam o heptatlo, composto de sete provas também disputadas em dois dias, com os 100 metros com barreiras, salto em altura, arremesso de peso e 200 metros no primeiro; e salto em distância, arremesso de dardo e 800 metros no segundo, com os resultados sendo convertidos para pontos da mesma forma que no decatlo.

Como já foi dito, além do atletismo "tradicional", existe o atletismo indoor, criado para que o esporte pudesse continuar a ser disputado no hemisfério norte durante os meses de inverno. Os estádios de atletismo indoor são menores, com a pista tendo apenas 200 metros. Como a pista é menor, as curvas são mais fechadas, o que é compensado pelo fato delas serem levemente inclinadas, como as curvas de uma pista de Nascar, por exemplo. Como o centro da pista também é menor, estádios de atletismo indoor normalmente são exclusivos para este esporte ou para alguns raros eventos que possam ser realizados cobrindo a pista com algum material que permita que o evento seja realizado sem danificá-la. Também por causa da pista menor, nem todas as modalidades são disputadas indoor, algumas têm regras diferentes, e algumas são exclusivas. As modalidades disputadas indoor são os 60 metros, 400 metros (duas voltas na pista), 800 metros (4 voltas na pista), 1.500 metros, 3.000 metros, 60 metros com barreiras, revezamento 4 x 400 metros, salto em altura, salto em distância, salto com vara, salto triplo, arremesso de peso, heptatlo (só para homens, inclui os 60 metros, 60 metros com barreiras, salto em distância, salto em altura, salto com vara, arremesso de peso e uma corrida de 1.000 metros) e pentatlo (só para mulheres, inclui os 800 metros, 60 metros com barreiras, salto em altura, salto em distância e arremesso de peso).

O atletismo é um esporte indicado para pessoas de todas as idades, de todas as classes sociais. Afinal, todos já sabemos correr, saltar e arremessar, é tudo uma questão de aprimorar a técnica.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário