domingo, 3 de julho de 2005

Homem de Ferro

Meu primeiro contato com revistinhas de super-heróis foi ainda durante a infância. Eu só lia Mônica e Cebolinha, quando meu avô apareceu lá em casa com uma revista do Capitão América, que alguém tinha esquecido no trabalho dele, ou alguma coisa assim. Eu devia ter uns sete anos, e confesso que não gostei daqueles quadrinhos que se pareciam com pessoas de verdade. Uma das histórias, porém, chamou minha atenção, pois aparentemente eu conhecia seu protagonista, o Homem de Ferro. Na época, passavam de manhã cedo, lá pelas 8 horas, "desenhos animados" de super-heróis, que eu não acompanhava, mas acabava assistindo um ou outro já que estudava de manhã e tinha de acordar muito cedo. Eram exibidos, dentre outros, os desenhos do Capitão América e do Homem de Ferro, que não eram muito animados, praticamente uma sucessão de quadros estáticos com as vozes dos protagonistas. Depois de ler aquela revistinha, eu passei a prestar mais atenção no desenho, e acabei me interessando. Por causa disso, de uma das vezes seguintes em que fui ao jornaleiro, decidi comprar uma revista de super-heróis ao invés de uma do Cebolinha. Minha intenção era comprar uma do Homem de Ferro, mas como aparentemente eu não sabia o que estava fazendo, comprei uma dos X-Men. Não faz mal, abri as portas do Universo Marvel da mesma forma. Não sei se por causa desse primeiro contato, o Homem de Ferro sempre foi um dos meus heróis preferidos. E é o tema do post de hoje.

Este tão singular herói foi criado em 1963, por Stan Lee em parceria com o desenhista Don Heck, tendo feito sua estréia na revista Tales of Suspense número 39, que foi às bancas no mês de março daquele ano. Era a época da Guerra do Vietnã, que ainda estava em seu início, e despertava pouco interesse entre os jovens americanos. O visionário Stan Lee, porém, decidiu que o Sudeste Asiático era um excelente local para um herói ganhar seus poderes. Ele também decidiu que seria um herói com sérios problemas pessoais, como todos os de sua leva do início da década de 60. Assim surgiu Tony Stark.

Stark era um playboy milionário que ganhava a vida fabricando e vendendo armas. Um dia, porém, durante um teste de uma nova arma nas selvas do Vietnã, Stark acionou uma mina, e foi seriamente ferido pela explosão da arma que testava. Como se isso já não bastasse, Stark foi capturado pelos vietcongues, que o forçaram a construir armas de última geração que seriam utilizadas por eles na guerra. No cativeiro, Stark descobriu que uma das partículas da bomba que o havia ferido ainda estava em seu corpo, caminhando lentamente em direção ao seu coração, e iria matá-lo se lá chegasse. Aproveitando os materiais que lhe foram dados, ele decidiu construir uma espécie de armadura, que serviria como um marcapasso para fazer seu coração continuar a bater, além de conferir-lhe os meios necessários para escapar de seus captores. Utilizando a armadura, Stark foi capaz de derrotar os guardas que o vigiavam e retornar para os EUA, mas teria de viver o resto de sua vida dentro da armadura, ou morreria do coração.

Foi Jack Kirby quem criou a primeira armadura do Homem de Ferro, que era toda cinza e se parecia com um robô dos filmes de ficção científica da época. A aparência dos demais personagens, como Tony Stark e sua secretária Pepper Potts, coube a Dan Heck, desenhista oficial do herói em seus primeiros números. Como fazia com os demais títulos da época, Stan Lee utilizava o "Método Marvel": entregava a Heck apenas as duas primeiras e a última página do roteiro, e cabia ao desenhista criar o miolo da história. Muitos não gostavam de trabalhar desta forma, mas Heck havia escrito vários roteiros de quadrinhos de guerra antes de ir para a Marvel, o que fazia com que ele ficasse meio à vontade escrevendo sobre um herói cujo contexto era a Guerra do Vietnã. A única coisa com a qual Heck não concordava era com a armadura do herói. Embora nutrisse uma certa admiração por Jack Kirby, ele a considerava desengonçada e difícil de desenhar. Algumas edições após a primeira, portanto, o Homem de Ferro ganhou uma nova armadura, de traços mais suaves, e na cor dourada. Sua armadura mais famosa, a vermelha e amarela, com furos retangulares para os olhos e boca, foi criada alguns anos mais tarde por Steve Ditko, que também havia criado o visual do Homem-Aranha. Ao longo dos anos, praticamente cada desenhista mudou alguma coisa na armadura do herói, talvez para refletir a evolução na tecnologia utilizada por Stark em seu traje, fazendo com que o Homem de Ferro se tornasse o super-herói que teve mais uniformes diferentes desde sua criação.

Ao retornar à América, Stark decidiu utilizar suas armas para combater o crime, ao invés de vendê-las para quem pagasse mais, como fazia até então. Assim surgiram as indústrias Stark, que investem pesado em tecnologia para fazer do mundo um local mais seguro e confortável. Eventualmente, Stark conseguiu um transplante de coração, o que fez com que ele pudesse viver uma vida normal fora da armadura. Sabendo que podia fazer a diferença com ela, porém, ele continuou vestindo-a para combater o crime, sob a alcunha de Homem de Ferro. Para todos os efeitos, o Homem de Ferro é empregado das indústrias Stark e guarda-costas pessoal de Tony Stark. Para não colocar em risco a vida de nenhum de seus funcionários, Stark divulga que várias pessoas diferentes podem vestir a armadura - embora, na verdade, apenas ele próprio possa fazê-lo. Poucos são os que sabem que Stark e o Homem de Ferro são a mesma pessoa, e muitos são os vilões que já tentaram roubá-la para seu uso próprio. Destes, o mais perigoso era, sem dúvida, o Mandarim, místico e cientista chinês, descendente de Gengis Khan, portador de dez anéis místicos, cada um com um poder diferente, arqui-inimigo do Homem de Ferro. Além do Mandarim, vários outros supervilões desejam destruir a armadura para ter uma vida de crimes melhor, como o Furacão, o Chicote Negro, o Gárgula Cinzento, o Dínamo Escarlate e as organizações criminosas internacionais I.M.A. e Hydra.

Como todos os principais heróis Marvel, o Homem de Ferro também possui muitos problemas pessoais - em seu caso, problemas de saúde. Mesmo com um coração novo, Stark jamais foi capaz de fazer todas as coisas que fazia antes de se tornar o herói. A pressão de ter que gerenciar as indústrias Stark enquanto combatia o crime e cuidava de sua saúde acabou levando Tony ao alcoolismo, doença com a qual convive até hoje. Além disso, uma ex-namorada lhe deu um tiro nas costas, o que fez com que Stark ficasse paralítico por um longo tempo (embora ainda capaz de andar com a armadura), até passar por uma cirurgia que implantou um microchip em sua coluna. Em suma, apesar de todo o seu dinheiro e poder, Tony Stark é um homem frágil, que depende cada vez mais da tecnologia para se manter vivo. Apesar disso, sua carreira como Homem de Ferro é das mais promissoras. O herói é membro fundador da equipe super-heróica conhecida como Os Vingadores, e um dos poucos que jamais deixou de fazer parte dela. Apesar de não ter superpoderes como muitos de seus colegas, sua inteligência e coragem fazem com que ele seja um dos membros mais respeitados, e considerado um dos líderes da equipe, ao lado do Capitão América. Muitos dos equipamentos de última geração que equipam a Mansão dos Vingadores (ela própria doada por Tony Stark) e a Gruta (uma prisão para supervilões) foram criados pelas indústrias Stark, que dá apoio indispensável aos heróis em sua luta contra o crime.

No meio da década de 90, o Homem de Ferro estava em baixa, e foi escolhido pela Marvel para fazer parte do projeto Heróis Renascem, juntamente com o Capitão América, os Vingadores e o Quarteto Fantástico. Tal projeto envolvia a reformulação destes heróis pelos desenhistas Jim Lee e Rob Liefeld, recontando suas histórias desde a origem. O projeto não foi bem sucedido, porém, e uma desculpa esfarrapada fez com que todos retornassem ao Universo Marvel comum. Atualmente, além de sua série regular, o Homem de Ferro possui uma série Ultimate, que mostra como o herói seria se tivesse ganho seus poderes na época atual, e não na década de 60.

Mesmo em sua série regular, o Homem de Ferro é um herói de alta tecnologia, que já faz uso da internet, telefones celulares, e até mesmo de tecnologias que para nós ainda são ficção, como nanobots. No Brasil, suas aventuras podem ser acompanhadas na revista dos Vingadores, onde combate o crime tanto sozinho quanto na companhia de seus colegas super-heróis. Dizem que um filme está a caminho. Vamos torcer para que seja tão bom quanto os do Homem-Aranha e dos X-Men.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário