domingo, 4 de janeiro de 2004

Cinema 2003

O ano de 2003 chegou ao fim, entrando para a História como "o ano em que eu fui 10 vezes ao cinema". Quem me conhece sabe que eu não faço questão de ver muitos filmes no cinema, somente os mais barulhentos, mais cheios de (d)efeitos especiais e cenas de ação, para aproveitar a tela grande e o som surround. Não acho muita graça em ver um filme de drama ou uma comédia romântica no cinema, esse tipo de filme cai melhor na televisão. Some-se a isso o fato de que uma sessão de cinema está custando os olhos da cara, e chegamos à média de 3 idas ao cinema por ano. Portanto, 10 vezes poderia ser considerado um recorde, se em 1995 eu não tivesse ido 11 vezes (exatamente uma por mês, exceto em novembro). Mas eram outros tempos.

Para comemorar esse feito, e também porque eu não tinha nada mais para postar hoje, vamos à Retrospectiva Cinematológica do Guil 2003, com direito aos meus incríveis comentários!

02/01 - O Senhor dos Anéis: As Duas Torres - Um monte de gente achou esse filme pior que os outros dois, principalmente pelo fato dele não ter início nem final. Eu, particularmente, achei o melhor dos três. A Sociedade do Anel é uma correria só: agora estamos na floresta, agora estamos em Caradhras, agora estamos em Moria, agora estamos em Lothlórien, e a história é apresentada aos borbotões. O terceiro é comprido demais, a gente chega a ficar ansioso pela destruição do Anel. Esse aqui não. Talvez pelo Peter Jackson ter deixado algumas coisas para o terceiro filme (e colocado a morte do Boromir no primeiro), o filme ficou mais coeso, menos corrido, e por conseqüência mais fácil de ser compreendido. A batalha do Abismo de Helm é a minha preferida dos três filmes. Enfim, não ter início nem final não é demérito, desde que isto seja de propósito.

19/03 - Demolidor, O Homem Sem Medo - Ben Affleck não foi um bom Demolidor. Colin Farrell não foi um bom Mercenário. Michael Clarke Duncan não foi um bom Rei do Crime. E este não foi um bom filme. Teve seus méritos, é verdade, mas colocar o pai do Matt Murdock como bandido, e o Demolidor prender o Rei do Crime após quebrar suas pernas foram furadas memoráveis. Também não gostei muito da ressurreição subentendida da Elektra (embora todos soubéssemos que ela não iria morrer mesmo). Apesar de tudo, o radar do Demolidor foi um efeito legal, e algumas piadas do filme (o Sr. Lee pagou em peixe) acabaram valendo a pena.

05/05 - X-Men 2 - Esta é a prova de que, quando a Marvel quer, o filme sai bom. Diferentemente do Demolidor acima, X-Men 2 foi um filme fantástico. Com um bom ritmo, boa história, bons personagens (principalmente o Noturno) e um elenco cuja maior proeza foi ser a cara dos X-Men dos quadrinhos (talvez com exceção do Magneto, que estava meio velhinho), X-Men 2 conseguiu a façanha de ser infinitamente melhor que X-Men 1. Satisfação garantida sem dinheiro de volta. Mal posso esperar pelo 3.

03/06 - Matrix Reloaded - Visualmente, é um filme fantástico. Mas os diálogos são tão cabeça que às vezes a gente se perde. Este filme teve méritos e deméritos, e o maior demérito foi criar muitas expectativas para o Revolutions. Gostei muito, mas continuo preferindo o Matrix original.

01/07 - Hulk - A maioria das pessoas acha que o filme é ruim porque o Hulk é "borrachento". Isso nem me incomodou muito. O pai do Hulk como Homem-Absorvente virando uma bolha enorme no final me incomodou bastante. Também não gostei do lance do Hulk crescer mais e mais cada vez que fica mais nervoso. E a linguagem de história em quadrinhos/videoclipe ficou um pouco esquisita. Na minha opinião, foi uma boa idéia desenvolvida de maneira errada. Pesando na balança, acho que gostei mais do Demolidor que do Hulk.

06/08 - O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas - Também conhecido como "o filme que quase me deixou surdo", graças à seqüência do guindaste. Apesar dos protestos gerais pelo diretor não ser mais o Cameron, e do temor de quererem fazer o 4, o 5 e o 6 (temor compartilhado por mim, Exterminador é muito bom mas 3 já chega), gostei muito deste filme, e por um simples motivo: fui vê-lo para me divertir, e me diverti.

20/08 - Lara Croft Tomb Raider: A Origem da Vida - Alguém me desculpe se não era "a origem da vida", mas eu sou péssimo para títulos em português. Em inglês eu sei que era "the cradle of life", mas como eles traduziram isso eu não me lembro mais (e no ingresso só diz "Lara Croft Tomb Raider"). Quanto ao filme... Bem, o que podemos esperar de um filme da Lara Croft? Eu adoro Tomb Raider, mas, sinceramente, acho que nem o mais otimista dos fãs poderia esperar uma obra-prima. Lara socando um tubarão no nariz? Caixa de Pandora? Pior que isso, só o final, que só não conseguiu ser pior do que o final do Tomb Raider 1. Pelo menos teve a Angelina Jolie.

17/09 - A Liga Extraordinária - Esse foi bem melhor. Divertido, cheio de ação e bem amarrado. Um ótimo filme de super-heróis, exceto pelo final-chavão-vamos-ter-o-filme-dois. Aliás, alguém tem que ser contratado urgentemente para ensinar esse pessoal do cinema a fazer finais. Apesar disso, fiquei muito satisfeito. Bom filme.

06/11 - Matrix Revolutions - Como eu já disse, alguém precisa ser contratado urgentemente para ensinar essa gente a escrever finais. Não foi um filme ruim, só não atendeu às expectativas criadas pelo Reloaded. E o final foi fraquinho. Concordo com o Capitão Cinza: Teria sido melhor se o Reloaded e o Revolutions fossem um único filme de 3 horas ao invés de dois filmes de 2 horas cada.

29/12 - O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei - Confesso que eu fiquei com medo de mudarem o final original do livro. Até mudaram, mas foi uma coisinha tão insignificante que nem fez diferença. Ótimo desfecho para a saga, trazendo aos Hobbits o destaque merecido (se bem que eu gostaria que o Gimli aparecesse mais). Não foi melhor que o segundo, mas gostei mais que do primeiro (engraçado, exatamente o contrário do que os críticos acham...). Seria um filme perfeito, se não fosse por um detalhe: é muito comprido. Talvez se o primeiro não fosse a correria que é, teria ficado comprido assim também. A batalha de Minas Tirith é interminável, e Frodo e Sam demoram séculos para ir de um lugar ao outro em Mordor. Faltou agilidade, mas não é nada que estrague o filme. Se o Tolkien não tivesse morrido, poderia ensinar o pessoal de Holywood a escrever finais.

Enfim, noves fora, foram filmes legais. É muito difícil eu me arrepender de ter ido ao cinema, sempre consigo salvar uma coisa ou outra até dos filmes que eu não gostei (como Hulk e Tomb Raider 2). Esse ano, porém, eu espero não ir tantas vezes ao cinema. Está ficando cada vez mais difícil marcar um dia em que toda a galera possa ir, os cinemas estão cada vez mais cheios, as pessoas estão cada vez mais sem educação, e eu gosto de ir ao cinema para me divertir, não me aborrecer.

De qualquer forma, já estou planejando minha ida ao Underworld, Homem-Aranha 2 e Aliens vs. Predador. Para manter a média de 3 por ano.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário