segunda-feira, 17 de outubro de 2016

The King of Fighters (III)

E hoje temos a terceira e última parte da série sobre The King of Fighters!

Apesar de marcar os dez anos da série, 2004 seria o primeiro ano desde seu lançamento a não trazer um novo KoF para o Neo Geo - justamente em 2004, a SNK decidiria interromper a produção do Neo Geo e da placa de arcades AES, para a qual seus jogos eram produzidos. Um ano antes, ela fecharia um contrato com a Sammy, para que seus jogos seguintes fossem produzidos para a placa Atomiswave. Para que um "KoF 04" não precisasse ser produzido às pressas, ela decidiria fazer primeiro um remake de KoF 02, para que a equipe de desenvolvimento se familiarizasse com a placa. Assim nasceria The King of Fighters NeoWave.

NeoWave seria uma dream match, não somente não fazendo parte da série regular, mas também não tendo qualquer história. Como é baseado em KoF 02, o jogo não traz nenhuma das novidades de KoF 03, como a possibilidade de se trocar de personagem em meio à luta. Além disso, a SNK decidiria substituir todos os personagens introduzidos pela Eolith por outros mais antigos. Em termos gráficos, NeoWave acabaria sendo uma decepção, com os personagens sendo "reaproveitados" de KoF 02, sem nenhuma melhoria na aparência ou animação, e sem golpes novos; os cenários, pelo menos, seriam todos novos e desenhados em alta definição. Também seriam bastante criticados o fato de que não há nenhum personagem novo; o de que não o jogo não tem win quotes, aquelas telas nas quais o vencedor da luta se gaba com uma frase de efeito; e a trilha sonora, considerada fraca e pouco memorável.

Em termos de jogabilidade, a maior novidade é que agora são cinco botões, sendo que um deles é usado para ativar o modo Heat, que aumenta o dano causado por todos os golpes do personagem, mas faz com que sua energia diminua sozinha enquanto ele estiver ativado. O modo Heat pode ser desativado voluntariamente, mas, uma vez desativado, só poderá ser ativado novamente após um dos personagens envolvidos na luta ser nocauteado - ou seja, um mesmo personagem pode usar o modo Heat até três vezes, desde que nocauteie seus dois primeiros oponentes. Além do modo Heat, NeoWave traz três estilos de barra de super que podem ser selecionados pelo jogador após escolher os personagens; em todos eles, a barra enche conforme o personagem acerta o oponente, mesmo que ele bloqueie. No SC Mode (de Super Cancel), a barra de super tem três níveis, podendo um deles ser gasto para se usar um super ou dois para se usar um golpe MAX; além disso, um nível da barra pode ser gasto para se cancelar um especial comum e usar imediatamente um super, cancelar um super e usar um MAX, cancelar um bloqueio para usar um golpe que derruba o oponente, ou para escapar de um combo com um pulo para trás. Já no GB Mode (de Guard Breaker), a barra de super tem apenas dois níveis, com mais uma vez um sendo gasto para supers e dois para MAX; um nível também pode ser gasto para escapar de um ataque quando se está bloqueando, para escapar de um combo, e para o tal Guard Breaker, um ataque impossível de ser bloqueado e que derruba o oponente, mas que tira pouca energia; a principal característica desse modo, porém, é que, bloqueando no momento certo, o personagem deixa o oponente aberto para um contra-ataque, também impossível de ser bloqueado. Finalmente, no M2 Mode (de MAX 2), a barra de super só tem um nível, que pode ser gasto para usar um super ou Guard Breaker; o personagem só pode usar os golpes MAX se sua energia estiver piscando, abaixo dos 25% do total, mas, em compensação, se a barra de super estiver cheia e a de energia piscando, o personagem poderá usar um poderosíssimo golpe MAX2.

Como já foi dito, NeoWave não tem nenhum personagem novo, com todos os 36 à disposição do jogador sendo antigos: Kyo, Benimaru, Daimon, K', Maxima, Whip, Iori, Mature, Vice, Yashiro, Shermie, Chris, Terry, Andy, Joe, Athena, Kensou, Chin, Yamazaki, Mary, Billy, Ryo, Robert, Takuma, Leona, Ralf, Clark, Saisyu, Kula, Shingo, Jhun, Choi, Chang, Mai, Yuri e King. O jogo conta ainda com seis personagens secretos: Kim, Vanessa, Ramon, Orochi Yashiro, Orochi Shermie e Orochi Chris. O último chefe é Geese, mas, curiosamente, ele está com a aparência de gângster jovem com a qual aparece em Art of Fighting 2.

NeoWave seria lançado em julho de 2004 para arcades, em 2005 para Playstation 2, e em 2006 para Xbox. As versões caseiras são bem fiéis à do arcade, com a do Xbox permitindo que se jogue online; a versão Playstation 2 também inclui cinco personagens novos (May Lee, Angel, Seth, Kusanagi e Rugal, o que faz com que K9999 seja o único personagem de KoF 02 a não aparecer nessa versão), enquanto a Xbox traz três (Seth, Kusanagi e Rugal).

Junto com NeoWave, a SNK produziria outro jogo que não faz parte oficialmente da série. Em meados da década de 1990, os jogos de luta poligonais em 3D, representados por Virtua Fighter e Tekken, dentre outros, começaram a ganhar espaço, e muitos até alcançavam mais popularidade que seus antecessores em 2D nos arcades japoneses. Para não ficar para trás, é lógico que Capcom e SNK, as duas maiores produtoras de jogos de luta em 2D, também se arriscariam no 3D, a Capcom com Street Fighter EX e Final Fight Revenge, a SNK com a placa Hyper Neo Geo 64. Os projetos de ambas seriam grandes fracassos, porém, e logo elas voltariam à produção de jogos de luta em 2D; para a Hyper Neo Geo 64, por exemplo, apenas um total de sete jogos seriam produzidos e somente quatro deles eram de luta: Fatal Fury: Wild Ambition, Samurai Shodown 64, Samurai Shodown 64: Warrior's Rage e Buriki One (que, de certa forma, pertence à série Art of Fighting). Nenhum KoF jamais chegou a ser planejado para a plataforma.

Em 2004, entretanto, com a tecnologia estando mais avançada, e com o surgimento de consoles que permitissem jogos de luta em 3D com bons gráficos e velocidade satisfatória, a SNK decidiria tentar mais uma vez, e produziria The King of Fighters: Maximum Impact, lançado em 2004 para o Playstation 2 e no ano seguinte para Xbox, com o nome de The King of Fighters Maximum Impact Maniax, embora a única diferença entre ambos fosse o fato de que a versão Xbox permitia jogar online. Mas, de certa forma, Maximum Impact é KoF só no nome: para começar, as lutas não são entre times de três (essa opção existe apenas no modo versus), com o jogador escolhendo apenas um único personagem. Além disso, o torneio do qual os personagens participam não é o King of Fighters, mas o Mephistopheles Fighting Tournament. Na jogabilidade, Maximum Impact também se parece mais com Tekken que com KoF, com mais ênfase em combos e movimentos rápidos que em especiais e supers, mas com uma diferença: além de ser um KoF "falso", Maximum Impact é um 3D "falso", já que somente os gráficos são poligonais, com toda a ação correndo em um plano 2D - ou seja, não é possível "girar o cenário", se movendo livremente para o fundo e para a frente deste, como em Virtua Fighter ou Tekken, com os personagens podendo apenas se mover para frente, para trás, e pular.

No enredo, Maximum Impact é uma espécie de remake de Fatal Fury: há anos, a gangue Addes é a mais poderosa de South Town, liderada por um homem conhecido apenas como Fate, que age como Robin Hood, roubando dos ricos para dar aos mais pobres. Fate adotou dois irmão gêmeos órfãos, Alba e Soiree Meira (que, apesar dos nomes, são dois homens), e os treinou para ser seus sucessores, ensinando-os a lutar sempre limpo e a sempre ajudar os menos favorecidos. Seis meses antes dos eventos de Maximum Impact, porém, Fate é assassinado por Duke, líder da gangue Mephistopheles, que, então, passa a aterrorizar South Town, dominando as áreas mais pobres e explorando sua população em proveito próprio. Os irmãos Meira não têm condições de enfrentar Duke e sua gangue diretamente, até que tomam conhecimento do tal torneio de luta - que, para todos os propósitos, é organizado por uma ONG chamada Metatron Foundation, e tem como objetivo arrecadar dinheiro para a caridade, mas, na verdade, busca recrutar novos membros para a Mephistopheles - e decidem se inscrever por ver nele a chance de derrotar Duke de uma vez por todas.

Maximum Impact tem um total de 19 personagens à disposição do jogador, sendo que 13 deles vêm da série KoF: Kyo, Iori, Leona, K', Maxima, Seth, Terry, Mai, Ryo, Yuri, Ralf, Clark e Athena. Os novos são Rock Howard, de Garou: Mark of the Wolves, filho de Geese criado por Terry; Alba Meira, o disciplinado novo líder da gangue Addes, de certa forma inspirado em Terry; Soiree Meira, irmão gêmeo ninja e mais esquentado de Alba, de certa forma inspirado em Andy; Lien Neville, assassina profissional inglesa com um penteado anos 1970 e roupas provocantes, originalmente enviada por um contratante misterioso para matar Duke, mas que passou a trabalhar para ele após ele lhe pagar mais dinheiro; Mignon Beart, bruxa adolescente em treinamento que resolveu entrar no torneio para se testar; e Chae Lim, lutadora de taekwondo que substitui Kim Kaphwan - originalmente, Kim estaria no jogo usando uma máscara e com o nome de "Mr. Taekwondo", mas, diante da resistência da equipe de desenvolvimento, que não gostou da ideia, optaram por substituí-lo por um personagem novo. O último chefe, evidentemente, é Duke, que passa a ser selecionável após você terminar o jogo com Alba e Soiree. Falando nisso, Alba, Soiree e Lien são os únicos que sabem de antemão que o torneio é organizado pela Mephistopheles, então suas histórias, no modo para um jogador, são substancialmente diferentes das dos demais.

A série regular retornaria em 2005, com o primeiro jogo a não trazer o ano de seu lançamento em seu título. The King of Fighters XI (já que, se o 94 era o I, o 2003 era o X) seria lançado para arcades (para a placa Atomiswave) e Playstation 2, e retomaria a Saga dos Tesouros Sagrados. No final de KoF 03, Ash se aproveitaria da confusão criada com a derrota de Mukai e roubaria os poderes de Chizuru; com o início de um novo torneio King of Fighters, organizado pela misteriosa Shion, Kyo e Iori planejam confrontá-lo e obter os poderes de Chizuru de volta - sem saber que, tendo tomado gosto pelo negócio, agora Ash quer os deles também.

KoF XI teria um total de 33 personagens à disposição do jogador. Os 28 antigos seriam Ash, Shen, Benimaru, Duolon, Terry, Kim, Ryo, King, Yuri, Gato, Tizoc, Ralf, Clark, Whip, Athena, Kensou, Mary, Ramon, Vanessa, Kasumi, Malin, K', Maxima, Kula, Shingo, Kyo, Iori e Eiji, em sua primeira aparição desde KoF 95. Os cinco novos são Elisabeth Blanctorche, enviada por um culto secreto para matar Ash antes que ele consiga obter os poderes dos Tesouros Sagrados; Momoko, lutadora de capoeira fã número 1 de Athena; Oswald, irlandês jogador de baralho que usa as cartas como armas; Duck King (de Fatal Fury) e Bonne Jennet (de Garou: Mark of the Wolves). Pela primeira vez, o jogo conta com "subchefes secretos", personagens que podem ser enfrentados ao se alcançar certos requisitos: Sho Hayate (de Savage Reign), Gai Tendo (de Buriki One), Silber (também de Buriki One), Jyazu (de Kizuna Encounter) e Adel. Todos os cinco podem ser selecionáveis, desde que a máquina permaneça ligada ininterruptamente durante um certo período de tempo (720 horas para liberar Adel, 1200 para Silber, por exemplo). Para todos os efeitos, o último chefe é Shion, moça que usa uma lança de três vezes o seu tamanho como arma, mas, após derrotá-la, o jogador se vê enfrentando Magaki, talvez o chefe mais difícil de um jogo de KoF (mesmo com os jogos anteriores tendo uns já quase impossíveis), um demônio que começa lutando em forma humana, mas depois assume uma forma demoníaca capaz de abrir buracos na fábrica do espaço-tempo. Também um membro da raça Those From the Past, Magaki tenta triunfar onde Mukai falhou, roubando os poderes dos Tesouros Sagrados para libertar Orochi.

Vale dizer que a lista de personagens de KoF XI seria bastante controversa, por não trazer alguns que já estavam na série há bastante tempo e eram considerados preferidos dos jogadores, como Mai, Leona e Robert. Para tentar remediar a situação, a versão Playstation 2, além de trazer truques para se poder selecionar os cinco subchefes secretos, ainda incluiu sete novos personagens secretos, dois deles aparecendo pela primeira vez na série: Mai, Robert, Geese, Mr. Big, Tung Fu Rue (de Fatal Fury), Hotaru Futaba (de Garou: Mark of the Wolves) e EX Kyo Kusanagi (Kyo com a roupa e os golpes de KoF 99). Curiosamente, esses personagens eram todos reciclados da versão Playstation 2 de Neo Geo Battle Coliseum, usando os mesmos gráficos e golpes desta.

Em termos de jogabilidade, KoF XI é bastante parecido com KoF 03 - ou seja, é possível trocar de personagem em meio à luta - com algumas novidades. Para começar, agora cada personagem tem duas barras de super, a tradicional, chamada Power Stock, e uma chamada Skill Stock. A Power Stock tem um máximo de três níveis, enche conforme o personagem atinge o oponente, mesmo que ele bloqueie, e um de seus níveis pode ser usado para um super, um Switch-Off Attack, ou um Guard Breaker; um Dream Cancel (interromper um especial para usar um super, que o oponente não poderá bloquear) gasta dois níveis da Power Stock. Já a Skill Stock enche sozinha, tem dois níveis, e um deles pode ser usado para um Quick Shift (que agora permite trocar de personagem enquanto o primeiro está aplicando um combo, com o segundo continuando o combo de onde o primeiro estava) ou escapar de um combo com um pulo para trás; um Saving Shift (trocar de personagem enquanto ele está sofrendo um combo, interrompendo a sequência do oponente) gasta dois níveis da Skill Stock. Não há mais o Change OK, com as mudanças de personagem podendo ser feitas livremente. Outra novidade é a adição da Judgement Bar, um semicírculo abaixo do tempo restante de luta, com um marcador que aponta para o personagem que está lutando melhor; se o tempo se esgotar, o vencedor será aquele para o qual o marcador está apontando, mesmo que ele tenha menos energia restante que o outro.

Em 2006, seria lançada uma sequência para Maximum Impact, chamada no mundo inteiro de The King of Fighters: Maximum Impact 2, exceto nos Estados Unidos, onde, por razões contratuais de marketing, receberia o bizarro nome de The King of Fighters 2006, mesmo sem fazer parte da série original. Lançado exclusivamente para Playstation 2, em Maximum Impact 2 a Addes voltaria a ser a gangue dominante em South Town, após a derrota de Duke e da Mephistopheles; mas, quando Jivatma, o fundador da Addes, retorna e retira Alba do comando, Alba descobre que, sob o controle de Jivatma, South Town será ainda mais explorada que sob o comando de Duke. Alba então decide organizar o Addes Fighting Tournament, para que um dos participantes, de preferência ele mesmo, possa derrotar Jivatma, encerrando o ciclo de terror de uma vez por todas.

Maximum Impact 2 tem jogabilidade bem parecida com a de seu antecessor, com a diferença de que agora é possível usar o sidestep (avançando para o fundo ou para a frente do cenário e girando-o, embora bem pouco), o que o torna mais próximo de um verdadeiro jogo de luta em 3D. Ao todo, 24 personagens estão disponíveis desde o início, sendo 22 antigos (Alba, Soiree, Kyo, Iori, Terry, Rock, Ryo, Yuri, Mignon, Leona, Ralf, Clark, K', Maxima, Mai, Athena, Chae, Lien, Seth, Duke, Billy e Kula) e apenas dois novos (a bailarina Luise Meyrink, que também atua como subchefe, e está no torneio em busca de seu pai, ex-membro da Addes atualmente desaparecido; e a adolescente Nagase, que teve sua força geneticamente modificada e sua inteligência ampliada por um implante cibernético, e decidiu participar do torneio para testar seus limites). O jogo conta ainda com 14 personagens secretos, incluindo Jivatma, que é também o último chefe; Kim; Jennet; Richard Meyer (de Fatal Fury); Hanzo Hattori (de Samurai Shodown); Fio (de Metal Slug); Nightmare Geese (Geese com a roupa e os golpes de Real Bout Fatal Fury 2); Kyo Kusanagi Classic (Kyo com a roupa e os golpes de KoF 95); Wild Wolf (Terry com a roupa e os golpes de Garou: Mark of the Wolves); Mr. Karate II (Ryo com a roupa e os golpes de Buriki One); Armor Ralf (Ralf com uma armadura especial que o torna imune a combos e causa mais dano quando o oponente está defendendo); Hyena (um capanga de Duke que atuava como comentarista no primeiro Maximum Impact); Ninon Beart (a irmã mais nova de Mignon, também uma bruxa em treinamento, mas adepta da magia negra) e Lilly Kane (a irmã mais nova de Billy). Vale citar também que o jogo tem várias roupas alternativas para cada personagem, a maioria delas precisando ser liberada ao se preencher certos requisitos, e algumas sendo homenagens a outros jogos da SNK: Geese, por exemplo, tem uma roupa alternativa de Goenitz e uma de Mukai; Mai tem uma de Andy e uma de Cham Cham (de Samurai Shodown 2); Ralf tem uma de Marco, e Clark uma de Tarma (ambos de Metal Slug) etc.

Maximum Impact 2 ganharia uma versão para arcades em 2007, chamada The King of Fighters: Maximum Impact - Regulation A. Lançada para a placa Type X2 da Taito, e não para a a Atomiswave, Regulation A, além de consertar alguns bugs e realizar algumas mudanças para equilibrar os personagens, trazia um novo cenário e quatro personagens novos: Ash, Mary, Xiao Lon (a irmã ainda viva de Duolon) e Makoto Mizoguchi (de Fighter's History); em compensação, Armor Ralf não está presente, e cada personagem tem apenas duas roupas alternativas, enquanto no jogo original cada um tinha de duas a quatro. Regulation A ganharia uma versão para Playstaytion 2, mas lançada exclusivamente no Japão.

A escolha da Taito Type X2 para Regulation A não se daria por acaso; insatisfeita com a Atomiswave após usá-la para NeoWave e KoF XI, a SNK buscaria por uma placa mais poderosa para dar continuidade à série, e acabaria fechando o contrato com a Taito. A troca de placa e problemas internos na equipe de desenvolvimento, entretanto, levariam a um grande atraso, que, por sua vez, causaria uma mudança de planos. Assim, não somente 2007 seria o primeiro ano desde o início da série a não ter o lançamento de nenhum KoF, como também o jogo seguinte, The King of Fighters XII, lançado apenas em 2009, para arcades, Playstation 3 e Xbox 360, seria uma dream match, modificando a ordem das duas trilogias anteriores - que tiveram três jogos parte da história seguidos com uma dream match no final.

KoF XII tem apenas 20 personagens à disposição do jogador, e apenas um deles é novo, Raiden, de Fatal Fury; os antigos são Ash, Duolon, Shen, Kyo, Benimaru, Daimon, Iori, Athena, Kensou, Chin, Terry, Andy, Joe, Kim, Ryo, Robert, Leona, Ralf e Clark - as versões caseiras também incluem Mature e Elisabeth. À exceção, obviamente, de Ash, Duolon, Shen, Raiden e Elisabeth, todos os personagens possuem a aparência e os golpes de KoF 98, por uma decisão da SNK de fazer o jogo mais parecido com os "clássicos"; em compensação, todos ganharam novos gráficos, redesenhados em alta definição, e novas animações bem mais fluidas, na primeira vez em que isso foi feito desde KoF 96. KoF XII também é o primeiro KoF a trazer o zoom conforme os personagens se afastam e se aproximam, ao estilo de Art of Fighting.

A maior novidade na jogabilidade é a adição de uma nova barra, chamada Critical Counter, que enche conforme o jogador recebe dano; quando ela está totalmente cheia, se o personagem acertar um soco forte no oponente no exato momento em que está sendo atacado, entrará no Critical Counter Mode, durante o qual a barra esvazia lentamente e, até que ela esvazie completamente, ele poderá usar quaisquer ataques normais para formar um combo, que pode ser encerrado com um especial. Outras novidades são o Guard Attack, sistema com o qual é possível cancelar um ataque do oponente (inclusive supers) com um golpe específico aplicado no momento correto; e o Deadlock, sistema no qual, se ambos os personagens se atingirem simultaneamente, serão jogados cada um para um canto da tela sem sofrer nenhum dano. Não é possível trocar de personagem durante a luta, e a Skill Stock e a Judgement Bar foram removidas, mas o Guard Breaker agora pode ser usado livremente, sem gastar barra de super.

Kof XII seria muito criticado, não somente por não trazer muitos dos personagens queridos pelos fãs - como Mai, Mary, King, Takuma, K' e Maxima - mas também por ter a aparência de um "produto incompleto". Vocês devem ter reparado, por exemplo, que em nenhum momento eu mencionei um último chefe; isso foi porque KoF XII simplesmente não tem um. Além de não ter qualquer história, o jogo não tem finais, sendo o modo para um jogador uma espécie de Time Attack, no qual você tem um tempo pré-determinado para derrotar cinco times controlados pelo computador; se conseguir, é Congratulations, se perder uma das lutas ou o tempo se esgotar, é Game Over.

A Saga dos Tesouros Sagrados se concluiria em The King of Fighters XIII, lançado em 2010 para arcades (Taito Type X2), Playstation 3, Xbox 360 e Windows (com o nome de The King of Fighters XIII: Steam Edition), com uma versão simplificada sendo lançada para iOS (com o nome de The King of Fighters-i) e Android (com o nome de The King of Fighters Android), com versões modificadas para correções de bugs e equilíbrio dos personagens sendo lançadas em 2012 para arcades (com o nome de The King of Fighters XIII: Climax) e iOS (The King of Fighters-i 2012). Após os eventos de KoF XI, Ash roubou também os poderes de Iori, e agora planeja roubar também os de Kyo. Entretanto, Those From the Past (aqui chamados, por alguma razão, de Those From the Distant Land, "aqueles da terra distante"), têm outros planos, e pretendem usar o próprio Ash para alcançar seu objetivo de libertar Orochi. Um novo torneio King of Fighters é organizado, e agora é a própria sobrevivência do planeta Terra que está em jogo.

KoF XIII conta com 31 personagens à disposição do jogador; o único novo é Hwa Jai (de Fatal Fury), sendo os demais antigos (Ash, Duolon, Shen, Elisabeth, Kyo, Benimaru, Daimon, Terry, Andy, Joe, Ryo, Robert, Takuma, Leona, Ralf, Clark, Athena, Kensou, Chin, King, Mai, Yuri, Kim, Raiden, Iori, Mature, Vice, K', Maxima e Kula). Para todos os efeitos, o último chefe é Saiki, o líder de Those From the Past, que contratou Ash para roubar os poderes dos Tesouros Sagrados, usando Mukai e Magaki como distração; após ele ser derrotado, porém, Ash rouba também seus poderes, se transformando em Dark Ash e sendo também o último chefe do jogo. As versões caseiras trazem Billy e a versão humana de Saiki (sendo sua versão demoníaca, que posa de último chefe, renomeada para True Saiki) como personagens secretos, liberados após alguns requisitos serem cumpridos, e três personagens extras, que podem ser adquiridos separadamente como Downloadable Content (DLC): EX Iori Yagami (Iori com seus poderes, já que no jogo original eles foram roubados por Ash), Kyo Kusanagi NESTS (Kyo com a roupa e os golpes de KoF 02) e Mr. Karate.

KoF XIII traz os mesmos gráficos em alta definição de KoF XII, mas sem o zoom. A jogabilidade é a mesma de KoF XI, mas sem a possibilidade de se trocar de lutador no meio da luta, e sem a Judgement Bar; além do retorno da Skill Stock, agora há também a Guard Gauge, barra que diminui conforme o personagem bloqueia golpes do oponente, e, após ela se esvaziar, enquanto está enchendo sozinha lentamente, o personagem fica incapaz de bloquear. O jogo conta ainda com os golpes Neo MAX, que gastam três níveis da barra de super; e com a possibilidade de se usar especiais e supers EX, sendo que um especial EX é uma versão mais poderosa de um especial comum, mas que gasta uma barra de super, e um super EX é uma versão ainda mais poderosa de um super, que gasta duas barras.

Após KoF XIII, a série faria uma longa parada, com nada menos que cinco anos seguidos sem o lançamento de um novo KoF. O jogo seguinte da série, The King of Fighters XIV, só seria lançado em agosto de 2016, exclusivamente para Playstation 4 - o que faria dele o primeiro jogo da série regular a não ter uma versão para arcades.

KoF XIV traz nada menos que 48 personagens à disposição do jogador, com 16 sendo novos: Sylvie Paula Paula, que ganhou poderes eletromagnéticos após sofrer experimentos nas mãos da NESTS; Kukri, que jamais revela seu rosto e tem o estranho poder de controlar a areia; Mian, garota chinesa que luta seguindo os movimentos da Ópera Tradicional de Sichuan e esconde seu rosto com uma máscara; Nelson, boxeador brasileiro que usa uma prótese robótica no lugar do braço esquerdo; Zarina, uma dançarina colombiana; Bandeiras Hattori, o primeiro ninja sul-americano da história; Gang-Il, o mestre de Kim; Luong, lutadora maligna de taekwondo com um objetivo secreto; King of Dinosaurs, luchador mexicano que usa uma roupa de dinossauro; Mui Mui, lutadora de kung fu em busca de um conjunto de joias sagradas com poderes místicos; Love Heart, uma pirata de outra dimensão que comanda um navio voador; Xanadu, criminoso que escapou de uma prisão subterrânea; Shun'ei, que tem o poder de criar ilusões; Meitenkun, lutador sonolento que está sempre segurando um travesseiro; Hein, enxadrista sádico cujos golpes têm nomes de jogadas de xadrez; e Alice, a fã número um de Terry, que tenta imitar seu estilo de luta; os antigos são Kyo, Benimaru, Daimon, Iori, Mature, Vice, Kim, Choi, Chang, Ramon, Angel, Nakoruru, Tung, K', Kula, Maxima, Leona, Ralf, Clark, Geese, Billy, Terry, Andy, Joe, Ryo, Robert, Yuri, Athena, Kensou, Chin, King e Mai. O último chefe, para todos os propósitos, é Antonov, bilionário que se autointitula "o primeiro campeão" e está organizando essa versão do torneio; o verdadeiro último chefe, porém, é Verse, mas seu propósito ainda é desconhecido.

KoF XIV, portanto, inaugura uma nova saga, que provavelmente será composta de três jogos nos quais a história se desenvolverá e uma dream match. Em que ordem eles serão lançados e quando, porém, somente o tempo dirá.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário