segunda-feira, 27 de junho de 2016

Tiro Esportivo

Já que semana passada eu falei sobre tiro com arco, hoje eu vou falar sobre tiro esportivo. Que nem é um esporte que eu curta muito, mas tem algumas peculiaridades interessantes.

Diferentemente do que ocorreu com outros esportes, as primeiras associações de tiro visavam não a prática esportiva, e sim permitir que seus membros treinassem para quando fossem usar suas armas para caçar, ou até mesmo, por mais bizarro que isso possa parecer hoje, ajudar o exército ou a polícia como voluntários. A primeira Associação Nacional de Rifle (NRA, da sigla em inglês) do mundo foi fundada no Reino Unido, em 1860, seguida da dos Estados Unidos, hoje a mais atuante no planeta, em 1871. Essas associações existem até hoje, e atualmente se dedicam a "defender os direitos dos amantes de armas", além de organizar encontros, convenções e seminários voltados para colecionadores, caçadores, ou apenas entusiastas do tiro.

Não demoraria muito, porém, para que os membros das NRAs começassem a competir entre si para determinar quem tinha a mira mais precisa. Esses torneios logo foram crescendo em popularidade, e começaram a atrair pessoas que não desejavam ser caçadores nem policiais voluntários, mas apenas testar sua perícia disparando contra um alvo. Uma dessas pessoas era o Barão Pierre de Coubertin, criador das Olimpíadas da Era Moderna, e que seria um dos maiores responsáveis pela difusão do esporte. Praticante, entusiasta e campeão francês na prova de pistola 50 metros, o Barão fez questão de incluir o tiro no programa da primeira edição das Olimpíadas, em 1896, em Atenas, Grécia, ignorando os protestos de membros do Comitê Olímpico Internacional que acreditavam que esse esporte fazia apologia à violência e não tinha nada de atlético.

A insistência do Barão faria muito bem ao tiro esportivo: não somente as provas de 1896 seriam um grande sucesso, com a presença de 39 competidores de sete países diferentes (uma proeza para a época; a natação, por exemplo, só teve 13 competidores de 4 países), como também estimularia a criação, nos anos seguintes, de diversas associações nacionais de tiro esportivo - voltadas puramente para a competição esportiva, sem as demais atribuições das NRAs. Em 1907, representantes de sete dessas associações - Argentina, Áustria, Bélgica, França, Grécia, Holanda e Itália - se reuniriam na Suíça e fundariam a União Internacional das Federações e Associações Nacionais de Tiro, que, talvez achando que esse nome era muito comprido, mudaria em 1920 para União Internacional de Tiro, e, visando enfatizar o aspecto esportivo do tiro, em 1998 mudaria novamente, para o nome que usa hoje, Federação Internacional de Tiro Esportivo (ISSF, da sigla em inglês). Hoje, a ISSF conta com 158 membros dos cinco continentes, dentre eles o Brasil, e, embora o tiro ainda sofra muito preconceito - existindo, inclusive, grupos que lutam para retirá-lo do programa das Olimpíadas - já é considerado um dos esportes mais populares do mundo.

Atualmente, a ISSF reconhece quatro modalidades do tiro esportivo: pistola, rifle (também conhecido como carabina), escopeta e alvo móvel. Cada uma dessas modalidades possui diferentes provas, com cada prova usando um tipo de arma e de alvo.

A prova mais famosa do tiro esportivo é a pistola 50 metros, que antigamente era conhecida como pistola livre, nome que ainda é usado de forma não-oficial. O "livre" do nome vem do fato de que o tamanho e peso da pistola são de livre escolha do atirador, permitindo, inclusive, uma maior personalização da pistola do que nas demais provas, com o uso de diferentes tipos de gatilho, empunhadura e até mesmo cano. A pistola 50 metros também é a prova que menos mudou ao longo dos anos, com o alvo usado tendo sido regulamentado em 1900, o tipo de munição em 1908, a distância padrão estabelecida em 1912, e a última mudança significativa nas regras tendo ocorrido em 1936. A pistola 50 metros é uma prova exclusivamente masculina.

Na pistola 50 metros é usada uma pistola especial, que dispara balas de calibre .22 fabricadas para uso em rifles. A pistola só pode dar um tiro de cada vez - com o competidor tendo de recarregar após cada tiro - e deve ter mira convencional, modelo aberto ou de ferro, não sendo permitido miras laser ou óticas. Em todas as provas de pistola, a pistola deve ser manuseada por apenas uma das mãos do atirador, com o braço esticado, e não pode usar nenhuma outra parte do corpo nem nenhum outro objeto como apoio. O alvo, que fica, evidentemente, a uma distância de 50 metros do competidor, é composto de 10 círculos concêntricos, o maior com 50 cm de diâmetro e o menor com 5 cm. O círculo maior vale 1 ponto, e cada um menor que ele vale um ponto a mais, com o menor de todos valendo 10 pontos. Os círculos de valor 7, 8, 9 e 10 são de cor preta, enquanto os demais são de cor branca. Um tiro que acerta sobre a linha que divide um círculo do outro vale sempre a maior pontuação das duas possíveis. Em todas as provas de pistola, a distância do solo ao centro do alvo é de 1,40 m, e cada alvo recebe apenas um tiro, sendo trocado por outro automaticamente após cada disparo.

Uma prova de pistola 50 metros possui duas fases. Na fase de classificação, todos os competidores têm direito a 60 tiros, disparados em seis séries de 10 tiros cada. Cada competidor pode usar quanto tempo quiser para se concentrar e mirar, mas o tempo gasto em todos os 60 tiros somados não pode exceder duas horas, ou ele será desclassificado. Depois que todos tiverem disparado os 60 tiros, os oito competidores de maior pontuação avançam para a final, na qual cada competidor tem direito a 10 tiros, em 20 minutos. A pontuação da fase de classificação e da final são somadas, e aquele que obtiver a maior pontuação total será o vencedor. Caso dois ou mais competidores estejam empatados e seja necessário um desempate para determinar quem avança à final ou quem ganha as medalhas, é feito um shoot off, com as mesmas regras da final: 10 tiros em 20 minutos, maior pontuação vence. Alguns torneios têm provas de pistola 50 metros por equipes, com cada equipe sendo composta por três competidores, e os resultados de todos os três sendo somados para se determinar a pontuação final da equipe.

Em seguida, temos a pistola 25 metros, prova masculina e feminina, antigamente conhecida como pistola desportiva, e originalmente criada, na década de 1960, para ser o equivalente feminino da pistola 50 metros. A pistola e o alvo são os mesmos usados na prova de 50 metros, mas, além do fato de o alvo ser posicionado a apenas 25 metros do local de onde o competidor atira, as regras da prova são bastante diferentes: assim como na pistola 50 metros, cada prova é composta de uma fase de classificação, na qual cada competidor deve disparar 60 tiros, e uma final, para a qual se classificam os melhores da fase de classificação. A diferença é que, na fase de classificação, os tiros são disparados em duas séries de 30 tiros cada, cada um deles subdividido em três subséries de 10 tiros cada. Na primeira série, cada competidor tem um máximo de 10 minutos para disparar cada subsérie de 10 tiros, mas, na segunda série, cada competidor tem apenas três segundos para disparar cada um dos 30 tiros - ou seja, o tempo que cada competidor tem para se concentrar e mirar é bem menor. Na final, cada competidor dispara 20 tiros, em quatro séries de 5 tiros cada, novamente com 3 segundos para disparar cada tiro. A pontuação da fase de classificação é somada à da final para se determinar o vencedor, e empates são resolvidos com um shoot off no qual cada competidor tem cinco minutos para disparar cinco tiros, com a maior pontuação vencendo. Alguns torneios têm provas de pistola 25 metros por equipes, com cada equipe sendo composta por três competidores, e os resultados de todos os três sendo somados para se determinar a pontuação final da equipe.

A terceira prova de pistola é a pistola 25 metros tiro rápido. Nessa prova, cada competidor tem um tempo pré-determinado (e bem curto) para atingir cinco alvos com cinco tiros seguidos. Os alvos são formados por 7 círculos concêntricos, o maior com 70 cm de diâmetro e o menor com 10 cm; o menor vale 10 pontos, e os demais, de dentro para fora, 9, 8, 7, 6, 5 e 4 pontos. Os alvos são totalmente de cor preta, e possuem duas "linhas-guia" na horizontal, partindo da linha que separa os círculos de 6 e 7 pontos. Os cinco alvos são posicionados um ao lado do outro, com um espaço de 5 cm entre um e outro, e possuem um sistema para garantir que os competidores não ultrapassem o tempo limite: em competições oficiais da ISSF é usado um sistema eletrônico, com uma luz vermelha e uma verde sobre cada alvo, com a luz vermelha se acendendo assim que o tempo limite se esgota, e os pontos só sendo computados se o alvo for atingido enquanto a luz verde está acesa; como esse sistema é muito caro, a maioria dos torneios usa um sistema de hastes giratórias verticais, com os alvos girando 90 graus para ficar "de frente" com os competidores quando o tempo começa a contar e retornando para a posição inicial quando o tempo se esgota. A pistola usada na prova do tiro rápido deve pesar menos de 1 Kg, ter menos de 250 mm de comprimento, cano entre 150 e 155 mm de comprimento, uma empunhadura padrão, que encaixa na mão do competidor, mira de ferro e gatilho leve. Na prova do tiro rápido, todos os competidores devem permanecer com os braços em repouso, só podendo esticá-los quando a luz verde se acende ou o alvo gira para a posição de tiro. A munição usada é a mesma das provas anteriores - calibre .22 fabricada para uso em rifles - mas, nesse caso, a pistola usa um pente com cinco balas.

A prova de tiro rápido começa com uma fase de classificação na qual cada competidor dispara 60 tiros em 12 séries de 5 tiros cada. Nas quatro primeiras séries, cada competidor tem 8 segundos para disparar todos os 5 tiros, nas quatro seguintes tem 6 segundos, e, nas quatro últimas, apenas 4 segundos. Os seis melhores passam para a segunda fase, composta de 40 tiros em 8 séries de 5 tiros cada. Em cada série, cada competidor tem 4 segundos para disparar todos os 5 tiros, e, a partir da quarta série, a cada série o competidor com pior resultado na segunda fase é eliminado, de forma que, na oitava e última série, restam apenas dois competidores, um contra o outro. Os resultados da segunda fase vão se somando a cada série, mas, diferentemente do que ocorre nas provas que vimos anteriormente, todos os competidores começam a segunda fase zerados, sem os pontos da fase de classificação. O shoot off é feito com sucessivas séries de 5 tiros em 4 segundos, até que um dos competidores empatados consiga um resultado melhor que os demais. A prova do tiro rápido é exclusivamente masculina, podendo ser disputada de forma individual ou por equipes de três competidores cada.

Uma prova parecida é a pistola padrão 25 metros, criada em 1970. As pistolas e os alvos são os mesmos da prova de pistola 25 metros, mas a competição consiste de 60 tiros em três séries de 20 tiros cada, subdivididas em 12 subséries de 5 tiros cada. Nas quatro primeiras subséries, cada competidor tem 150 segundos para disparar os cinco tiros, e pode começar com o braço em qualquer posição. Nas oito subséries seguintes, cada competidor deve começar já com o braço em posição de tiro, sendo que, nas quatro subséries intermediárias, cada competidor tem apenas 20 segundos para disparar os cinco tiros, e, nas quatro últimas subséries, apenas 10 segundos para cada 5 tiros. A prova de pistola padrão também é exclusivamente masculina, e pode ser disputada de forma individual ou por equipes de três competidores cada.

Outra prova exclusivamente masculina, que pode ser disputada de forma individual ou em equipes de três competidores cada, é a pistola 25 metros percussão central, que tira seu nome do tipo de munição usada - que possui percussão central, diferentemente das usadas nas outras provas de pistola, que possuem percussão anelar. As regras estipulam que essa munição pode ter qualquer calibre entre .30 e .38, sendo a mais popular dentre os praticantes a .32, dentre outros motivos porque vários países possuem legislação que veda a civis o porte de munições de alguns calibres nessa faixa, mas não o do .32. As regras também estipulam que, apesar do nome, podem ser usados nessa prova revólveres ou pistolas, com o revólver sendo o preferido dos competidores de alto nível. As armas usadas nessa prova, aliás, não são fabricadas especialmente para o tipo esportivo, com os competidores usando armas normais disponíveis no mercado, sendo as preferidas as das marcas Pardini, Benelli, Morini, Walther e Hämmerli.

A prova da percussão central é disputada em duas fases: na primeira, conhecida como fase de precisão, é usado o mesmo alvo da prova de pistola 50 metros (mas posicionado a 25 metros), e cada competidor dispara 30 tiros, em seis séries de cinco tiros cada, com cinco minutos para disparar os cinco tiros de cada série. Na segunda fase, conhecida como fase de tiro rápido, é usado o mesmo alvo da prova de tiro rápido (mas apenas um), e, mais uma vez, cada competidor dispara 30 tiros em seis séries de cinco, mas começando com o braço em repouso e tendo 3 segundos para levantá-lo e disparar a cada tiro - o que faz com que essa fase seja mais parecida com a segunda série da prova de pistola 25 metros do que com a prova de tiro rápido. Todos os competidores participam de ambas as fases, os pontos são somados, e aquele que tiver a maior pontuação final é o vencedor.

Finalmente, temos a pistola de ar comprimido 10 metros, prova masculina e feminina, que pode ser disputada de forma individual ou por equipes de três. Como é a prova de menor distância, a prova da pistola de ar comprimido também é a que tem o menor alvo, composto por 11 círculos concêntricos, o menorzinho tendo 1 cm de diâmetro e o maior tendo 17 cm. Os cinco círculos mais internos são de cor preta, e os demais de cor branca. O círculo maior vale 1 ponto, e cada círculo menor que ele vale um ponto a mais, até o círculo de 1,15 cm de diâmetro, que vale 10 pontos; o menorzinho, de 1 cm, também vale 10 pontos, mas, no evento de um empate, quem acertou mais vezes nesse menorzinho ganha - para que não haja a necessidade de um shoot off, somente realizado se o empate persistir. Torneios oficiais da ISSF usam alvos eletrônicos, que registram os pontos sem precisar ser trocados, outros torneios, porém, podem usar alvos tradicionais, trocados a cada tiro. A prova da pistola de ar comprimido é a única de pistola cujas regras estipulam que deve ser realizada obrigatoriamente em um recinto fechado.

As pistolas da prova de ar comprimido são fabricadas especialmente para este fim, e usam uma munição de calibre .177 de formato parecido com um peão de um jogo de xadrez, disparando apenas um tiro de cada vez antes de o competidor precisar recarregar. Pistolas de ar comprimido quase não possuem coice ou produzem qualquer vibração, e, assim como as da prova de pistola 50 metros, podem ser personalizadas, desde que tenham peso máximo de 1,5 Kg e pressão mínima no gatilho de 500 g. A mira deve ser aberta, mas os competidores podem usar auxílios à mira parecidos com óculos e monóculos, sendo vedados auxílios montados na pistola.

A prova da pistola de ar comprimido começa com a fase de classificação, na qual, no masculino, cada competidor dispara 60 tiros, em 6 séries de 10 tiros cada, e, no feminino, cada competidora dispara 40 tiros, em 4 séries de 10 tiros cada. Em provas que usem alvos eletrônicos, o limite de tempo no masculino é de 75 minutos para disparar todos os 60 tiros, e no feminino é de 50 minutos para todos os 40 tiros; em provas que usem alvos tradicionais, o limite no masculino é de 90 minutos, e no feminino é de 60 minutos. Os oito melhores da fase de classificação se classificam para a final, na qual são disparados 10 tiros em 15 minutos. Os pontos da fase de classificação e da final são somados, e o vencedor é aquele com a maior pontuação final. O shoot off, se necessário, segue as mesmas regras da final.

Vamos passar agora para as provas de rifle (ou carabina), começando pelo rifle deitado 50 metros. Quem fica deitado, evidentemente, não é o rifle, e sim o competidor, que deve se posicionar de bruços na área de tiro; devido a essa posição, o centro do alvo fica a apenas 75 cm do solo. O alvo possui 15,44 cm de diâmetro, sendo composto por 11 círculos concêntricos, numerados de fora para dentro do 1 ao 10 - o círculo menor de todos, com apenas 0,75 cm de diâmetro, também vale 10 pontos, sendo usado na pontuação apenas como desempate; o círculo que vale 10 pontos tem 1,04 cm de diâmetro. Apenas os círculos de valor 1, 2 e 3 são de cor branca, com os demais sendo de cor preta. O rifle usado, conhecido como rifle longo, que usa munição calibre .22, não é específico para essa prova, podendo ser encontrado no mercado para uso, por exemplo, em caçadas. O rifle deve disparar apenas um tiro antes de precisar ser recarregado novamente, e tem peso máximo de 8 Kg no masculino e 6,5 Kg no feminino. A prova do rifle deitado 50 metros pode ser disputada no masculino ou no feminino, de forma individual ou em equipes de três atletas cada.

A prova do rifle deitado 50 metros começa com uma fase de preparação, de 15 minutos, na qual os competidores podem disparar livremente, para se habituar com o local de competição e a distância até o alvo. Em seguida, vem a fase de classificação, composta de 60 tiros, disparados em 6 séries de 10 tiros cada, com tempo limite de 60 minutos para o competidor disparar todos os 60. Nas provas femininas, o melhor resultado é o vencedor, com desempates sendo feitos através do número de tiros no círculo menorzinho, com o shoot off, composto de mais uma série de 10 tiros em 10 minutos, sendo usado caso o empate persista. Já nas provas masculinas, os tiros no círculo menorzinho não são usados para desempate, sendo usado diretamente o shoot off, e os oito melhores da fase de classificação avançam para a final, na qual dispararão mais 10 tiros, com tempo limite de 10 minutos. A pontuação da fase de classificação e da final são somadas, e o competidor de melhor pontuação total será o vencedor.

A prova mais famosa do rifle é a do rifle três posições 50 metros, na qual o competidor deve disparar um terço de seus tiros da posição ajoelhado (com um dos joelhos tocando o chão e o outro apontando para o alvo, de modo que a sola do pé também toque o chão), um terço da posição deitado e um terço da posição de pé, nessa ordem. Em todas as três posições, a forma correta de segurar o rifle é a mesma de todas as provas de rifle, com a parte posterior da arma encaixada no ombro do braço cuja mão vai apertar o gatilho, e o outro braço sendo usado como apoio, com a outra mão segurando o rifle próximo ao cano. O rifle e o alvo usados são os mesmos da prova do rifle deitado 50 metros, mas, evidentemente, apenas na posição deitado seu centro está a 75 cm do solo, estando a 1,40 m do solo na posição de pé e a 1,07 m do solo na posição ajoelhado. A prova do rifle três posições 50 metros também pode ser disputada no masculino ou no feminino, de forma individual ou em equipes de três atletas cada.

Como de costume, a prova começa com uma fase de classificação, na qual são disparados 120 tiros no masculino, com tempo limite de 2 horas e 45 minutos, ou 60 no feminino, com tempo limite de 1 hora e 45 minutos, sempre em séries de 10 tiros cada. No masculino, os 40 primeiros tiros são disparados da posição ajoelhado, os 40 seguintes da deitado e os 40 últimos da de pé; no feminino, os 20 primeiros são disparados da posição ajoelhado, os 20 seguintes da deitado e os 20 últimos da de pé. O shoot off é feito com dez tiros da posição de pé, com tempo limite de 10 minutos. Após a fase de classificação os oito melhores avançam à final, na qual são disparados 45 tiros, em séries de 5 tiros cada, com tempo limite de 1 hora; os 15 primeiros tiros são disparados da posição ajoelhado, os 15 seguintes da deitado, e os 15 últimos da de pé. Todos os competidores começam a segunda fase com a pontuação zerada, e, nos seis últimos tiros, a cada tiro o competidor com a pior pontuação é eliminado, até que só sobrem dois para o último tiro. Na segunda fase, o shoot off é feito com um único tiro de cada vez, da posição de pé, até que seja quebrado o empate. É importante acrescentar que, antes do início tanto da fase de classificação quanto da segunda fase, há uma fase de de preparação de 8 minutos, com uma nova fase de preparação, de 7 minutos, entre a última série ajoelhado e a primeira deitado, e mais uma, de 9 minutos, entre a última série deitado e a primeira de pé - com o tempo que o atleta leva para passar de uma posição à outra contando para esse limite.

Essas duas provas possuem dois equivalentes mais difíceis, as provas do rifle três posições 300 metros e do rifle deitado 300 metros. As regras são exatamente as mesmas das provas mais curtas, sendo as únicas diferenças a distância dos competidores até o alvo e as regras para a final da prova do rifle três posições 300 metros, na qual cada competidor dispara 10 tiros da posição de pé, com tempo limite de 10 minutos, e a pontuação da fase de classificação sendo somada à da final para determinar o vencedor. Ambas as provas podem ser disputadas no masculino ou no feminino, de forma individual ou em equipes de três atletas cada.

A mais antiga prova de tiro ainda disputada hoje é a do rifle padrão 300 metros, que, quando foi criada, usava rifles de uso exclusivo das forças armadas, mas, por motivos óbvios, desde 1947 usa os mesmos rifles das demais provas que vimos até agora. As regras do rifle padrão são absolutamente as mesmas da prova do rifle três posições 300 metros, com as diferenças de que a prova do rifle padrão é exclusivamente masculina (sendo disputada de forma individual ou por equipes de três); nela são disparados apenas 60 tiros, com os 20 primeiros da posição ajoelhado, os 20 seguintes da deitado e os 20 últimos da de pé, e tempo limite de 1 hora e 30 minutos; e não há final, com o melhor resultado da fase de classificação sendo o vencedor.

Finalmente, temos o rifle de ar comprimido 10 metros. Ao contrário do que possa parecer, essa prova é bem diferente da prova da pistola, sendo as únicas semelhanças a munição usada, a obrigatoriedade de ser realizada em recinto fechado, e a distância do competidor até o alvo. Os rifles de ar comprimido são fabricados especialmente para a prova, e podem ser personalizados pelos competidores, desde que tenham mira aberta e pesem no máximo 5,5 Kg. O alvo possui 4,55 cm de diâmetro, sendo composto por dez círculos concêntricos, com o menor, que vale 10 pontos, tendo apenas 0,05 cm de diâmetro; apenas os círculos de valor 1, 2 e 3 são brancos, sendo os demais pretos. Assim como na pistola, pode ser usado um sistema de alvos eletrônicos ou um que usa alvos tradicionais. Todos os competidores atiram da posição de pé, com o centro do alvo estando a 1,40 m do solo. A prova do rifle de ar comprimido pode ser disputada no masculino ou no feminino, de forma individual ou em equipes de três atletas cada.

A prova do rifle de ar comprimido começa com a fase de classificação, na qual são disparados 60 tiros em 105 minutos, no masculino, ou 40 tiros em 75 minutos, no feminino; em ambos os casos, os tiros são disparados em séries de 10 - 6 séries para os homens, 4 séries para as mulheres. Os oito melhores da fase de classificação passam para a segunda fase, que começa com duas séries de três tiros cada, com cada competidor tendo 150 segundos para disparar cada tiro. A partir de então, 14 tiros (para um total de 20 na segunda fase) são disparados um a um, com cada competidor somente podendo atirar após o árbitro da prova autorizar através de um comando vocal, a partir do qual o competidor tem 50 segundos para disparar. A partir do segundo dos 14 tiros, o competidor com a pior pontuação é eliminado a cada dois tiros, até que só restem dois competidores para os dois tiros finais. Todos os competidores começam a segunda fase com o placar zerado, sem levar em conta os resultados da fase de classificação. Se, a qualquer momento, for necessário um shoot off, os competidores empatados disparam um único tiro de cada vez, até que seja quebrado o empate.

Passemos agora para as provas de escopeta, que têm nomes curiosos. A principal delas, por exemplo, se chama fossa. Nessa prova, os competidores atiram contra discos feitos de argila, com 4,64 cm de diâmetro e 2,54 cm de altura cada, lançados por máquinas chamadas estações. Cada estação lança 25 discos para cada competidor, sempre dez para o lado direito, dez para o lado esquerdo e cinco diretamente para a frente, de forma alternada e aleatória, e sempre em ângulo de 60 graus para cima. Cada disco é lançado a 75 Km/h, e viaja cerca de 75 m antes de cair no chão, devendo ser atingido enquanto ainda está no ar. A distância média do competidor até o disco que está tentando acertar é de 20 metros. Para que não haja dúvidas se o tiro foi certeiro ou não, os discos são recheados com um pó branco ou de cor fluorescente, que, quando o disco é atingido, forma uma pequena nuvem rapidamente dissipada. A escopeta usada pelos competidores é fabricada especialmente para as provas de tiro, mas pelos mesmos fabricantes de escopetas encontradas no mercado, como Browning, Perazzi, Krieghoff e Beretta; sua diferença em relação às escopetas convencionais é que elas possuem um cano mais longo, com furos e ranhuras que permitem que o tiro alcance maior distância, e um mecanismo no cabo que permite ao competidor ajustar o tiro para diferentes ângulos e alturas. As escopetas possuem cano duplo, mas têm um sistema que permite que os atletas disparem um tiro de cada vez. A munição usada é calibre 12, e, após disparar os dois tiros, a escopeta deve ser recarregada; devido à natureza da prova e ao tamanho dos cartuchos, os competidores devem usar coletes com bolsos especiais para carregar a munição que será usada ao longo da prova, e descartam os cartuchos vazios em um cesto posicionado ao lado da posição de tiro. Todas as provas de escopeta da ISSF podem ser disputadas no masculino ou no feminino, de forma individual ou em equipes de três atletas cada.

Existem vários conjuntos de regras diferentes para a prova da fossa, adotados por diversas entidades nacionais, como a fossa americana, a mais praticada nos Estados Unidos, ou a chamada DTL, a mais praticada no Reino Unido e na África do Sul. As regras oficiais da ISSF, que são as que mencionarei aqui, são conhecidas como fossa olímpica, porque são as adotadas nas Olimpíadas. No masculino, são usadas cinco estações de cada vez, e os atletas competem em grupos de seis. No início da prova, um competidor se posiciona na linha de tiro correspondente a cada estação, enquanto o sexto se posiciona próximo ao competidor da estação número 1. As estações lançarão os discos na ordem numérica, sendo cada lançamento precedido por um sinal sonoro; o competidor posicionado na estação 1, portanto, atira primeiro, seguido daquele na estação 2, e assim sucessivamente. Após todos os cinco terem atirado, o competidor que estava na estação 1 se dirige à estação 2, o da 2 para a 3, e assim por diante, com o sexto competidor, que estava esperando, se posicionando na estação 1, e o que estava na estação 5 se posicionando na posição de espera. O feminino segue o mesmo esquema, mas usando apenas três estações e quatro competidoras de cada vez. Em relação à recarga das armas, cada competidor deve abrir a arma após o tiro, remover o cartucho vazio e se mover até a próxima estação com a arma aberta, somente podendo completar a recarga quando já estiver na linha de tiro da estação seguinte - o competidor que está na última estação, portanto, deve fazer todo o trajeto até a posição de espera com a arma aberta, e só pode concluir a recarga quando estiver posicionado na estação 1.

A prova da fossa começa com uma fase de preparação de 10 minutos, na qual os competidores podem disparar livremente, para se habituar com o local de competição e a distância até o alvo, podendo pedir, inclusive, que seja lançado um disco por competidor para um "tiro de teste". Em seguida, vem a fase de classificação, na qual cada competidor pode disparar dois tiros por disco; acerto, seja no primeiro ou no segundo tiro, vale um ponto, enquanto o erro não vale nada. No masculino, na fase de classificação cada competidor dispara contra 125 discos (25 discos em cada uma das cinco estações), enquanto no feminino são 75 discos para cada competidora (25 discos em cada uma das três estações). O shoot off é feito com os empatados disparando contra um único disco de cada vez, até que seja quebrado o empate. Ao fim da fase de classificação, os seis melhores passam para a final, na qual cada competidor só pode disparar um tiro por disco, e disparará contra 25 discos, cinco de cada estação - inclusive no feminino, que, na final, usa todas as cinco estações, para que as seis finalistas possam competir simultaneamente. A pontuação da fase de classificação e da final são somadas, e aquele com a maior pontuação final será o vencedor.

A segunda prova é bem parecida com a da fossa, e se chama fossa dublê. As regras são as mesmas, com a diferença de que cada estação lança dois discos de cada vez, em direções diferentes, e intervalo de um segundo entre eles, com cada competidor só tendo direito a um tiro por disco. Tanto no masculino quanto no feminino, na fase de classificação, são lançados 150 discos no total, 50 por cada uma das três estações usadas, enquanto na final são 50 discos, 10 por cada uma das cinco estações usadas.

A terceira e última prova de escopeta é o skeet. Nessa prova, são usadas oito estações, que lançam um total de 25 discos por série - algumas lançam um disco sozinho e então uma dupla, algumas lançam um sozinho e então outro sozinho, algumas lançam uma dupla e então outra dupla, e a estação 7 lança apenas uma dupla. Assim como na fossa dublê, discos lançados em dupla têm intervalo de 1 segundo entre eles, mas, no skeet, o disco da dupla lançado primeiro deve sempre ser atingido primeiro, ou o tiro será computado como erro. Além disso, no skeet, cada lançamento só é feito após o competidor autorizar, com o lançamento ocorrendo em um tempo aleatório de 0 a 3 segundos após a autorização, e o competidor deve permanecer com a arma em repouso até o momento em que o disco for disparado, ou o tiro será computado como erro. No masculino, a fase de classificação consiste de cinco séries, para um total de 125 tiros por competidor, enquanto no feminino ela consiste de três séries, para um total de 75 tiros por competidora. Na final, tanto no masculino quanto no feminino, é usada uma única série de 25 discos. O shoot off é feito com os empatados disparando contra os lançamentos de uma estação de cada vez (começando da 1), até que seja quebrado o empate.

O skeet foi responsável por uma das maiores controvérsias da história do tiro esportivo: até 1992, a prova era mista, ou seja, homens e mulheres competiam juntos. Em 1993, a ISSF decidiu que passaria a realizar provas separadas para homens e mulheres, mas, nas Olimpíadas de 1996, incluiu apenas a prova masculina - ficando a controvérsia por conta do fato de que a medalha de ouro da prova mista de skeet das Olimpíadas de 1992 foi conquistada por uma mulher, a chinesa Zhang Shan. A prova feminina estrearia nas Olimpíadas em 2000, mas o episódio é até hoje lembrado com acusações de sexismo voltadas aos diretores da ISSF.

Para terminar, temos as provas de alvo móvel, começando pela de alvo móvel 10 metros. Disputada obrigatoriamente em recinto fechado, essa prova usa a mesma arma da prova do rifle de ar comprimido 10 metros, mas com um alvo posicionado dentro de uma "janela" retangular, de 16 cm de altura por 2 metros de largura. O alvo, idêntico ao da prova do rifle de ar comprimido 10 metros, mas com uma moldura retangular de cor amarela, é preso a um sistema de correias, surge sem ser anunciado em um dos lados dessa janela, escolhido aleatoriamente, e se move de forma contínua até o outro, voltando a desaparecer, e devendo ser atingido, evidentemente, enquanto está visível. No masculino, são disparados 60 tiros em um tempo limite de 105 minutos, enquanto no feminino são disparados 40 tiros em um tempo limite de 75 minutos. Ao final de todos os tiros, aquele que tiver a maior pontuação é o vencedor, com o shoot off sendo disputado em um único tiro de cada vez, até que seja quebrado o empate. Todos os tiros são disparados da posição de pé.

O alvo pode ser mover em duas velocidades diferentes, chamadas informalmente de "lenta" e "rápida". Na velocidade lenta, o alvo leva 5 segundos para percorrer toda a janela, enquanto na velocidade rápida ele leva 2,5 segundos. Na prova de alvo móvel 10 metros masculina, os 30 primeiros tiros são disparados contra o alvo em velocidade lenta, e os 30 últimos em velocidade rápida; na feminina, os 20 primeiros tiros são em velocidade lenta, e os 20 últimos em velocidade rápida. Na segunda prova do alvo móvel, a alvo móvel 10 metros aleatório, as passagens em velocidade lenta e em velocidade rápida são alternadas aleatoriamente, de forma que o competidor não sabe com antecedência se o alvo surgirá em velocidade lenta ou rápida. Tirando isso, todas as regras são idênticas às de alvo móvel 10 metros.

As duas últimas provas são a alvo móvel 50 metros e a alvo móvel 50 metros aleatório. As regras são mais uma vez as mesmas da prova de alvo móvel 10 metros, com as diferenças de que são usados o mesmo rifle e o mesmo alvo da prova de rifle três posições 50 metros (mas com todos os tiros sendo disparados da posição de pé), o alvo está posicionado a 50 metros de distância, e, como a prova é disputada em um ambiente aberto, não há janela, com o alvo correndo sobre um trilho. A distância total que o alvo percorre no trilho, do momento em que surge até aquele em que desaparece, é de 10 metros, mas, mesmo assim, ele leva 5 segundos para percorrê-la em velocidade lenta e 2,5 segundos para percorrê-la em velocidade rápida. Originalmente, o nome desta prova era tiro ao javali, e ela visava simular uma caçada a um javali; por causa disso, o alvo possui, em sua moldura, que é de cor branca, o desenho de um javali, com o alvo estando bem no meio do corpo do animal. Assim como nas provas de alvo móvel 10 metros, na prova de alvo móvel 50 metros a primeira metade dos tiros é disparada contra o alvo em velocidade lenta e a segunda metade em velocidade rápida, enquanto na prova de alvo móvel 50 metros aleatório a velocidade é escolhida aleatoriamente a cada tiro. Todas as quatro provas de alvo móvel podem ser disputadas no masculino ou no feminino, de forma individual ou em equipes de três atletas cada.

O tiro, como já foi dito, faz parte do programa das Olimpíadas desde a primeira edição, em 1896, e, de lá pra cá, só ficou de fora de duas, em 1904, em St. Louis, Estados Unidos, e 1928, em Amsterdã, Holanda. As provas que constam do programa olímpico são constantemente alteradas pela ISSF, levando em conta fatores como a popularidade junto ao público e a facilidade para organizar a prova - as provas de rifle 300 metros, por exemplo, foram removidas porque nem todas as cidades possuem estandes de tiro de nível olímpico permanentes, e é mais fácil montar um local provisório com 50 metros de extensão do que com 300. Também pode ocorrer de uma prova ser retirada das Olimpíadas porque a ISSF deixou de organizá-la em âmbito internacional, como foi o caso da prova de pistola 30 metros - ao longo dos anos, 45 provas já saíram da lista de "oficiais" da ISSF, ainda podendo ser encontradas em campeonatos regionais e nacionais, mas não mais em competições organizadas pela entidade. Atualmente, fazem parte do programa olímpico 15 provas, todas individuais: pistola 50 metros masculina, pistola 25 metros feminina, pistola 25 metros tiro rápido masculina, pistola de ar comprimido 10 metros masculina, pistola de ar comprimido 10 metros feminina, rifle deitado 50 metros masculina, rifle três posições 50 metros masculina, rifle três posições 50 metros feminina, rifle de ar comprimido 10 metros masculina, rifle de ar comprimido 10 metros feminina, fossa masculina, fossa feminina, fossa dublê masculina, skeet masculino e skeet feminino. Vale citar que o tiro foi responsável pelas três primeiras medalhas do Brasil nas Olimpíadas, em Antuérpia, Bélgica, 1920: ouro para Guilherme Paraense na prova de pistola militar 30 metros, prata para Afrânio da Costa na prova de pistola 50 metros, e bronze para a equipe brasileira (composta por Guilherme Paraense, Afrânio da Costa, Dario Barbosa, Fernando Soledade e Sebastão Wolf) na prova de pistola 50 metros por equipes. Também é digno de nota que, por uma questão de tradição, a primeira Medalha de Ouro de cada Olimpíada sempre sai de uma das provas do tiro.

O tiro também possui seu campeonato mundial, chamado Campeonato Mundial de Tiro da ISSF, realizado pela primeira vez em 1897 - dez anos, portanto, antes da fundação da própria ISSF, que, mesmo assim, reconhece como edições oficiais do campeonato aquelas realizadas entre 1897 e 1907. O Mundial foi anual de 1897 a 1931 (não tendo sido realizado, porém, entre 1915 e 1918 por causa da Primeira Guerra Mundial, nem em 1919, 1920 e 1926, por falta de verba), então a cada dois anos até 1949 (não tendo sido realizado entre 1940 e 1946 por causa da Segunda Guerra Mundial), então em 1952, e, desde 1954, a cada quatro anos, sempre de forma intercalada com as Olimpíadas (ou seja, sempre no mesmo ano da Copa do Mundo de Futebol).

Embora atualmente o Mundial tenha provas das quatro modalidades, no início não era bem assim, com as primeiras edições tendo apenas provas de rifle, tendo as de alvo móvel sido incluídas em 1929, as de pistola em 1933, e as de escopeta apenas em 1947. Isso levaria a ISSF a criar, em 1934, o Campeonato Mundial de Escopeta, já que, na época, a modalidade era extremamente popular, então fazia sentido um Mundial só para ela. O Mundial de Escopeta foi realizado pela primeira vez em 1934, então em 1938, parou para a Segunda Guerra Mundial, voltou em 1950, 1959, 1961 e é realizado a cada dois anos desde 1965. Outro mundial de uma modalidade em separado é o Campeonato Mundial de Alvo Móvel, realizado pela primeira vez em 1969, então em 1979, 1981, 2008 e 2012 - sendo que, entre 1961 e 1983, algumas edições do Mundial de Escopeta tiveram também provas de alvo móvel. Como já não existem provas de alvo móvel nas Olimpíadas, a intenção da ISSF é realizar o Mundial de Alvo Móvel a cada quatro anos, sempre no mesmo ano das Olimpíadas, estado o próximo previsto para este ano. Finalmente, entre 1979 e 1991 a ISSF realizou, a cada dois anos, o Campeonato Mundial de Ar Comprimido, somente com provas de pistola e rifle de ar comprimido e de alvo móvel 10 metros.

Além das Olimpíadas e dos Mundiais, existe a Copa do Mundo de Tiro da ISSF - ou melhor, as Copas do Mundo, já que as competições de pistola e rifle são disputadas em uma sede, as de escopeta em outra, e as de alvo móvel em uma terceira diferente. As Copas do Mundo são realizadas anualmente desde 1986, e contam com quatro etapas realizadas em diferentes cidades-sede e uma final, em uma quinta cidade-sede diferente, com a posição que cada competidor obteve em cada estapa sendo convertida em pontos para se determinar os oito finalistas. Em ano de Olimpíada, uma das etapas é sempre realizada na mesma sede desta, e serve como evento-teste.

Para terminar de vez, falta falar sobre o tiro paralímpico, que é regulado não pela ISSF, mas pelo próprio Comitê Paralímpico Internacional (IPC), que, apesar disso, segue exatamente as regras da ISSF - ou seja, toda vez que há uma alteração nas regras do tiro, a mesma alteração ocorre na prova equivalente do tiro paralímpico (a menos evidentemente, que isso vá impossibilitar a participação de algum paratleta). Assim como nos demais esportes paralímpicos, os atletas do tiro são divididos em três classes, de acordo com sua deficiência, para que todos possam competir em igualdade de condições. No tiro paralímpico são usadas três classes: na SH1 competem todos os atletas, independentemente de sua deficiência (exceto os deficientes visuais), que consigam suportar o peso da própria arma, ou seja, que consigam atirar sem qualquer apoio, justamente como os atletas do tiro não-paralímpico; já na SH2 competem aqueles que não conseguem suportar o peso da própria arma, e necessitam da ajuda de um apoio de tiro, uma espécie de tripé na qual é apoiado o cano do rifle; finalmente, a SH3 é reservada aos deficientes visuais, cujas armas possuem um sistema de mira a laser que emite um sinal sonoro, na forma de bips contínuos, sendo que, quanto mais apontada para o centro do alvo a arma está, menor é o intervalo entre os bips. As provas do tiro paralímpico são disputadas sempre de forma individual, no masculino, no feminino, ou no misto, ou seja, com homens e mulheres competindo juntos na mesma prova.

Atualmente, o IPC reconhece oito provas diferentes do tiro paralímpico, sendo quatro de pistola e quatro de rifle: pistola de ar comprimido 10 metros, pistola 25 metros, pistola 50 metros, pistola de ar comprimido padrão 10 metros, rifle de ar comprimido 10 metros, rifle de ar comprimido deitado 10 metros, rifle deitado 50 metros e rifle três posições 50 metros. As provas de pistola usam as mesmas regras de suas equivalentes do tiro não-paralímpico, sendo a única diferente a prova de pistola de ar comprimido padrão 10 metros, que segue as mesmas regras da prova de pistola padrão 25 metros do tiro não-paralímpico, mas usando o mesmo local de competição e os mesmos alvos da prova de pistola de ar comprimido 10 metros; a pistola dessa prova, entretanto, devido à natureza da mesma, pode disparar até cinco tiros antes que o competidor precise recarregá-la.

As provas paralímpicas de rifle de ar comprimido seguem as mesmas regras da prova não-paralímpica do rifle de ar comprimido 10 metros, com a diferença evidente de que, na prova do rifle de ar comprimido deitado 10 metros, os atletas competem na posição deitado, e não na de pé. É importante dizer que, no tiro paralímpico, apenas atletas que conseguem assumir a posição deitado e retornar para a posição de pé sozinhos competem realmente deitados de bruços no chão; aqueles que não forem capazes, ou que se sintam desconfortáveis mudando de posição, como os paraplégicos e alguns amputados, competem sentados, usando um equipamento chamado "mesa de tiro", na qual apoiarão os braços como se estivessem realmente deitados. Para esses atletas, o alvo estará na altura "normal" (1,40 m), enquanto, para os que estiverem deitados no chão, o centro do alvo estará a 75 cm do solo. As provas de rifle deitado 50 metros e de rifle três posições 50 metros também seguem as mesmas regras de suas equivalentes não-paralímpicas, sendo que, para a posição deitado, valem as mesmas regras da prova de rifle de ar comprimido deitado 10 metros, e, para a posição de pé, atletas que não consigam ficar de pé, como cadeirantes, disparam sentados, de frente para o alvo. Além disso, ao invés da posição ajoelhado, é usada a posição sentado, na qual todos os atletas competem sentados, mas "de lado" em relação ao alvo - com o tronco virado para o alvo mas os joelhos em ângulo de 90 graus com uma linha imaginária traçada da linha de tiro até o mesmo.

O tiro paralímpico faz parte do programa das Paralimpíadas desde a edição de 1976, em Toronto, no Canadá. Atualmente, fazem parte do programa paralímpico 12 provas: pistola de ar comprimido 10 metros SH1 masculina, pistola de ar comprimido 10 metros SH1 feminina, pistola 25 metros SH1 mista, pistola 50 metros SH1 mista, rifle de ar comprimido 10 metros SH1 masculina, rifle de ar comprimido 10 metros SH1 feminina, rifle de ar comprimido 10 metros SH2 mista, rifle de ar comprimido deitado 10 metros SH1 mista, rifle de ar comprimido deitado 10 metros SH2 mista, rifle três posições 50 metros SH1 masculina, rifle três posições 50 metros SH1 feminina, e rifle deitado 50 metros SH1 mista. O tiro paralímpico também possui um campeonato mundial, chamado Copa do Mundo de Tiro do IPC, realizado anualmente desde 1978.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário