quarta-feira, 27 de maio de 2009

The Rentals

Hoje é dia de fechar a série de cinco posts dedicados a "completar" o meu Perfil, através de temas sorteados que, se não o fossem, provavelmente jamais veriam a luz do Sol. Como eu disse aqui há duas semanas, sorteios costumam pregar peças na gente. Se eu tivesse escolhido os temas, provavelmente teria escolhido cinco categorias diferentes, tipo uma banda, um game, um anime, um jogo de tabuleiro e um desenho animado. Como foi sorteio, acabaram saindo, além de dois games, também duas bandas. Para fechar a tampa, portanto, teremos um post sobre os Rentals!

Aliás, cabe aqui um parêntese: a única pessoa que se dispôs a arriscar um palpite sobre o post seguinte da série acabou acertando. Parcialmente, é verdade, já que acertou o assunto, mas não o dia.

Eu conheci os Rentals em 1997, através do programa Lado B da Mtv, dedicado a bandas consideradas "alternativas" - e onde também conheci o Curve, o Placebo, o Superchunk e várias outras. Pode-se dizer que foi um caso de amor à primeira vista: assim que vi o clipe, senti vontade de comprar o CD. Talvez a música tivesse uma mensagem subliminar, como no filme da Josie e as Gatinahs.

Ou talvez não. A música, Friends of P, era legalzinha, e o clipe bastante criativo: filmado em preto-e-branco, com nada mais que os integrantes da banda em um fundo branco e... legendas da música em russo. Com alfabeto cirílico e tudo. Na época, como um dólar custava um real, e não havia imposto de importação sobre CDs, eu comprava muito na CDNow (que depois acabou absorvida pela Amazon), e sempre estava em busca de novidades, principalmente porque, para até 3 CDs, o frete era o mesmo, então eu usava essas novidades para completar a trinca. Um disco dos Rentals, portanto, era justamente o que eu estava procurando.

Ao adquiri-lo, acabei descobrindo que as demais músicas também eram bem legais, o que me motivou a comprar também seu segundo álbum em uma ocasião seguinte - este, porém, já seria comprado em uma loja nacional, já que a farra dos CDs importados já havia acabado quando ele foi lançado. Ainda hoje, o primeiro CD dos Rentals é figurinha fácil na minha lista de mais ouvidos, o que lhes garante um lugar cativo na minha lista de preferidos.



Os Rentals surgiram como um projeto paralelo de Matt Sharp, baixista e co-fundador da banda Weezer. Após estourar com o Weezer em 1994, Sharp decidiu juntar alguns amigos músicos para gravar canções em um estilo mais pop, diferente do que fazia com sua banda original, inicialmente por brincadeira. Mas aos poucos Sharp e os outros foram vendo que tinham um ótimo material em mãos, e decidiram fazer um negócio sério, batizando o projeto de The Rentals, algo como "os alugados", já que praticamente todos vinham de outras bandas: a primeira formação dos Rentals contava com Sharp nos vocais e baixo; o bateirista do Weezer, Pat Wilson; a violinista do That Dog, Petra Haden (que tem duas irmãs trigêmeas, a violoncelista Tanya e a baixista Rachel); a vocalista do Supersport 2000, Cherielynn Westrich; e mais o guitarrista Rod Cervera e o tecladista Tom Grimley.

Juntos, os seis gravaram umas dez canções, e conseguiram reuni-las em um álbum lançado em 1995 pela Maverick Records, chamado Return of the Rentals ("a volta dos Rentals", embora eles não tivessem ido a lugar nenhum). Graças ao prestígio de Sharp, já que o Weezer andava rendendo boa audiência à Mtv, o canal de música decidiu incluir o primeiro e até então único clipe da banda, Friends of P, gravado em apenas uma tarde, quase sem equipamento, e ao custo de apenas mil dólares, em sua programação. Rapidamente a música se tornou um sucesso, alavancando as vendas do álbum, que chegou ao sétimo lugar da parada de rock da Billboard, e ao 92o lugar do Top 100 norte-americano. Em pouco tempo, os Rentals se tornariam conhecidos pela sua mescla de guitarras e sintetizadores, e de vocais masculinos e femininos, algo que se tornaria uma espécie de marca registrada da banda.

Friends of P fez um sucesso imenso na Mtv, que decidiu incluir uma música dos Rentals no filme que estava produzindo naquele ano, Joe e as Baratas. A escolhida foi Waiting, considerada mais "dançante" que Friends of P. Curiosamente, os próprios Rentals já haviam escolhido esta música como sua próxima faixa de trabalho, e já haviam até gravado um clipe para ela, que acabou mesclado com várias cenas do filme. Talvez por causa disso, já que baratas não costumam ser os animais mais populares do mundo, Waiting não fez tanto sucesso quanto sua antecessora, tocando pouco nas rádios e passando pouco na Mtv.

Como não pretendia trocar o Weezer pelos Rentals de vez, Sharp dissolveu a banda no início de 1996, para poder gravar o segundo álbum do Weezer, Pinkerton, e participar da turnê subsequente. Mas, assim que pôde, em 1997, Sharp ressucitou os Rentals, que também saíram em turnê, abrindo shows para Alanis Morissette, Garbage, Blur e Red Hot Chili Peppers, com Mike Fletcher assumindo o lugar de Wilson na bateria, e Maya Rudolph substituindo Grimley nos teclados.

Incapaz de coinciliar as duas bandas, Sharp saiu do Weezer de vez em 1998, e começou a trabalhar no segundo álbum dos Rentals, Seven More Minutes, que seria lançado em 1999, mais uma vez pela Maverick. Para Seven More Minutes, a banda tinha uma nova formação, com Sharp, Haden, Cervera, o baterista Kevin March e o tecladista Jim Richards. Várias faixas também contaram com participações especiais de outros músicos, como Maya Rudolph, Donna Matthews (do Elastica), Miki Berenyi (do Lush), Tim Wheeler (do Ash) e Damon Albarn.

Seven More Minutes não fez tanto sucesso quanto Return of The Rentals, principalmente porque a Maverick, descontente com algumas decisões de Sharp quanto à mixagem das músicas, não fez muito esforço para promover o lançamento. Ainda assim, os Rentals seguiam firmes e fortes em sua turnê, até ir tocar no Japão, no final de 2000. Nessa ocasião, o ex-guitarrista do Elevator Drops, Josh Hager, substituiu Cervera, e Sharp optou por shows com duas partes, uma totalmente acústica e outra totalmente elétrica. Essa turnê acabaria dando origem a um álbum duplo ao vivo, Live in Japan.

Ao retornar da turnê, Hager convenceu Sharp a gravar um novo álbum totalmente acústico, no estilo das apresentações no Japão. Os dois e mais o ex-guitarrista do Cake, Greg Brown, fizeram vários shows acústicos entre 2002 e 2005, período no qual os Rentals ficaram em suspenso, e o projeto do álbum acústico era desenvolvido.

Em 2005, para comemorar os dez anos do lançamento do primeiro álbum dos Rentals, Sharp decidiu ressucitar mais uma vez a banda, desta vez com uma formação, que, além dele nos vocais, contava com Rachel Haden nos vocais e baixo, Sara Radle nos vocais e teclados, Ben Pringle no sintetizador e trombone, Lauren Chipman e Ryen Slegr nas guitarras, e Dan Joeright na bateria. Essa nova formação saiu em turnê junto com a banda Ozma, de Slegr, em 2006.

No ano seguinte, os Rentals lançariam seu primeiro material inédito em oito anos, um EP de quatro faixas lançado pela gravadora Boompa, chamado Last Little Life. Para comemorar o lamnçamento, eles saíram em uma nova turnê, desta vez acompanhados das bandas Copeland e Goldenboy. Ao fim desta turnê, em 2008, Radle deixou a banda para se concentrar em um novo projeto, chamado Calamity Magnet. Pouco tempo depois, os Rentals lançaram mais uma faixa inédita, Colorado, que podia ser ouvida de graça no site da banda.

Colorado foi a preparação para o mais novo projeto da banda, anunciado por Sharp no início de 2009, um projeto multimídia composto de três partes: Photographs About Days, um conjunto de 365 fotografias tiradas pelo próprio Matt Sharp, uma por dia; Films About Weeks, 52 vídeos curtos com músicas inéditas, lançados um por semana; e Songs About Time, três EPs de quatro faixas cada, a ser lançados em abril, julho e outubro de 2009. As fotos podem ser visualizadas, os vídeos assistidos e as músicas escutadas de graça no site oficial da banda; se desejar, o visitante também pode baixar as músicas para seu computador, pagando quatro dólares apenas pelas músicas, ou seis por um pacote que inclui um clipe e um livreto em PDF.

No final do ano, Songs About Time será lançado "no mundo físico", em dois formatos: o deluxe, que incluirá um álbum de fotografias com as 365 fotos, três CDs com as faixas dos três EPs, um DVD com os 52 vídeos, e mais um CD com as músicas inéditas gravadas para esses vídeos; e o limited deluxe, do qual só serão produzidas 365 unidades e que, além do conteúdo da outra versão, ainda traz dois passes VIP para o backstage do show de lançamento do pacote, quatro discos de vinil com faixas totalmente inéditas, e um rolo de filme usado por Matt Sharp no projeto Photographs About Days mas não revelado, que o comprador poderá guardar ou revelar e compartilhar com outros compradores através de um álbum online exclusivo cujo acesso também será garantido através da compra do limited deluxe.

Enquanto esse ambicioso projeto se desenrola, a formação dos Rentals continua mutante: nem Haden nem Pringle apareceram em nenhum dos vídeos lançados até agora ou participaram do EP, que contou com a participação do guitarrista Joey Santiago, dos Pixies; e, após o lançamento do primeiro EP, Chipman e Joeright anunciaram que estavam dando um tempo da banda. Parece que, embora Sharp tenha o desejo de que sua banda conte com uma formação fixa, os Rentals não conseguem fugir de seu destino: ser uma banda de alugados.

E aqui termina a série dos posts sorteados. Semana que vem, retomaremos nossa programação normal - o que não significa, evidentemente, que os demais assuntos do meu Perfil jamais serão abordados. Portanto, se seu tema preferido não saiu, não desanime: quem sabe um dia eu não me animo a falar sobre ele?

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário