sábado, 1 de dezembro de 2007

Baralho (XI)

Hoje encerraremos a série de posts sobre baralhos, falando sobre o quarto e último tipo, o baralho suíço. Surgido no século XVI, o baralho suíço lembra o alemão em vários aspectos, mas é considerado um baralho diferente por um motivo muito simples: seus naipes são únicos, e não estão presentes em nenhum outro baralho que tenha sobrevivido.

9 de Escudos, séc XIXComo sobreviveram pouquíssimos exemplares originais do século XVI, não se sabe como o baralho suíço surgiu, ou por que seus naipes ficaram diferentes dos demais, mas alguns de seus elementos levam a crer que, assim como o baralho alemão, ele talvez seja também um descendente das Cartas de Caçada, que podem ter sido populares nas regiões do país de cultura alemã. Alguns dos primeiros baralhos suíços realmente lembravam as Cartas de Caçada, com naipes pitorescos como chapéus e penas; com o passar do tempo, eles foram sofrendo influências dos baralhos alemães e italianos, até que, um dia, se chegou ao padrão que resiste até hoje, cujos naipes são conhecidos como Eichel, Schilten, Rosen e Schellen. Como ocorre com o baralho alemão, estes naipes não têm nomes "oficiais" em português, mas eu os chamo de Castanhas, Escudos, Flores e Sinos - há quem chame as Flores de "Rosas", mas eu, particularmente, não acho que elas se pareçam com rosas.

Dois dos naipes do baralho suíço vieram claramente do baralho alemão, as Castanhas e os Sinos, bastante parecidos com seus primos mais do norte. A teoria mais provável para a origem das Flores - redondas e amarelas, com miolos vermelhos - é que elas tenham sido inspiradas pelas Moedas dos baralhos italianos, já que, em alguns padrões regionais, a decoração interna das Moedas se parece mesmo com uma flor. Os Escudos, porém, têm uma origem mais nebulosa, pois não se parecem com nada presente em nenhum outro baralho: nas cartas numéricas, eles são em preto-e-branco, nas figuras são coloridos, e cada escudo traz uma decoração diferente em seu interior; provavelmente eles sobreviveram de algum modelo das Cartas de Caçada, mas não há como se saber com certeza.

Um baralho suíço possui 36 cartas de 58 x 89 mm cada, sendo nove cartas de cada naipe. Quatro delas são numéricas, o 6, 7, 8 e 9, impressas em um único sentido da carta e decoradas com um número de naipes igual ao seu valor numérico, e mais um pequeno número no canto superior esquerdo e inferior direito (este invertido) para facilitar a identificação na mão; as outras cinco, em ordem de importância, são conhecidas como Banner, Under, Ober, Rei e Sau.

O Banner, para todos os efeitos, é o 10, e é talvez a evidência mais clara de que o baralho suíço descende das Cartas de Caçada, onde a carta 10 trazia uma bandeira com o símbolo do naipe no meio. Assim como esta carta, o Banner traz a figura de uma flâmula branca, azul e vermelha, presa à ponta de uma lança; em cada naipe a lança possui um esquema de cores diferente, mas sempre em amarelo, azul, vemelho e preto. Originalmente a flâmula era impressa em um único sentido da carta, justamente como nas Cartas de Caçada, mas atualmente o Banner é impresso nos dois sentidos, e em sua parte branca, evidentemente, traz o símbolo do naipe.

Rei de Sinos, 1789As três figuras do baralho suíço são as mesmas do baralho alemão, o Rei, Ober e Unter, que aqui se chama Under (porque esta é a pronúncia para "inferior" no dialeto da região onde o baralho surgiu). Também como no baralho alemão, os Unders representam "valetes menores", os Obers "valetes maiores", e os Reis, reis mesmo. As roupas dos Obers e Unders são curiosas e coloridas, principalmente a do Under de Sinos, que parece um bufão. Também é curioso notar que os Obers de Castanhas e Sinos e o Under de Flores estão fumando cachimbo, enquanto o Ober de Escudos fuma um cigarro. Os Reis usam coroas, estão sentados em seus tronos - com exceção do Rei de Flores - e seguram o símbolo de seu naipe, exceto o Rei de Escudos, que segura um cálice, e um detalhe que chama a atenção é a barba imensa do Rei de Castanhas. As figuras são impressas em azul, amarelo, vermelho e preto, e não têm índices, mas em compensação trazem o nome da figura (König, Ober ou Under) impresso no canto superior esquerdo e, invertido, no inferior direito.

Assim como o Banner, os Reis, Obers e Unders também eram originalmente impressos em um só sentido da carta, mas atualmente são impressos nos dois, e separados por uma linha bastante curiosa: para começar, ela é branca, mas tem uma fina borda preta; além disso, ela só toca a borda da carta nos Reis de Castanhas, Sinos e Escudos, nas demais figuras ela termina junto com o desenho da figura, como se só servisse mesmo para separar as duas ilustrações. Como se isso já não fosse o bastante, a linha é diagonal, mas não segue o mesmo sentido em todas as cartas: nos quatro Unders e no Ober de Castanhas ela é inclinada para a direita (/), enquanto nos quatro Reis e nos outros três Obers ela é inclinada para a esquerda (\); os graus de inclinação das linhas também são diferentes, sendo mais acentuado em algumas cartas que em outras.

Finalmente, temos o Sau, a carta que equivale ao Ás no baralho suíço, também chamado de Daus por influência do baralho alemão. O Sau traz dois símbolos do naipe acompanhados por uma decoração central, que nos de Sinos e Escudos costuma trazer o nome do fabricante. Há alguma controvérsia sobre se o Sau originalmente era o 2, como o Daus do baralho alemão, o que faria com que as cartas até hoje sejam impressas em um único sentido da carta, como as numéricas; ou se ele originalmente era o 1, como o Ás dos baralhos latinos, e ganhou dois símbolos do naipe porque passou a ser impresso em ambos os sentidos da carta. Como esta discussão não altera o valor do Sau, muita gente nem se atém a ela. O Sau mais curioso é o de Escudos, pois seus escudos não têm o mesmo formato dos demais, lembrando grandes corações, o que para alguns é um indício de que eles foram adaptados dos Corações do baralho alemão.

Banner de Flores, 1903O baralho suíço só possui um único padrão regional, conhecido simplesmente como "baralho suíço" ou Jass, o nome do único jogo que ainda é jogado com ele. Variações enfeitadas são bastante comuns, e podem ser divididas em dois tipos básicos: as fabricadas para serem dadas como brinde por empresas suíças, nas quais os naipes costumam ser alterados para objetos relacionados à empresa em questão; e as que mantêm os naipes originais mas mudam as figuras, normalmente usando personagens caricatos no lugar dos Reis, Obers e Unders. As variações enfeitadas mais famosas do baralho suíço foram criadas pela fabricante A. G. Müller, sendo a mais famosa a conhecida como Jass Plus, que traz ilustrações tridimensionais do artista canadense Raymond Inauen (também responsável pelo baralho Piquet Plus, da mesma fabricante). A A. G. Müller também criou duas "combinações" do baralho suíço com o francês, o Combi-Jass, na qual todas as cartas são divididas no meio na diagonal, com uma das metades tendo uma carta do baralho suíço e a outra a carta equivalente no baralho francês, padrão suíço moderno; e o Swiss Poker, composto de 53 cartas com grossas bordas, onde ficam quatro índices, um em cada canto, compostos por uma letra ou número mais um pequeno símbolo do naipe, ficando as ilustrações originais do baralho suíço em um quadrado interno, de fundo amarelo. Uma curiosidade sobre o Swiss Poker é que ele traz cartas que normalmente não existem no baralho suíço (os 2, 3, 4, 5 e até um curinga), e usa os índices do baralho francês para as figuras (A para os Sau, K para os Reis, Q para os Obers e J para os Unders).

Além de todas estas variações, o baralho suíço também possui uma "versão alternativa", chamada Kaiserjass. Originalmente utilizado para jogar a versão para 6 jogadores do Jass, o baralho do Kaiserjass é idêntico ao do Jass, exceto pelo número de cartas: são 48, sendo as extras um 3, 4 e 5 de cada naipe. Por esta razão, o Kaiserjass é muito valorizado por colecionadores, embora não seja muito comprado por jogadores, que preferem a versão normal, para 4 jogadores, do Jass.

Assim como ocorre com o baralho alemão, a sombra da extinção paira permanentemente sobre o baralho suíço. No passado, ele já foi fabricado na Áustria, Bélgica, França, Itália e Alemanha, além de pelas principais fabricantes suíças; hoje, ele só é fabricado pela A. G. Müller, que, ainda por cima, também foi comprada pela Carta Mundi. Por enquanto o catálogo da A. G. Müller ainda conta com uma farta variedade de baralhos suíços, mas ninguém sabe até quando, e por um motivo muito simples: a cada dia que passa, o baralho suíço perde popularidade. Como já foi dito, atualmente ele só é usado para jogar um único jogo, o Jass, e assim mesmo apenas nos cantões da suíça de cultura alemã. Felizmente, muitos jogadores e colecionadores destes cantões se esforçam para manter viva esta parte tão importante da tradição local, mas ainda assim o número de jogadores jovens que se interessa em aprender o Jass, e a adquirir um legítimo baralho suíço para jogá-lo, é muito pequeno, e o de jogadores dispostos a usar este baralho tão peculiar para jogar outros jogos é quase nula. Infelizmente, a possibilidade de que o Jass se torne um jogo de velhinhos e o baralho suíço uma peça de colecionador é a cada dia mais real.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário