sábado, 7 de julho de 2007

Zillion

Há muito tempo eu não falo aqui sobre anime. A razão é simples: há muito tempo eu não consigo assistir a um anime novo. Quase não tenho visto televisão, e, além disso, os anime que eu gostaria de acompanhar, como Fullmetal Alchemist, passam em horários meio inconvenientes para mim. Eu até pensei em escrever sobre Fullmetal, mas achei que seria melhor tentar ver a série do início até o fim antes, já que até hoje eu só consegui ver uns poucos episódios, e espaçados entre si. Então, um possível post sobre este anime ficará para mais tarde.

Mas isso é mais uma digressão; o que interessa é o seguinte: já que não consigo assistir a anime novos, a única saída para um novo post de anime no átomo seria falar de um anime velho. Após chegar a esta brilhante conclusão, me pus a escolher dentre os anime do passado um sobre o qual eu gostaria de escrever. Acabei ganhando um empurrãozinho da revista Dragonslayer no 13, que trouxe um anime em sua matéria de capa. E um do qual eu gosto, embora quase tivesse me esquecido dele. Pois bem, o tema de hoje, sem mais delongas, é Zillion!

Apple, JJ e ChampLançado no Japão há vinte anos, em 1987, com o nome de Akai Koodan Zillion (algo como "raio vermelho Zillion"), Zillion era ambientado no futuro, Lá pelo final do século XXIV. Nesta época tão distante, a humanidade já se lançou à colonização espacial, e em uma de suas viagens acabou encontrando um planeta muito semelhante à Terra, chamado Maris. De tão parecido com a Terra, Maris foi apelidado de Segunda Terra, e imediatamente colonizado, se tornando uma espécie de utopia, onde populações humanas convivem em paz nas cidades, enquanto suas áreas selvagens escondem ruínas de uma antiga civilização, constantemente exploradas em busca de conhecimento.

Evidentemente, esta paz não iria durar para sempre, senão nem teríamos o anime. No ano 2387, Maris é atacado por uma raça alienígena, conhecida como Império Noza. Construtos orgânicos cujas faces lembram máscaras de porcelana sem nenhum outro traço senão os olhos, os Noza possuem um método de procriação muito peculiar: a cada nova geração, eles precisam encontrar um novo planeta onde depositar seus ovos, que chocarão dando origem a novos Noza, enquanto os da geração anterior morrem. Para esta geração, eles escolheram Maris, e, para que seu ovos não sejam ameaçados, precisam matar todos os habitantes do planeta. Como o poderio bélico dos Noza é infinitamente superior ao de Maris, rapidamente eles acabam com qualquer chance dos humanos contra-atacarem, e começam um genocídio.

Quando toda a esperança parece perdida, porém, exploradores encontram em uma ruína três misteriosas pistolas, capazes de disparar raios de energia vermelha que penetram as defesas dos Noza, abatendo um soldado ou veículo Noza, invulneráveis a qualquer tipo de munição convencional, com um único tiro. Estas pistolas recebem o nome de Zillion, e imediatamente são postas à disposição do exército de Maris, para que a ameaça alienígena seja rechaçada. Há um pequeno problema, porém: a tecnologia das Zillion é altamente complexa, sendo impossível criar mais destas pistolas com os recursos disponíveis em Maris. O exército, então, cria uma divisão especial de atiradores, conhecidos como White Knights (ou "White Nuts" segundo alguns, embora eu ache esse nome meio ridículo). Responsáveis por empunhar as Zillion na batalha contra os Noza, os White Knights serão a elite da elite, aqueles nas mãos dos quais o futuro da população será depositado.

Ser um White Knight é uma responsabilidade imensa, então apenas os melhores soldados são selecionados para o grupo. Ou quase. Devido a um "erro" do computador, é escolhido para líder da equipe um cidadão de nome JJ, indisciplinado, comilão, preguiçoso e mulherengo. Felizmente, JJ também acaba se tornando muito habilidoso no manejo da Zillion, e ficava no ar até uma suspeita de que ele seria o único a conseguir extrair da pistola seu verdadeiro poder. Os outros dois White Knights são Champ, o melhor atirador de Maris, vaidoso e orgulhoso de suas habilidades; e Apple, a única garota da equipe, que além de se dedicar a treinamentos diários que buscam seu constante aperfeiçoamento, ainda tem de lidar com as cantadas de JJ e separar as brigas entre JJ e Champ, que freqüentemente discutem sobre seus métodos de combate.

Os White KnightsUma grande equipe, composta de muitos soldados de Maris, dá apoio aos White Knights. Dentre eles podemos destacar Dave, o mecânico responsável pela manutenção dos equipamentos da equipe, inclusive das pistolas Zillion; o Chefe Gordon, comandante da equipe e responsável por definir as missões, amigo de infância do Comandante Bernstein, chefe do exército de Maris, com o qual costuma divergir sobre as melhores estratégias de ataque; Amy, secretária do Chefe Gordon e operadora de computador da equipe, conhecida em toda a unidade por seu péssimo café; e Bongo (que no original se chamava Opa-Opa), um robô voador viciado em trabalho e sempre disposto a ajudar os White Knights. Além das pistolas Zillion, os White Knights ainda contam com três motos Trichargers, inventadas por Dave e capazes de se transformar em uma espécie de armadura para seu piloto; e com a base voadora Big Porter, que os leva até as batalhas e carrega três outros veículos, um jato, um submarino e uma espécie de tanque.

Do outro lado da batalha estavam os Noza, liderados pela Rainha Adamis. Seu objetivo é pura e simplesmente exterminar toda a população de Maris, para então depositar seus ovos no planeta e guardá-los até que a geração seguinte de Noza nasça, quando então todos os Noza desta geração morrerão. Provavelmente existem Noza de várias profissões, mas durante a série quase todos os que vemos são soldados, que atacam com uma espécie de rifle ou pilotando estranhos veículos. Mais para o fim da série, surgem três outros Noza superpoderosos, conhecidos como Cybermetals, criados por engenharia genética para destruir os White Knights: Guardk, capaz de esticar seus braços para atacar à distância; Solair, que pode voar e possui garras ao estilo Wolverine; e Navaro, uma fortaleza ambulante capaz de disparar centenas de mísseis por minuto.

Mas o Noza mais poderoso de todos era o Barão Ricks, braço-direito da própria Rainha Adamis, e que usava como arma uma espada capaz de se transformar em chicote. Ao longo da série, Ricks desenvolve um ódio mortal pelos White Knights, e uma extensa rivalidade contra JJ, que o levam até a desobedecer ordens da Rainha. Ricks então passa a ser considerado um traidor, e tem de enfrentar não somente os White Knights, mas também os próprios Noza, incluindo os Cybermetals.

Zillion foi criado pelo estúdio Tatsunoko, o mesmo de Speed Racer e Macross (que ficou conhecido aqui no Brasil como Robotech). Assim como He-Man e Comandos em Ação, Zillion foi um desenho produzido sob medida para promover um brinquedo - no caso, o videogame Master System, da Sega. As primeiras pistolas Zillion era idênticas à pistola Light Phaser, que acompanhava o console, e servia para jogar diversos títulos do videogame, bastando o jogador apontar a pistola para a tela e disparar, com o videogame registrando se o tiro foi bem sucedido ou não. Ironicamente, Zillion teve dois jogos lançados para o Master System, mas nenhum deles usava a Light Phaser, sendo ambos de plataforma, meio parecidos com Metroid. Bongo também acabou ganhando uma série de jogos na qual era o protagonista, primeiro para arcade e depois para Master System, chamados Fantasy Zone.

Barão RicksApesar da Light Phaser ser considerada revolucionária para a época, as vendas do Master System não aumentaram após o lançamento do anime, e após dez episódios a Sega decidiu deixar de patrocinar a série. A Tatsunoko, ao invés de cancelá-la, decidiu assumir todos os custos da produção, e no episódio 11 as pistolas foram modificadas por Dave - de certa forma contrariando o fato de que a tecnologia Zillion era avançada demais para ser compreendida por humanos. O intuito desta transformação era fazer com que elas não se parecessem mais com a Light Phaser, mas ao invés de fazer três pistolas iguais, os produtores optaram por três modelos diferentes: JJ continuou com uma pistola, mas com um desenho mais estiloso, Apple ganhou uma metralhadora, e Champ, um rifle. Depois da saída da Sega, o anime decolou, ganhando roteiros mais complexos, e sendo considerado o melhor anime dos anos 80 pela crítica especializada, batendo favoritos do público como Cavaleiros do Zodíaco e Dragon Ball. Talvez querendo recuperar o prejuízo, a Sega fez um novo contrato com a Tatsunoko, e passou a produzir as pistolas Zillion de uma forma diferente, em um conjunto composto de uma pistola que disparava um feixe de luz e um receptor que devia ser amarrado ao tórax do jogador, que acusava um "tiro" toda vez que era atingido pelo feixe da pistola. Quando atingido um determinado número de vezes, um jogador era eliminado do jogo. O jogo de Zillion se tornou muito popular no Japão, e acabou inspirando o arcade Q-Zar, e, dizem, até o jogo de paintball. Aqui no Brasil, a Zillion foi lançada apenas na versão pistola pela Tec Toy, que detinha a exclusividade para lançar produtos Sega no Brasil.

Zillion teve 31 episódios de 22 minutos, mais um episódio especial de 45 minutos, exibido em 1988, onde os White Knights fazem parte de uma banda de rock gerenciada pelo Chefe Gordon, e têm de enfrentar não os Noza, mas uma gangue que seqüestra Apple. Aqui no Brasil, os episódios - exceto o especial - foram exibidos pela Globo nas manhãs de domingo, passando depois, por algum motivo obscuro, para as madrugadas. O último episódio, inclusive, foi exibido às cinco da manhã do dia 1o de janeiro de 1994 (razão pela qual eu nunca o assisti). Que eu saiba, jamais foi reprisado, o que é uma pena. Com toda essa moda de ressucitar desenhos dos anos 80, bem que alguém podia se interessar em lançar em DVD.

1 enfiaram o nariz:

Victor Hugo Araújo e Silva disse...

o pior erro foi ter vinculado o zillion ao master system na época, isso matou a série, tinha tudo pra bombar. e acho que devia ser refeito ou obrigatoria mente continuado... pq o final da série ficou muito cheio de pontas soltas...

2:04 PM

Postar um comentário