domingo, 3 de dezembro de 2006

Fórmula Indy (II)

Semana passada, eu fiz um post sobre a Fórmula Indy. Neste post, eu mencionei que em 1996 houve uma cisão, que dividiu a categoria em CART (conhecida por aqui como Fórmula Mundial) e IRL (que continua sendo conhecida por aqui como Fórmula Indy). Na ocasião eu não quis falar sobre isso, mas o motivo pelo qual eu decidi escrever aquele post - e esse de hoje também - é que, quase dez anos depois, eu voltei a me interessar por Fórmula Indy. Pela versão IRL, já que a outra ninguém transmite. Quando houve a cisão, eu achei tudo uma palhaçada e que essa IRL era uma besteira, mas eles tinham um trunfo que, depois de alguns anos, eu não pude ignorar: Indianápolis. Eu não assisti as 500 Milhas das duas primeiras temporadas da IRL, mas eventualmente voltei a querer ver a corrida, sendo que esta era a única do calendário que eu assitia. Até o ano passado, quando eu descobri que tinha uma mulher guiando entre os 33. Como se isso não fosse o bastante, ela até chegou a liderar algumas voltas. Não que eu tenha algo contra mulheres no automobilismo, pelo contrário, tanto que, apesar de não ter ficado fã de Danica Patrick, posso dizer que voltei a assistir Fórmula Indy por causa dela. Depois daquelas 500 Milhas, assisti a todas as provas que eu pude, e este ano também consegui assistir à maioria delas. Não sei se ano que vem continuarei acompanhando, mas pelo menos já ganhei assunto para dois posts, já que hoje é dia de falar sobre a IRL.

Embora não haja muito do que se falar, já que a categoria acabou de completar sua primeira década de existência. A IRL, ou Indy Racing League, a "Liga de Corridas Indy", esse Indy vindo de Indianápolis, começou a surgir em 1994, quando Tony George, o dono do Indianapolis Motor Speedway, o autódromo onde acontecem as 500 Milhas, se mostrou insatisfeito com o rumo que a então Fórmula Indy estava tomando. Na opinião de George, a categoria estava tomada por grandes empresários, com as equipes mais ricas vencendo a maioria das provas, muitos investidores internacionais, poucas corridas em circuitos ovais, e poucos pilotos norte-americanos. Segundo ele, a categoria estava se tornando muito mais parecida com a Fórmula 1 do que com o campeonato norte-americano, o qual supostamente foi criada para substituir. No final da temporada de 1995, George decidiu não renovar seu contrato com a CART e criar sua própria categoria, com carros mais baratos, mais corridas em circuitos ovais, e mais pilotos norte-americanos, tendo as 500 Milhas de Indianápolis como evento principal. Surgia assim a IRL, que teria sua primeira temporada em 1996.

Danica PatrickTemporada esta que é motivo de piada até hoje. Para começar, os carros utilizados eram modelos do ano anterior, rejeitados pelas equipes da CART, que podiam ser comprados por 100 mil dólares por qualquer equipe que quisesse participar. George não fez restrições quanto à inscrição de pilotos não-americanos, e muitos ex-pilotos da CART e da Fórmula 1, como o holandês Arie Luyendyk e o italiano Michelle Alboreto, decidiram tentar a sorte. Ao todo, 36 pilotos se aventuraram, embora apenas 15 deles tenham corrido em todas as três provas do calendário. Não, eu não errei, o calendário teve apenas três provas, 200 milhas em um oval construído no estacionamento da Disneylândia, 200 milhas em um oval no Phoenix International Raceway, e as 500 Milhas de Indianápolis. A temporada foi curta assim devido a duas idéias de Tony George: primeiro, ele queria que as 500 Milhas, claramente o carro-chefe da categoria, encerrassem a temporada, prevendo disputas empolgantes pelo título que tornariam a corrida ainda mais fantástica. Como desde sua primeira edição a corrida sempre foi realizada no último final de semana de maio, e George não era louco de mudar sua data, ele teve sua segunda idéia: cada temporada começaria em agosto, terminando em maio do ano seguinte, como acontece com muitos esportes do hemisfério norte. Uma temporada tão curta teve ainda um efeito colateral: dois pilotos empatados no primeiro lugar, os norte-americanos Buzz Calkins, da equipe Bradley, e Scott Sharp, da equipe Foyt, 82 pontos cada. Sem que o regulamento previsse como proceder neste caso, a IRL optou por declarar ambos campeões. Vale também registrar que a primeira temporada da IRL teve dentre os pilotos uma mulher, a norte-americana Lyn St. James, que correu as três provas, e mais as 500 Milhas de 1997 e 2000. St. James só completou uma corrida, a da Disneylândia, onde chegou em 8o lugar.

Pois bem, em agosto de 1996 começou a temporada de 1997, prevista para terminar em maio do ano seguinte, após as 500 Milhas. O que não fora previsto foi um protesto dos fãs, já que todas as categorias do automobilismo tinham suas temporadas entre março e outubro, e o desinteresse dos patrocinadores, que teriam um trabalhão para fazer as contas de seu dinheiro investido começando em um ano fiscal e terminando em outro. Após duas corridas, George decidiu abrir mão de suas duas idéias mirabolantes, e esticar a temporada até o final de 1997, para que a temporada de 1998 começasse em janeiro de 1998. Isto aplacou a ira dos patrocninadores, mas não a dos fãs. Muitos dos fãs da CART que passaram a acompanhar a IRL por causa das 500 Milhas já começavam a achar que eles eram um bando de amadores que não sabiam ao certo o que estavam fazendo. Ao todo, a temporada de 1997 teve dez corridas, todas em circuitos ovais, duas em 1996 e oito em 1997: New Hampshire, Las Vegas, Disneylândia, Phoenix, Indianápolis, Texas, Pikes Peak, Charlotte, New Hampshire e Las Vegas. Nas duas primeiras corridas os carros utilizados foram os mesmos das três corridas de 1996, mas para as corridas de 1997 foram utilizados carros novos, produzidos especialmente para a IRL, com chassis fabricados pela Dallara e pela G-Force, e motores V8 aspirados de 4 litros da Oldsmobile ou da Infinity. Apenas 7 pilotos participaram de todas as dez provas, dentre eles o brasileiro Marco Greco, que já havia disputado as 500 Milhas em 1996, mas não como piloto da IRL. Greco ainda disputaria a temporada de 1998 e uma corrida em 1999, e teve como melhor resultado um 3o lugar em Dover, 1998. Outro brasileiro, Affonso Giaffone, participou de oito das dez corridas, e teve como melhor resultado o 4o lugar em Charlotte. O campeão da temporada de 1997 foi mais uma vez um norte-americano, Tony Stewart, da equipe Menard.

Após estas duas temporadas mais do que confusas, a IRL começou a entrar nos eixos. Para a temporada de 1998 foram programadas onze provas, removendo as duas provas "repetidas" de New Hampshire e Las Vegas, e incluindo provas em Dover, Atlanta e uma segunda prova no Texas. Para esta temporada, três chassis estavam à disposição das equipes, os dois de 1997 mais os fabricados pela Riley & Scott, que só foram escolhidos por umas poucas equipes estreantes. A melhor equipe da temporada foi a Foyt, do ex-piloto norte americano A.J. Foyt, que venceu quatro provas, uma com o norte-americano Billy Boat, que ainda fez a pole nas 500 Milhas, e três com o sueco Kenny Bräck, que acabaria campeão da temporada. 1998 foi o ano de estréia na IRL do brasileiro Raul Boesel, que correu as temporadas de 1998, 1999 e 2002, mais as 500 Milhas de 2000, e teve como melhor resultado dois quintos lugares, na Disneylândia em 1999 e em Nashville em 2002.

A temporada de 1999 não teve muitas novidades. O calendário continuou com 11 provas, sendo a de New Hampshire substituída por uma segunda corrida em Pikes Peak, mas acabou que somente dez contaram pontos. A corrida em Charlotte foi interrompida após 79 voltas, quando um acidente jogou destroços nas arquibancadas, matando três espectadores. O campeão da temporada foi o norte-americano Greg Ray, o segundo título da Menard. 1999 foi o ano de estréia de mais uma mulher na IRL, a norte-americana Sarah Fisher, que disputou a última prova. Fisher ainda correria nas temporadas de 2000, 2001, 2002 e 2003, nas 500 Milhas em 2004, e em duas provas em 2006. Seu melhor resultado foi um 2o lugar em Homestead em 2001. Também em 1999 o brasileiro Gualter Salles participou da corrida na Disneylândia, mas não a completou devido a um acidente. Outro brasileiro, Roberto Pupo Moreno, correria em Phoenix e nas 500 Milhas, chegando em sexto na primeira e abandonando a segunda. Moreno também correria - e abandonaria - uma corrida em 2006.

Então, em 2000, algo estranho aconteceu: Al Unser Jr, um dos mais famosos pilotos da CART, decidiu trocar de categoria e ir correr na equipe Galles, pela IRL. Não somente isso, a equipe Ganassi, também da CART, decidiu inscrever seus carros nas 500 Milhas de Indianápolis, e acabou vencendo com o piloto colombiano Juan Pablo Montoya. Na verdade, já estava começando a surgir um descontentamento entre as equipes da CART, e muitas delas já cogitavam "virar a casaca" e começar a disputar provas na IRL. Tony George, apesar de todo o seu discurso anti-globalização, não se opôs, e, nos anos seguintes, as principais equipes da CART, à exceção da Newman/Haas, pularam para a IRL, o que causou o esvaziamento da primeira categoria, e fez com que a segunda ficasse muito mais parecida com a Fórmula Indy "original", que George tanto criticou. Idiossincrasias à parte, a temporada de 2000 foi uma das mais equilibradas, com apenas um piloto, o norte-americano Buddy Lazier, vencendo mais de uma prova. Lazier, que corria pela Hemelgarn, acabou sendo o campeão daquele ano, cujo calendário não contou com a segunda corrida de Pikes Peak, nem com as corridas de Charlotte e Dover, mas estreou uma nova prova no Kentucky, para um total de nove. 2000 também foi o último ano dos chassis Riley & Scott, que ironicamente abandonaram a categoria após sua primeira vitória, a de Lazier na corrida de Phoenix. Mais dois brasileiros estrearam na IRL em 2000: Airton Daré, que correu as temporadas de 2000, 2001, 2002 e mais as 500 Milhas de 2003 e 2006, e teve como melhor resultado uma vitória no Kansas em 2002; e Zak Morioka, que correu na última prova, a segunda do Texas, e chegou em 15o lugar.

Se a porteira havia sido aberta em 2000, o gado começou a passar de vez em 2001. Além da Ganassi, as equipes Penske e Green também manifestaram seu desejo de trocar a CART pela IRL, inscrevendo seus carros nas 500 Milhas. O pódio da prova, inclusive, foi inteiramente formado por dissidentes da CART, com a Penske conseguindo os dois primeiros lugares, com Hélio Castroneves - a primeira vitória de um brasileiro na IRL - e Gil de Ferran, que ainda correu a prova de Phoenix. Outros dois brasileiros também começaram suas carreiras na IRL em 2001: Bruno Junqueira, que correu as 500 Milhas de 2001, 2002, 2004 e 2005, conseguindo o quinto lugar em 2001 e 2004; e Felipe Giaffone, que correu as temporadas de 2001, 2002, 2003, 2004 e 2006, mais as 500 Milhas de 2005, conseguindo uma vitória no Kentucky em 2002. O campeão, infelizmente, não foi um brasileiro, mas o norte-americano Sam Hornish Jr, da equipe PDM, que venceu três provas. Buddy Lazier venceu quatro praticamente seguidas (duas, não venceu uma, depois mais duas) mas deixou escapar o bicampeonato por ser menos consistente nas demais provas. O calendário teve 13 provas, com a adição de seis, em Homestead, Richmond, Kansas, Nashville, Madison e Chicagoland, e a saída das provas de Las Vegas e da Disneylândia.

Penske e Green passaram a disputar integralmente o campeonato da IRL a partir de 2002. Com carros bem mais fortes que os de seus concorrentes, os pilotos da Penske deram trabalho, não conquistando o título por pouco. O ano foi ótimo para os brasileiros: Hélio Castroneves venceu duas provas, sendo uma delas as 500 Milhas, e terminou o campeonato em segundo lugar; Gil de Ferran foi o terceiro, também com duas vitórias; e Felipe Giaffone, correndo pela Mo Nunn, terminou em quarto, vencendo uma prova. Sam Hornish Jr, agora na equipe Panther, ganhou seu segundo título seguido, se tornando o primeiro bicampeão da IRL. A temporada ainda trouxe duas outras novidades: a pole position da Sarah Fisher na corrida do Kentucky, a primeira de uma mulher em uma categoria de Fórmula que não fosse de acesso; e a mudança dos motores Oldsmobile pelos Chevrolet, na verdade o mesmo motor com outro nome, já que o fabricante de ambos era a GM. O calendário teve 15 provas, com a saída da corrida de Atlanta, e a estréia de corridas em Fontana, Nazareth e Michigan. Mais dois brasileiros estrearam em 2002: Vítor Meira, que correu as temporadas de 2002, 2003, 2004, 2005 e 2006, conseguindo sete segundos lugares, e Tony Kannan, que correu as 500 Milhas mas abandonou após um acidente.

A IRL crescia em prestígio e popularidade na mesma velocidade com que a CART decaía. Graças a isso, 2003 foi um divisor de águas para ambas as categorias. Neste ano, a maioria das equipes e pilotos da CART já havia se transferido para a IRL, e as equipes e pilotos originalmente da IRL passaram a ter muita dificuldade para competir contra estes oponentes tecnologicamente mais avançados e com melhores patrocínios. Até mesmo os motores Toyota e Honda passaram a equipar carros da IRL, o que causou a saída dos motores Infinity. Em troca do dinheiro das montadoras japonesas, a IRL incluiu em seu calendário a primeira prova internacional, em um oval em Motegi, Japão. 2003 também foi um ótimo ano para os brasileiros: os pilotos da Penske inverteram as posições em relação ao ano anterior, com Gil de Ferran, com três vitórias, incluindo a das 500 Milhas, terminando em segundo, e Hélio Castroneves, com duas vitórias, terminando em terceiro. Tony Kannan, correndo pela Seven-Eleven, também conseguiu duas vitórias, e terminou o campeonato na quarta posição. O campeão foi o neozelandês Scott Dixon, da equipe Ganassi.

Em 2004, a IRL já era considerada a "verdadeira" Fórmula Indy (foi nesse ano que, falida, a CART foi vendida para a Champ Car). Ao contrário do que muitos esperavam, porém, nem Penske, nem Ganassi dominaram a categoria: as duas equipes mais fortes eram a Andretti Green, de propriedade do piloto Michael Andretti, filho do campeão de Fórmula 1 e Fórmula Indy Mario Andretti; e a Rahal Letterman, do campeão da Fórmula Indy Bobby Rahal e do apresentador David Letterman. Foi neste ano que a IRL finalmente teve um brasileiro campeão, Tony Kannan, a bordo de um Andretti Green empurrado por motor Honda que lhe garantiu três vitórias. Hélio Castroneves, com um motor Toyota, só conseguiu uma vitória, e terminou o campeonato na quarta posição. O calendário continuou com 16 provas, mas a corrida de Madison foi substituída pela de Milwaukee.

O número de corridas aumentaria para 17 em 2005, com a inclusão das primeiras corridas em circuitos mistos, em Saint Petesburg, Watkins Glen e Sonoma. As corridas de Nazareth e a segunda do Texas deixaram o calendário. Foi em 2005 que estreou na categoria a norte-americana Danica Patrick, piloto da Rahal Letterman que conseguiu duas pole positions, dois quartos lugares, sendo um deles nas 500 Milhas, se tornou a primeira mulher a liderar as 500 Milhas, e aumentou a audiência da IRL em 40%, garantindo de vez o lugar da categoria no mapa do automobilismo. O domínio da Andretti Green continuou, com o inglês Dan Wheldon vencendo seis provas, o recorde da IRL, e se sagrando campeão, e Tony Kanaan vencendo duas provas e terminando em segundo lugar. Hélio Castroneves conseguiu uma vitória e terminou em sexto. O também brasileiro Thiago Medeiros estreou na categoria correndo a prova de Fontana e chegando em 22o lugar. Ele ainda correria as 500 Milhas de 2006, mas abandonaria com um problema elétrico.

Após uma longa espera, a Penske finalmente teria seu ano de glória em 2006. Seus dois pilotos, Hélio Castroneves e Sam Hornish Jr, venceriam oito das 14 provas, quatro vitórias cada. Castroneves chegou à última corrida com um ponto de vantagem sobre Hornish, mas foi o americano quem conseguiu o tricampeonato, terminando a prova em terceiro, uma posição à frente do brasileiro. Tony Kanaan conseguiu uma vitória, e terminou o campeonato em sexto, atrás de Vítor Meira, quinto. Danica Patrick não fez uma boa temporada, só conseguiu dois quartos lugares, mas terminou em nono, melhor que em 2005, quando foi 12a. Uma curiosidade desta temporada foi que, ao final de 2005, os motores Chevrolet e Toyota deixaram a categoria, fazendo com que todos os carros para 2006 tivessem de utilizar motores Honda. Com o chassis aconteceu mais ou menos o mesmo: na teoria, existem dois fornecedores, Dallara e Panoz, mas na prática, ao longo da temporada, todos os que utilizavam Panoz foram trocando, de forma que, provavelmente para 2007, todos os carros correrão com Dallara. O calendário para 2006 ficou mais curto, com apenas 14 provas, após a saída das corridas de Pikes Peak, Fontana e Phoenix.

Muito se falou que, a partir de 2007, IRL e Champ Car se fundiriam novamente em uma única Fórmula Indy. Se houveram tais negociações, elas não foram para a frente, e eu, pessoalmente, duvido que um dia isto aconteça. De qualquer forma, a temporada de 2007 já está confirmada, com a princípio 17 corridas, sendo as três novas em Mid-Ohio, Detroit e Iowa. E eu também já estou confirmado, para torcer para que Hélio Castroneves consiga finalmente seu primeiro título, e Danica Patrick sua primeira vitória. Até que eu gostei de ter redescoberto a Fórmula Indy.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário