domingo, 9 de julho de 2006

Marvin, o Marciano

Todo mundo tem um personagem de animação preferido. Tem gente que gosta do Mickey, outros do Pernalonga, outros do Scooby Doo. Por que? Muitas vezes ninguém sabe. A gente simplesmente vai com a cara daquele personagem, e passa a achar suas aventuras muito mais legais do que as de todos os outros. Eu também tenho meu personagem preferido, que por um acaso é o tema do post de hoje. E esse personagem é Marvin, o Marciano.



Sim, ele é uma bola preta com roupa de romano. Sim, ele é o vilão. Não, ele não aparece em muitos episódios (se bem que passou a dar as caras bem mais depois do desenho do Duck Dodgers). Mesmo assim, desde pequeno, quando eu vi aquele episódio dos marcianos instantâneos, passei a achar esse alienígena psicótico a coisa mais legal do mundo. Na adolescência, quando começaram a ser vendidos aqui os mais diversos produtos Looney Tunes, por causa da paridade 1 dólar = 1 Real, fui tomado por uma fúria consumista que entupiu meu quarto de bonequinhos. E hoje, embora eu já não compre mais Marvins nem acompanhe Duck Dodgers, se alguém me perguntar qual é meu personagem de animação preferido, Marvin, o Marciano, ainda será a resposta.

Marvin foi criado no final da década de 40, quando os produtores do desenho Looney Tunes procuravam um novo vilão para as aventuras de Pernalonga. O diretor de animação Chuck Jones tinha, já há algum tempo, a idéia de criar um vilão calado e introspectivo, mas de atos incrivelmente violentos, para se contrapor a Eufrazino, o caubói que vive gritando e dando tiros para todos os lados, mas cujas vilanias normalmente não são tão ameaçadoras. Na década de 40 ainda não havia a caça às bruxas que hoje impede a exibição de um episódio de Pokémon nos EUA porque os personagens estão segurando revólveres, mas mesmo assim Looney Tunes era um desenho para crianças, de forma que esse vilão não poderia ser um serial killer nem um psicopata. Descartando essas duas opções, o mais perto de um vilão calado e altamente destrutivo que Jones conseguiu chegar foi um alienígena que quisesse explodir a Terra.

Assim, no episódio Haredevil Hare (algo como "a lebre destemida", sendo haredevil um trocadilho com as palavras daredevil, "destemido", e hare, "lebre". Essa "lebre" era o Pernalonga, que embora seja um coelho - o que pode ser verificado através de seu nome original, Bugs Bunny, sendo bunny "coelhinho" - era referenciado como hare nos títulos de muitos episódios. Ufa, que parêntese mais comprido!), que foi ao ar em 1948, o alienígena fez sua primeira aparição. Neste episódio ele não tinha nome, mas era claramente maligno, já que queria destruir a Terra por um motivo muito importante: ela obstrui sua vista de Vênus. Não suportando olhar em seu imenso telescópio e não ver o Segundo Planeta do Sistema Solar, o marciano decide desintegrar o planeta com seu Modulador Espacial Explosivo Q-36 (PU-36 no original, traduzido para Q-36 por causa da pronúncia). Marcianos eram um tema muito comum em filmes de ficção do pós-guerra, então não é de se estranhar que este alienígena também fosse um marciano, e não um venusiano (que poderia querer explodir a Terra porque ela obstrui sua vista de Marte, quem sabe?) ou um habitante de outro planeta qualquer. Também é digno de nota que o "uniforme" do marciano seja o de um soldado romano. O motivo para isso é simples: Marte é o deus romano da guerra, então é evidente que um marciano belicoso tenha de se vestir de soldado romano.

Apesar de baixinho, sem rosto, de poucas palavras e de voz nasalada, o marciano era uma ameaça muito maior que os oponentes que Pernalonga tinha enfrentado até então, exigindo do coelho muito mais astúcia para derrotá-lo. Os produtores gostaram do resultado, e decidiram utilizá-lo em mais episódios. Levar Pernalonga para o espaço não era uma coisa corriqueira, porém, o que retardaria a aparição seguinte do vilão para 1952, no episódio Hasty Hare ("a lebre apressada"). A partir deste episódio, seu dublador, o gênio Mel Blanc, decidiu não mais fazer uma voz baixa e nasalada, mas uma mais imponente e arrogante, com um sotaque quase britânico.

No ano seguinte, em 1953, os produtores tentaram fazer algo diferente, opondo o marciano não a Pernalonga, mas a Patolino, no episódio especial Duck Dodgers in the 24 1/2 Century ("Duck Dodgers do Século 24 e meio"; "Duck Dodgers" - duck significa "pato", e dodge é o verbo "desviar" - é uma paródia de Buck Rogers, um famoso herói de ficção científica que estreou em 1928 e viveu aventuras em livros, quadrinhos, cinema e TV). Neste episódio, Patolino interpretava o herói intergaláctico Duck Dodgers, que tinha a missão de buscar o raríssimo elemento Illudium Phosdex no Planeta X, a última fonte conhecida. Ao chegar lá, Dodgers descobre que os marcianos também estão atrás do elemento, e tem de batalhar com o soldado marciano pelo planeta. Neste episódio o marciano finalmente ganhou um nome, embora meio genérico, de Comandante Marciano X-2.

O marciano voltaria a enfrentar Pernalonga em 1958, no episódio Hareway to the Stars (algo como "o caminho da lebre para as estrelas"; hareway sendo um trocadilho com hare e highway, estrada), onde seria adicionado um elemento recorrente de suas aventuras, os marcianos instantâneos (basta adicionar água). A partir de então, em quase todas as suas aparições o marciano estaria acompanhado de marcianos instantâneos, como em seu desenho seguinte, Mad as a Mars Hare, onde também ganhou um "assistente", um cachorro marciano verde, chamado K9 (cuja pronúncia em inglês é "key-náine", canine, canino. O nome do episódio é mais um trocadilho, desta vez com uma expressão idiomática britânica "mad as a March hare", "louco como uma lebre de março", embora não haja uma explicação fundamentada de por que uma lebre de março seria louca. De qualquer forma, no título do episódio, March, "março", foi trocado por Mars, "Marte").

Depois deste episódio, o marciano foi colocado na geladeira por um longo tempo, até retornar em 1980, primeiro em uma nova aventura de Duck Dodgers, Duck Dodgers and the Return of 24 1/2 Century ("Duck Dodgers e o retorno do Século 24 e meio"), e depois em mais um desenho contra Pernalonga, Spaced Out Bunny ("coelho ao espaço"). Neste episódio o marciano finalmente ganhou um nome decente: Marvin. Este nome foi necessário porque já começavam a surgir vários produtos de merchandising dos Looney Tunes, e um persoangem sem nome não vende. O nome Marvin foi escolhido por ser parecido com Martian, "marciano" em inglês, fazendo de "Marvin, the Martian" um nome fácil de ser guardado pelas crianças.

Mesmo tendo ganhado um nome, Marvin foi para a geladeira de novo, de onde só sairia em 1991, para o especial Bugs Bunny Lunar Tunes ("os desenhos lunares de Pernalonga, onde "Lunar" era um trocadilho com o "Looney", de Looney Tunes). Neste desenho, Marvin obtém permissão do Governo de Marte para explodir a Terra, já que os terráqueos criam muita poluição, enchem o espaço de lixo, e mostram os seres espaciais como monstros desalmados em seus filmes. Cabe a Pernalonga demonstrar que os terráqueos também são capazes de criar coisas boas, para impedir a destruição total do planeta. Outro especial seria lançado em 1999, Marvin the Martian Space Tunes, trazendo Marvin pela primeira vez no papel principal, para comemorar os 50 anos de criação do personagem.

Marvin também foi a estrela de um filme de 12 minutos em 3D, exibido apenas nas lojas oficiais Warner dos EUA, Austrália e Alemanha entre 1996 e 1998. Nesta aventura, Duck Dodgers tenta impedir Marvin, K9 e os marcianos instantâneos de explodir a Terra mais uma vez.

Após o fim de suas aventuras nos desenhos de Looney Tunes, Marvin ainda fez participações especiais nos desenhos dos Animaniacs, em Taz-Mania e em Os Mistérios de Piu-Piu e Frajola, além de uma memorável aparição em um episódio de Tiny Toon chamado Duck Dodgers Jr., onde Duck Dodgers e Plucky Ducky enfrentavam Marvin e sua assistente e sobrinha Márcia, a Marciana. O simpático marciano ainda apareceu nos dois filmes dos Looney Tunes com atores humanos para o cinema, em Space Jam, de 1996, no papel do árbitro (dublado por Bob Bergen), e em Os Looney Tunes de Volta à Ação, de 2003, como um meio-vilão (dublado por Eric Goldberg). Marvin também aparece como vilão em diversos jogos de videogame dos Looney Tunes.

Atualmente, Marvin pode ser visto em duas séries, em versão neném em Baby Looney Tunes, e na série regular de Duck Dodgers, onde novamente faz o "papel" de Comandante Marciano X-2. Uma grande sacada desta série é que a Terra está em guerra com Marte, e todos os marcianos se parecem com Marvin, com a cabeça toda preta com grandes olhos, e os soldados usando uniforme de romanos. X-2 é o principal rival de Dodgers, tanto na guerra quanto na disputa pelo amor da Rainha Marciana Tyr'ahnee. Infelizmente, a série já saiu do ar nos EUA, mas ainda passa de vez em quando por aqui.

Enfim, Marvin é o meu personagem preferido, e mesmo sem ter tido muito para dizer sobre ele, gostei muito de fazer este post para homenageá-lo. Agora vamos criar uns marcianos instantâneos.

4 enfiaram o nariz:

Anônimo disse...

Isso mano, esse marvin é Fo(..), eu adoro ele tbm, o melhor dos loney Tones!!


Ass: Mrdidi

1:58 PM
Ricardo Chucky disse...

eu gosto muito do marvin tb.. e fiz uma homenagem pra ele..

http://ricardochucky.blogspot.com/2011/07/marvin-martian.html

espero que gostem!

6:54 PM
shainne nunes disse...

O Marvin sempre foi o meu personagem preferido também do Looney Tunes, sou muito fã dele e do k9. Adorei o seu post.

9:55 PM
shainne nunes disse...

O Marvin sempre foi o meu personagem preferido também do Looney Tunes, sou muito fã dele e do k9. Adorei o seu post.

9:57 PM

Postar um comentário