domingo, 23 de novembro de 2003

O Silmarillion

O Retorno do Rei está chegando aos cinemas, daqui pouco mais de um mês. Finalmente, todos os fãs recentes de Tolkien, que não tiveram a oportunidade de ler O Senhor dos Anéis e estão conhecendo a história através do cinema, saberão como chega ao fim a saga do Portador do Anel. Para os que gostaram (ou gostarem, já que não viram ainda) e também para os que já são fãs do estilo, recomendo outro livro fantástico (em todos os sentidos) de J.R.R. Tolkien: O Silmarillion.

Na verdade, Tolkien nunca chegou a publicar este livro, composto de vários textos escritos durante sua vida, reunidos em um único volume, em uma ordem capaz de formar uma história, por seu filho, Christopher Tolkien. Apesar do que possa parecer, não é um monte de textos soltos, pois Tolkien (o pai) realmente tinha a intenção de escrever um livro, chamado "O Livro dos Contos Perdidos", que explicaria a origem do mundo dentro do qual O Hobbit e O Senhor dos Anéis iriam se encaixar. Infelizmente, ele faleceu antes de concluir seu trabalho.

Mas, graças aos esforços de seu filho, hoje podemos saber como foi criada a Terra-Média, como surgiram os elfos, como foram criados os anões, como os humanos se encaixam neste cenário, e por que os elfos deixaram nossa terra para ir viver em Valinor. É um livro espetacular, embora de leitura um tanto difícil, por ser muito descritivo, e utilizar um linguajar longe do coloquial. Mas é só ler com paciência que estes problemas são superados, restando uma história empolgante e emocionante.

O Silmarillion é dividido em 5 partes. Na primeira, Ainulindalë, é contado como Eru Ilúvatar, através de sua música, criou os Valar, os Poderes do Mundo, e, cantando em conjunto com eles, acabou por criar a própria Terra-Média.

A segunda parte, Valaquenta, conta como os Valar se estabeleceram na Terra-Média, e iniciaram sua guerra contra Melkor, o Valar renegado.

Na terceira parte, Quenta Silmarillion, ficamos finalmente sabendo a origem dos elfos, anões, homens e orcs, seu relacionamento com os Valar, e como e por quê eles decidiram povoar o mundo. O nome do livro vem das Silmarils, jóias de extraordinária beleza, criadas pelos elfos e cobiçadas por Melkor. Esta é a maior e melhor parte do livro, recheada de aventura e romance.

A quarta parte, Akallabêth, conta a história, ascensão e queda de Númenor, o reino dos humanos, após os elfos, descontentes, decidirem deixar nosso mundo para viver em Valinor, o reino dos Valar. Aqui ficamos sabendo como Sauron conseguiu chegar ao poder após a derrota de seu mestre Melkor, e também seu estratagema para criar os Anéis do Poder, que culmina na quinta e última parte do livro, Dos Anéis de Poder e da Terceira Era, que conta com a participação de vários personagens já conhecidos de O Senhor dos Anéis (antes desta história, porém), como Mithrandir (Gandalf) e Elrond.

Além de todas estas histórias, O Silmarillion ainda traz as árvores genealógicas das quatro "famílias" mais importantes dos elfos; notas sobre a pronúncia dos nomes e palavras em élfico; um apêndice sobre os elementos nos nomes nos idiomas élficos; mapas; e um glossário de 50 páginas, com todos os personagens, lugares e artefatos da história.

Enfim, mais do que um excelente livro de fantasia, O Silmarillion é um manual sobre a Terra-Média e a mitologia Tolkeniana, indispensável não somente para os fãs do autor, mas também para os fãs do gênero. Não por acaso, é um de meus livros preferidos.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário