domingo, 19 de outubro de 2003

Record of Lodoss War



Muitos desenhos já foram inspirados pela fantasia medieval, gênero praticamente inventado por J.R.R. Tolkien, e que serviu de base para o primeiro RPG do mundo, o Dungeons & Dragons. O mais conhecido deles, sem dúvida, é a Caverna do Dragão (que, em inglês, se chama Dungeons & Dragons), aquele que a Globo passava tanto que ia abrir um buraco na fita (nada contra, eu adoro esse desenho, e até gostaria que reprisassem mais uma vez, pois da última eu tentei gravar os episódios e ficaram faltando dois). Os anime também já beberam dessa fonte, existindo várias séries medievais fantásticas, talvez mais ainda do que americanas. De todas elas, porém, o que tem mais clima de RPG, e, por acaso, meu preferido é Record of Lodoss War.

Lodoss é um desenho medieval típico, sem magias exageradas, muitos dragões voando por aí, nem nada do tipo. Só um vilão bem vilão, e um bando de jovens heróis inexperientes tentando detê-lo, com alguns coadjuvantes poderosos para ajudá-los. O clima de RPG está presente a todo momento, a começar pelo grupo de heróis, um típico grupo de personagens-jogadores.

O "herói principal" é Parn, um guerreiro adolescente que herdou a armadura e a espada do pai, e sempre desejou um dia usá-las para viver grandes aventuras. A oportunidade se apresenta quando sua pacata vila é invadida por um bando de goblins. A ele se une Etoh, amigo de infância de Parn e recém-ordenado clérigo (para quem não sabe, um tipo de padre capaz de executar magias, que são conferidas a ele pelo deus do qual ele é devoto). Em sua primeira aventura, os dois são ajudados/salvos pela elfa Deedlit, que decide se unir ao grupo.

Paralelamente a isso, o anão Ghim recebe uma missão: encontrar a sacerdotisa Leylia, filha de uma grande amiga sua, há muito desaparecida. Para isso, ele pede a ajuda de seu amigo mago Slayn, que não tem muita prática em aventuras, mas conhece muitas magias. Os dois grupos eventualmente se encontram e passam a ser um só. Após algumas aventuras e muita confusão, acabam todos presos, e, na cadeia, encontram o ladrão Woodchuck, que, em troca de sua liberdade, se une aos jovens aventureiros.

Pronto, um guerreiro, um clérigo, um mago, um ladrão, uma elfa e um anão! É ou não é um grupo de RPG?

Lodoss foi lançado no ano de 1990, originalmente em versão OVA, ou seja, direto em vídeo, uma prática comum no japão. São 13 episódios, com duas histórias distintas. Nos 7 primeiros, ficamos conhecendo a história dos heróis, como eles se uniram, e porque decidiram seguir juntos: Leylia, a moça procurada por Ghim, foi dominada mentalmente por Karla, uma entidade mística ancestral, com propósitos desconhecidos e incompreensíveis. Karla se torna conselheira do rei de Marmo, reino inimigo de Lodoss, e fomenta uma guerra entre as duas nações, chegando até mesmo a seqüestrar a princesa, filha do rei de Lodoss. Eventualmente, nossos heróis conseguem livrar Leylia do domínio de Karla, e aí começa a segunda história.

Na segunda história, o sumo-sacerdote de Marmo planeja acordar um dragão ancestral, estando de posse de um artefato que permitiria controlá-lo e dominar toda Lodoss. Para isso, ele precisará sacrificar Deedlit em um ritual. Além de salvar Deedlit, os jovens heróis ainda têm que se preocupar com um ataque de Shooting Star, outro dragão há muito adormecido que resolver acordar e espalhar o caos por aí.

No geral, Lodoss é um desenho de muita ação, que poderá agradar até mesmo quem não está habituado com o clima de RPG - mas para quem consegue identificar os elementos, o desenho tem muito mais graça. Tal clima de RPG pode ser explicado: o cenário de Lodoss surgiu em uma série de romances de fantasia medieval, inspirados pelas obras de Tolkien. Aproveitando o sucesso dos romances, foi lançado um RPG do cenário, semelhante ao Dungeons & Dragons. Na carona do sucesso do RPG (que, pelo que eu saiba, só existe no japão, embora na internet role uma "versão traduzida" em pdf), foi produzida a série OVA.

Depois desta versão OVA, também foi lançada uma série regular, para a TV, com novos personagens no mesmo cenário, mas esta eu nunca tive a oportunidade de assistir. Mas parece que falam bem dela na internet.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário