domingo, 21 de novembro de 2004

Highlander

Continuações possuem má-fama. É de conhecimento geral que o "filme 2" será sempre pior que o "filme 1". Em algumas gratas exceções, como Alien, Homem-Aranha e X-Men, o segundo é tão bom ou até melhor que o primeiro, mas a regra é a de fiasco total para que os produtores aprendam a não serem gananciosos. E nenhum filme ilustra isso melhor do que Highlander.

O que é uma pena, diga-se de passagem, porque Highlander é um filme legal pra caramba. Um dos meus favoritos de todos os tempos. Mas só o primeiro. Ignoro completamente a existência de qualquer continuação, inclusive da série de TV. O que era uma história original e emocionante foi sendo de tal forma estragada ao longo dos anos, que nem o estrago que fizeram com Matrix chega perto. Portanto, se você não conhece, façam como este que vos fala, ignorem solenemente tudo o que não for o primeiro filme, e viverão mais felizes.

Lançado em 1986, dirigido por Russell Mulcalhy e escrito por Gregory Widen, Highlander foi o filme que alavancou a carreira de Christopher Lambert (até hoje conhecido aqui em casa como "o Highlander"). O filme conta a história de Connor MacLeod, nascido na Escócia do século XVI. Em 1536, o clã MacLeod se envolve em uma sangrenta luta contra uma tribo de bárbaros, liderada pelo sanguinário Kurgan (Clancy Brown). Connor é morto em batalha, e seu corpo é levado para uma tenda. Momentos depois, porém, ele ressucita, e é expulso do clã, sob alegação de satanismo.

Connor passa a vagar sem rumo pelo mundo (aliás, pela Escócia), até que, cinco anos depois, é encontrado por Juan Sanchez Villa-Lobos Ramirez (Sean Connery), que lhe revela toda a verdade: Connor é um imortal (não, ele não é "um Highlander", como as pessoas costumam dizer. A origem do nome do filme é bem mais simples do que se imagina. Existe uma região da Escócia conhecida como as Terras-Altas, ou Highlands, que tem este nome por ser uma região de planícies montanhosas. Connor nasceu nesta região, por isso ele é o Highlander, o nascido nas Highlands).

Onde estávamos mesmo? Ah, sim. Ramirez revela a Connor que ele é um imortal, um ser humano especial, posto no mundo para participar de um torneio de vida ou morte, onde o vencedor ganhará algo conhecido como "o Prêmio". Um imortal não pode morrer de inanição, asfixia, doença ou violência. Caso seu corpo sofra ferimentos fatais, em algum tempo ele regenerará e retornará à vida (hmmm... Wolverine, alguém?). Só existe uma forma de acabar de vez com um imortal: decepando sua cabeça. Ao ser decapitado, o imortal finalmente perece, e sua força (conhecida como Quickening) passa para o imortal que o matou. A única restrição é que o imortal não pode ser decapitado em solo sagrado, ou seu Quickening se dispersa, e o imortal que o venceu é punido. O tal torneio no qual os imortais estão envolvidos consiste basicamente nisso. Um deverá decapitar o outro até que, efetivamente, só reste um deles (o que acabou gerando a frase mais famosa do filme, "só pode haver um"). Este remanescente ganhará o Prêmio. Ninguém sabe o que seria este Prêmio, mas as lendas dizem que é poder suficiente para governar o mundo (uma outra versão diz que o Prêmio é o maior desejo do imortal, seja ele qual for, mas eu não me lembro se alguém diz isso no decorrer do filme ou se inventaram depois). O filme não deixa claro o que aconteceria se um mortal decapitasse um imortal, mas eu acho que isso nem importa. Afinal, será um imortal a menos de qualquer forma.

Ramirez decide ensinar Connor como manejar corretamente uma espada, como decapitar seus inimigos, e como sobreviver sendo um imortal sem despertar suspeitas entre os mortais. Segundo Ramirez, Kurgan, o bárbaro, também é um imortal, e não pode de forma alguma ganhar o Prêmio, cabendo a ele e a Connor derrotá-lo. Uma noite, porém, Kurgan encontra Ramirez e o mata, deixando Connor sozinho novamente (a não ser por sua esposa Heather, mas esta é mortal, e um dia o deixará).

Connor, então, utiliza o que aprendeu com Ramirez para sobreviver através dos séculos. A história eventualmente chega a Nova York, no ano de 1985, onde ocorrerá o Encontro: os poucos imortais que restaram são compelidos a ir até esta cidade. Os mais poderosos, evidentemente, são Connor, agora um dono de antiquário que atende pelo nome de Russell Nash, e Kurgan, que adotou o nome de Victor Kruger. Os dois travarão a última batalha entre os dois últimos imortais, onde, no final, só pode haver um, e este um ganhará o Prêmio.

Highlander é um filme antológico, com uma história original, belas paisagens e trilha sonora composta pela banda Queen. Uma obra que marcou época, e acabou criando uma nova mitologia. Infelizmente, seu sucesso levou a continuações equivocadas, uma (de 1991) que subverteu completamente a história, e outra (de 1994) que tentou consertar mas não havia mais jeito. Os produtores ainda fizeram uma série para a TV, que se passa durante os acontecimentos do primeiro filme, mas esta peca pelo excesso de imortais. Eles deveriam ser poucos, mas praticamente a cada capítulo aparece um novo. Existe ainda um filme que "fecha" a série, mas esse nem merece comentários.

E afinal, qual é o prêmio? Como o filme é velho, eu vou contar. Se você não quiser saber, pare de ler imediatamente. Após derrotar Kurgan, Connor finalmente recebe seu prêmio: se tornar mortal. Nada mais apropriado. Afinal, muita gente quer viver para sempre, mas deve ser um saco.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário