domingo, 1 de agosto de 2004

O Enigma do Labirinto

Como eu já mencionei, adoro jogos de tabuleiro. Aqui em casa eu tenho um, adquirido em 1988, particularmente interessante e agradável de se jogar. Infelizmente, hoje em dia esse não vende mais, portanto protejo o meu de todas as formas (embora a caixa já esteja destruída), pois sei que provavelmente não terei como repô-lo em caso de acidente, o que seria uma perda irreparável. Este jogo, chamado O Enigma do Labirinto, é o tema do post de hoje.

O Enigma do Labirinto


Fabricado no Brasil pela Grow no final da década de 80, este jogo é uma adaptação do jogo alemão Das Verrückte Labyrinth, criado por Max J. Kobbert em 1986, para a empresa Ravensburger. Além de na Alemanha e no Brasil, o jogo também foi lançado nos EUA, com o título a-MAZE-ing Labyrinth. É um jogo sem dados, onde a estratégia tem um papel importante: cada jogador está no papel de um caçador de tesouros, perdido em um labirinto mágico, e necessitando encontrar determinados itens para triunfar sobre os demais.

Existem, ao todo, 24 tesouros espalhados pelo labirinto. No início do jogo, cada um dos 4 jogadores recebe 6 cartas, tipo de baralho, representando os tesouros que ele deverá alcançar antes dos oponentes se quiser vencer. Os tesouros têm que ser alcançados em uma ordem fixa (do primeiro para o último do montinho de cartas que ele recebeu). Cada jogador só pode ver qual será seu próximo tesouro a alcançar após alcançar o que está perseguindo no momento. Um jogador também não pode saber qual tesouro os demais estão procurando, até que um tesouro seja alcançado, quando a carta é revelada para provar que o jogador alcançou aquele tesouro. O primeiro jogador a revelar suas 6 cartas vence a partida.

Olhando assim, parece extremamente fácil. A parte interessante do jogo é a movimentação: como já foi dito, não existem dados. O tabuleiro é formado por 43 peças, 16 fixas (sendo 4 as casas de início de cada jogador) e 27 móveis. Existem 3 tipos de peças, as com linhas retas, em formato de L e em formato de T. Todas as fixas são em formato de T (com exceção das casas de saída) e todas as em formato de T possuem tesouros.

No início do jogo, 26 das 27 peças móveis são distribuídas aleatoriamente entre as peças fixas para formar o labirinto que começará o jogo. Nenhum tesouro pode estar imediatamente adjacente a uma casa de saída no início do jogo, e os quatro jogadores devem começar "trancados", ou seja, sem um caminho formado para sair andando. Uma das peças vai sobrar, e é esta peça que será utilizada para a movimentação.

Das Verrückte Labyrinth, o original A cada rodada, o jogador, após ver qual tesouro está procurando e localizá-lo no tabuleiro, deverá utilizar esta peça que sobrou para "empurrar" uma linha ou coluna de peças móveis, inserindo a peça que tem em sua mão na posição que quiser, e fazendo com que uma peça diferente saia do tabuleiro, peça esta que será utilizada pelo próximo jogador. Após mover a linha ou coluna, o jogador pode andar com seu peão quantas casas quiser, desde que não pule nenhuma parede, ou seja, que siga um caminho perfeitamente formado no labirinto. Com planejamento suficiente (e um pouco de sorte), ele conseguirá pegar o tesouro que precisa com esta jogada. Se não der, andará até onde conseguir, e ficará parado lá, esperando sua próxima vez. Não importa se o jogador alcançou o tesouro ou não, após parar ele passa a vez para o próximo à sua esquerda.

Algumas regras devem ser seguidas para a movimentação: primeiro, um jogador sempre move o labirinto antes de andar, e não o contrário. Mesmo que o caminho entre ele e seu tesouro esteja aberto, ele deve mover uma linha ou coluna qualquer. Essa regra é motivo de alguma raiva, pois às vezes você conseguiria pegar o tesouro se andasse, movesse e depois continuasse, mas não movendo antes de andar.

Além disso, não vale "voltar", ou seja, não vale empurrar uma linha ou coluna que o jogador imediatamente antes de você empurrou no sentido contrário. Em outras palavras, se o jogador A empurrou a coluna 1 da esquerda para a direita, o jogador B não pode empurrar esta mesma coluna 1 da direita para a esquerda. Ele ainda pode empurrar a mesma coluna no mesmo sentido.

Finalmente, você não pode mover uma coluna se for "jogar um peão no Limbo", ou seja, se a peça que ficará fora do tabuleiro em decorrência de seu movimento tiver um jogador parado nela. Se o jogador não for parar fora do tabuleiro, vale mover ele para lá e para cá normalmente, embora isso costume irritar o jogador em questão.

Apesar da explicação um tanto complicada, é um jogo divertidíssimo. Alguém poderia fazer um abaixo assinado ou coisa parecida para que a Grow ou a Estrela voltassem a fabricá-lo. Assim eu poderia comprar um novo e guardar o meu como backup.

7 enfiaram o nariz:

Anônimo disse...

atrasado, mais assinado. xD
parece interessante esse jogo.

11:41 AM
Jucelia disse...

Este jogo é o máximo. Comprei um quando estive em 1989 em Essen-BRD-Alemanha, e adorei. Presenteei na época a minha irmã, que o guarda até hje e ainda o jogamos. É muito divertido e une a família e os amigos. Não é estressante. Recomendo a todos terem um destes na sua gaveta de jogos. Aliás estou a procura de um para eu ter de lembrança já que o meu eu presenteei, se alguém souber onde posso comprar, agradeço.Podem postar aqui mesmo a dica. Abraços. J.Zimmermann.

7:40 PM
Lilian Girão disse...

Que bom que o senhorito fez esse post. Lembrei que um amigo tinha esse jogo e pretendo construir uma versão mais didática, para ser construída e utilizada em sala de aula. Obrigada!

11:57 AM
b disse...

Foi ótimo encontrar este jogo aqui. Eu lembrava dele e estava construindo um em casa com papel horle para a base e metier/spumapaper para as peças-caminhos, mas não lembrava de alguns detalhes como por exemplo a disposição dos tesouros e as regras das cartas.
Realmente, ele não existe para comprar, eu sempre procurava na esperança de encontrar, mas por fim resolvi construir o meu próprio.
Este jogo é incrível! Recomendo a todos construirem o seu próprio. Dá um pouco de trabalho, mas sabendo usar um software de edição de imagem e um estilete, é bem "fazível˜.

10:55 PM
Pricilla Pozzatti disse...

Depois que vi seu post, fui procurar no Amazon.com e eles vendem! Eu tive um quando criança e acabou né??? ( muito tempo!!!) encomendei.... igualzinho.... perfeitinho e o material tanto da caixa quanto do jogo são melhores que os da Grow. Demorou um mês e meio para chegar e fiquei contando os dias... Enfim!!! chegou e já joguei bastante... ensinei ao meu marido e ele gostou também. Veu cada dólar investido!!!! é uma pena que no Brasil deixaram de fabricar jogos de qualidade que fazem as crianças pensarem e aprender a serem estrategistas como o jogo ensina...

7:27 PM
Sergio_flopes disse...

Da pra comprar o Labirinto da Turma da Monica que é basicamente o mesmo jogo =D

8:08 AM
Katia Brito disse...

Esse foi o melhor jogo de toda minha vida não apenas infância. Preciso comprar um urgentemente o que ainda tenho em casa perderam algumas peças.

11:58 PM

Postar um comentário