domingo, 18 de abril de 2004

Snopes

Os mais atentos devem ter notado na coluna da esquerda um link para um lugar chamado Snopes. Como, pelo menos teoricamente, não adianta nada colocar um link para um lugar que absolutamente ninguém se interessa de clicar para saber o que é, e também porque o tal do Snopes é um lugar muito legal, decidi fazer este post de propaganda gratuita.

Eu encontrei o Snopes sem querer, graças ao Fator Surpresa do Google. Para quem não sabe, o Fator Surpresa funciona mais ou menos assim: você vai lá no Google e escreve, por exemplo, "Revolução Francesa". Ele vai encontrar um bonucatilhão de sites relacionados. Dentre estes sites, porém, teremos um "Como criar coelhos", e alguns outros menos decentes. Este é o Fator Surpresa, que te mostra coisas que você não estava procurando! Não me lembro o que eu estava procurando, mas logo o segundo link do resultado apontava para uma das páginas do Snopes, que não tinha absolutamente nada a ver com o assunto. Menos mal, achei um site divertido para quando eu estiver sem nada para fazer.

Mas do que se trata, afinal? Bom, todo mundo já deve ter recebido por e-mail coisas como a foto da "maior mulher do mundo", a belíssima história dos menininhos que deixam seu amiguinho mentalmente deficiente vencer o jogo de beisebol de propósito para que ele se sinta bem, avisos de que o jdbmgr.exe é um vírus, e coisas do tipo. Na Snopes, eles coletam estas "lendas", e colocam tudo organizadinho, por assunto, e ainda por cima marcado como verdade ou mentira, com direito a análise dos fatos e explicação de por que é mentira, se for o caso. E eles não fazem isso somente com lendas de e-mail, mas com todo o tipo de lendas urbanas, como a história do cara que conhece uma bela mulher numa festa e acorda em uma banheira de gelo sem os rins, a mulher pelada na janela do desenho Bernardo e Bianca, ou até mesmo a famosa teoria "Paul is Dead", segundo a qual Paul McCartney morreu e os Beatles o substituíram por um sósia, deixando pistas para que os fãs descobrissem o engodo.

E não é só isso! Histórias menos lendárias, como a famosa "onde está o 1 Real" (três amigos vão a um restaurante, pagam R$ 10 cada e recebem R$ 5 de troco; como não dá para dividir 5 por 3, eles pegam R$ 1 cada e deixam R$ 2 de gorjeta; se cada homem pagou R$ 9, 9 x 3 = 27, +2 da gorjeta = 29, onde está o R$ 1 que falta para 30?), todo o tipo de belas mensagens de humanidade, fatos escabrosos envolvendo filmes e músicas, tudo está lá. São quase 5.000 "lendas", divididas em 40 seções, e atualizadas mensalmente. Leitura para muitos e muitos meses. A minha seção preferida é a de Horror, embora seja meio perturbador ler as lendas marcadas como "verdade"...

Falando nisso, o sistema de "classificação" é feito por "bolinhas", a saber:

Uma bolinha verde indica uma história verdadeira. Por exemplo, uma das mulheres do filme "007 Somente para seus Olhos" era um homem que fez operação para mudar de sexo.

Evidentemente, uma bolinha vermelha indica uma história falsa. Por exemplo, a Coca-Cola quando foi criada era verde.

Esta bolinha dupla indica uma história falsa, mas com elementos verdadeiros, ou vice-versa. Por exemplo, usuários de telefone celular em Londres recebem uma chamada de um número que não conhecem e ligam de volta, mas este número possui uma tarifa especial de 50 Libras por minuto. Tais chamadas realmente acontecem, mas a tarifa é de 1,50 Libras por minuto, bem menos do que a lenda clama.

Uma bolinha amarela indica uma história que pode ser verdade, mas os fatos apresentados pela história são tão contraditórios, confusos ou surreais que fica difícil saber se é verdade mesmo. Por exemplo, um jornal britânico noticiou que o padre da cidade de Ewhurst estava visitando seus moradores, e, ao ver que um deles possuía uma guitarra, o convidou a tocar domingo na igreja. O homem aceitou, e o padre disse que lhe daria alguns dias para praticar, para não fazer feio. No domingo marcado, o padre descobriu que o tal homem era ninguém menos que Eric Clapton.

Finalmente, temos as bolinhas brancas, que indicam histórias que podem realmente ter acontecido com alguém, em algum lugar, em algum momento, mas é impossível comprovar se são verdadeiras ou não, na maior parte das vezes porque elas já estão rolando por aí há décadas. Por exemplo, o homem que comprou em um leilão um quadro que ninguém queria, mas havia uma cláusula especial dizendo que quem comprasse aquele quadro levaria de brinde todos os demais quadros do leilão, que valiam uma fortuna.

Eu estou lendo as lendas do Snopes há um bom tempo. De vez em quando eu reconheço alguma que eu recebi por e-mail, ou que já ouvi alguém dizendo "é verdade, aconteceu com o vizinho do meu tio" ou coisas do tipo. Para os que gostam de boas histórias, o site é um prato cheio.

Da próxima vez que você receber um e-mail duvidoso ou alguém lhe contar uma história fabulosa, já tem a quem recorrer para saber se está sendo enganado.

0 enfiaram o nariz:

Postar um comentário